"Torna-te aquilo que és." (Friedrich Nietzsche)

"Não existem más influências, existem pessoas sem personalidade própria." (Demi Lovato)

Pesquisar neste blog ou na Web

MINHAS PÉROLAS

sábado, 2 de junho de 2012

O CARNAVAL DOS PROMOVIDOS (Quem me dera ser uma loba de verdade, ter coragem para isso, e roubar seu filé)



Crônica

O CARNAVAL DOS PROMOVIDOS (Quem me dera ser uma loba de verdade, ter coragem para isso, e roubar seu filé)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

          Não sei o que é mais ridículo nesse "carnaval": uma loba vestida de ovelha ou uma ovelha vestida de loba! Só sei que é mais difícil lidar com os intrujados por uma qualquer das fantasias do que se divertir com isso tudo. Eles brigam entre si, defendendo seus ídolos travestidos, e eu morro de medo por ser apenas a grama ou a carniça. Se não reconheço o meu chefe ou o chefe do meu chefe, o que realmente vai fazer a diferença, faz-lo na hora do lanche ou na reunião do instante do recreio. Lembrei-me de que os urubus vestidos de luto também se alimentam de carniça! Ah, mais nunca vi urubu travestido de ovelha ou de loba. Será que sou um dos intrujados! Se não me devoraram ainda é porque não fedo e nem cheiro, ou por ter, ao meu derredor, muitas ovelhas mansas vestidas de loba! Meu medo me protege. Mas, o mais ridículo ainda é se proteger de ovelhas essenciais.
          Fui cogitado a ser coordenador! Mas quem vai me uniformizar com uma capa de loba ou uma de ovelha, e me ensinar uivar como tal ou balir simplismente? Não quero ser a ovelha doente do final de rebanho que as lobas preferem e também não quero ser o antropofágico com indigestão por ser forçado circunstancialmente a comer capim. Que Deus me livre desses pecados, que minha natureza bem me defina, e eu não venha sofrer as consequências da falsidade ideológica num ambiente de educação no qual se ensina com exemplos.
          Se alguém tem que descarregar nos outros sua vingança, por as injustiças que se achou a sofrer, que o faça a si mesmo. Pois, esse alguém que sofreu tanto para desempenhar a sua sobrecarga imposta, aprendeu bem, com suas tarefas, como martirizar, do lado que mais dói, os outros, seus subalternos de então, aproveitando a inversão de papéis. Por aqui, na ciranda das pastas, a eficiência transborda! Cadê minha capa de loba? Não para martirizar alguém, mas para me proteger, o medo é meu amigo.
Claudeko
Enviado por Claudeko em 10/02/2012
Reeditado em 01/06/2012
Código do texto: T3491663

Comentários


Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Postar um comentário