"Meu pensamento está igual a chaminé do conclave, em votação para decidir meu futuro." (Dani Leão)

"Não é só porque tem votação que tem democracia" (wagner castilho)

Pesquisar neste blog ou na Web

MINHAS PÉROLAS

sábado, 13 de outubro de 2018

TRNSLUCIDEZ ("Políticos devem ter curso superior para exercer o cargo com lisura ou para ter uma cela especial?" — Hélio Ramos de Oliveira)



Crônica

TRNSLUCIDEZ ("Políticos devem ter curso superior para exercer o cargo com lisura ou para ter uma cela especial?" — Hélio Ramos de Oliveira)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

           Com a obrigação da cidadania, preciso honrá-la, fazendo uma escolha certa, votamos nos políticos profissionais para trocarem de seus postos, mas sem opção favoráveis e avaliados por um povo sem saúde, educação e segurança. Eu gostaria de avaliar-los também e negociar valores. Porém, sou um dos tais desfavorecidos, coniventes com o nível baixo. Todavia, não temos como fugir do lugar comum! Resta-me ter paciência mais um pouco com minha insignificância. Devo votar no candidato menos inadequado. Pois isso, tenho de destacar habilidades, que quando agregadas com o bom senso, se tornam bem importantes. O melhor para mim é deixar o barco correr nestes próximos dias. Vai ser mais proveitoso e menos traumático, deixar que tudo venha e não encontre resistência. Votei pelas propostas de Mudança, que elas me transformem! "A sinceridade imprudente é uma espécie de nudez que nos torna indecentes e desprezíveis." (Marquês de Maricá).
           Esta é uma nova etapa, o tal segundo turno, com certeza me surgirão oportunidades de aprofundamento de minha visão política, pelo os debates acirrados dos candidatos. Por isso, estarei olhando para o futuro. E vou projetar toda a minha energia para a frente e já estou começando a trabalhar muito para meus sonhos realizarem-se, com o preconceito de que essa política partidária pouco nos favorece. Não dá mais para ficar só no plano das ideias. É hora de construir. "A pureza de espírito e a ociosidade são incompatíveis." (Mahatma Gandhi). Mas, só quando definir a nova equipe governamental. Porém, ainda não; neste ano, vou ficar recolhido, voltado para o desenvolvimento do intelecto e da criatividade para pegar impulso. Fazendo algo não muito diferente, tipo: vendo os debates dos presidenciáveis na TV e na Net, um bom papo, um encontro inesperado, pequenos arranjos etc. Quem sabe eu lhe encontre!!!! Para "amassarmos barro." E nas próximas eleições estaremos do mesmo jeito.
        Aproveitando também, vou conversar claramente com a pessoa que é alvo de meu amor para que não haja mais confusões e desentendimentos por causa de política. "Que me tenham por perto apenas aqueles que enxergam a minha alma, com sua limpidez e amor sem fim". (Lavínia Lins). Estou achando melhor, ter mais atenção para não cair nas malhas complexas do amor interesseiro ou fanático. Não sei como definir bem as relações para não ocorrer decepções. Quero me articular mais coletivamente. Talvez, eu deva me preparar para alguns embates com chefes que não gostam de ser contraditos. As palavras pesam, ferem e doem.
Kllawdessy Ferreira

Comentários
Enviado por Kllawdessy Ferreira em 06/04/2017
Reeditado em 13/10/2018
Código do texto: T5962882 
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

sábado, 6 de outubro de 2018

MELINDROSIDADE ("A caminhada é dura mas a graça de viver é levar a cruz como uma benção sem murmurar, sem melindro, sem julgar." — Helen Dias)



Crônica

MELINDROSIDADE ("A caminhada é dura mas a graça de viver é levar a cruz como uma benção sem murmurar, sem melindro, sem julgar." — Helen Dias)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

            Então olhei voluntariamente para aquela aluna de todo dia, pois pouco se expressava, ela tinha boas notas; em silêncio, eu a admirava muito, mas estava faltando-lhe alguma coisa para se impor melhor, talvez mudar a aparência daquele rosto pálido de sempre. Aí, sugeri-lhe uma maquiagem para realçar seus traços bastantes originais. Ela atendeu, pois no dia seguinte, apareceu naquela sala com batom vermelho vivo, o qual emprestava sua vida para o sorriso dela. Por isso, na frente de todos ali, eu fiz menção ao ocorrido. Deixei claro que havia pedido que usasse uma maquiagem, e não medi os elogios, não só ao batom, mas também ao enfeite que estava na cabeça, segurando os cabelos, tudo na respeitosidade convencional ou no "politicamente correto".  Eu sei que, em nossos dias, já não é mais normal esse tipo de observação a uma aluna, porque temos medo das intimidades com eles, pois quase sempre, dessas aproximações, sobram só problemas e julgamentos para o professor. Acusam-nos de tarado, pedófilo e outros adjetivos ridículos de quem não nos tem consideração. Mas, já sou um velho de 60 anos, sem nenhum indicador de libido, só o amor pela a estética das coisas, isso me basta. Então, estou aqui apenas tentando sobreviver, dando o meu melhor, apesar da modernidade pedagógica! O Ensinar não deveria ser só a arte de ficar neutro e distante, inatingível. E do pedestal da classe, vomitar as aulas estéreis, porém uma doação de si, em corpo e alma.
            Li esta acusação a um professor carismático: "O docente teria "cheirado", contado momentos íntimos, tocado nas mãos e até chamado de 'meu bem' as acadêmicas. A Ufam informou que está apurando o caso". Reli o texto e entendi que há uma conspiração contra o professor, talvez sejam as piores alunas querendo se vingar do mestre de 20 anos de tarimba. Estão treinando o jornalismo delas. Pois, na universidade só frequentam adultos. https://www.acritica.com/channels/manaus/news/alunas-de-jornalismo-da-ufam-denunciam-casos-de-assedios-envolvendo-professor (acessado em 29/09/2018).
           É notório que o moralismo ajuda na disciplina, talvez a cara feio do professor desencorajem eles, quando desejarem perturbar a aula, porém não é didático. Se não temos intimidade alguma, não há sentimento nenhum. Ensinar é um ato de amor e aprender o é de respeito! O maior problema da relação professor/aluno é o cabo de guerra e a torcida que gosta de ver o circo pegando fogo; enquanto deveriam estreitar a relação de amizade; afastam-se. Infelizmente, eles não sabem os limites e, às vezes, o professor também não. Então o mais prejudicado deve se precaver fortemente: o professor. Nesse caso, eu não me preocupei com isso, foi a aluna que sofreu o suposto constrangimento, apesar da boa reação da maioria da classe e a clareza de minha boa intenção, atraí consequências negativas de alguns!
           Então ela se excedeu em me cobrar respeito, fazendo questão disso na frente dos colegas, disse, em tom agressivo, que se maquiou não por que eu havia pedido, mas...#$%¨&*§. Um dos presentes, vendo meu silêncio triste, disse para ela: —"deixa o professor pensar que foi porque ele sugeriu". Não sei o que aquela aluna pensou de fato, provavelmente sentiu vergonha de se mostrar obedecendo ou "dando moral" para o professor. Portanto, empoderada demais para tanta humildade requerida.
           Relatei, também, este fato, porque li aqui na internet a observação de um apresentador de TV dizendo que a educação está tão raro hoje em dia, que se formos educados com uma pessoa, ela acha que estamos "dando em cima" dela. E o excesso de proteção blinda a filtragem dos conhecimentos necessários, tornando-se vulgar.
           Aí lembrei-me do outro fato: eu era um dos bons alunos da professora Coraci, no 7º ano, 1973, quando me senti deveras honrado ao receber uma instrução muito particular. Ela me sugeriu que quando eu fosse tomar banho, lavasse as minhas orelhas por dento, pois estavam sujas de cera. Observação dessa natureza ofenderia qualquer adolescente de hoje em qualquer escola. Ainda mais, vinda de um professor feio para uma aluna. Talvez, isso, tachassem-no até de bullying ou assédio. Porém, eu sou grato a minha professora, visto que até hoje, lembro-me dela no banheiro e lavo as minhas orelhas.
           O mal da educação é o alto grau de melindrosidade dos indivíduos. o Mundo estragou-se a si mesmo. As pessoas vivem armadas umas contra as outras em busca de indenização, e tudo ofende os vitimistas. Precisamos amar as pessoas, mas elas têm medo de ser amadas. Conselhos e elogios não devem ser dados mais. Machado de Assis disse: "Está morto: podemos elogiá-lo à vontade." Mas, por isso digo aos vivos, devemos prestar assessoria, quando for solicitado e cobrar por isso. O "Tio" da escola foi substituído pelo "profissional da educação", e a escola tornou-se um caos!
Kllawdessy Ferreira


Comentários

Enviado por Kllawdessy Ferreira em 01/04/2017

Reeditado em 06/10/2018
Código do texto: T5958327 
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

sábado, 29 de setembro de 2018

DEPRESSÃO ("Quando o modelo de vida leva a um esgotamento, é fundamental questionar se vale a pena continuar no mesmo caminho." — Mario Sergio Cortella)



CRÔNICA

DEPRESSÃO ("Quando o modelo de vida leva a um esgotamento, é fundamental questionar se vale a pena continuar no mesmo caminho." — Mario Sergio Cortella)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

           Hoje, depois de ter dormido muito mal, cheio de cafeína, para terminar o trabalho de ajustar as notas DOS MEUS ALUNOS, ainda busco inspiração para escrever essa crônica que deveria ter sido poética, mas é patética. Então recebi no Whatsapp: "Não permita que pessoas com o péssimo hábito de serem negativas, derrubem as melhores e mais sábias esperanças de nosso coração! Lembre-se sempre: Há poder em nossas palavras e em tudo o que pensamos… Portanto, procure sempre ser POSITIVO! Seja “surdo” quando alguém lhe diz que você não pode realizar seus SONHOS". Isso só aumentou minha depressão! Como assim?! Acho que tenho que acatar também essas pessoas que me trazem para a realidade. Aqui, controlar a agressão é fundamental para evitar o envolvimento em litígios sociais. O meu diálogo interno entre o bem e o mal estende o circuito, sugerindo um momento de impopularidade, devido ÀS MINHAS reações intempestivas. Por isso, é necessário parar os impulsos e os comentários que podem gerar polêmica ... PELO QUE SINTO NO MOMENTO, A emoção vai um pouco mais profundo hoje, tocando em alguns desconfortos. Pode atingir um sentimento de prisão que merece um tratamento delicado: porque há coisas que eu não posso expressar e viver, porém as quero! Estou perdendo O CONTROLE, NÃO SEI SE COMPENSA MESMO, É VIVER ENGOLINDO sapo para alcançar estabilidade, prestígio, soluções, melhorias, recompensas e ajudas. SERÁ?
           Meu dinheiro é amaldiçoado, não rende. Deve ser a eficácia de meu trabalho que não se aloja bem. Recusaram-se a ser gratos a mim. Malditos sou, fazendo o que não lhes agrada. Talvez tenho macumba! E assim, como posso ser reconhecido pelo meu potencial e brilho pessoal? Como posso estar em destaque, se quando volto a atenção para mim mesmo, a minha aparência não me recomenda. Só me resta então ser bem egoísta e pensar mais em mim, assim a arrogância tomará conta de mim, agravando a minha dificuldade de me relacionar com as pessoas em geral. Portanto, não vou mais adiar, para momentos mais fluidos, as conversas difíceis e as negociações delicadas. O conflito nesse momento é de meu interesse e não faço questão de expressar amabilidade alguma. "Remédio para um doido é um doido e meio". Não se assustem, normalmente não costumo expor minhas vulnerabilidades, porém fico assim depois de uma tarde de aulas no Ensino Fundamental ou uma noite sem dormir.
            Qualquer dia assim, fico ansioso; não posso caminhar com tranquilidade e me estresso sem necessidade. Agora, sei que não vale a pena me preocupar com o que ainda nem começou a acontecer. Apenas fiquei imaginando dificuldades antes que elas ocorressem, pegando-me desprevenido. Percebo pela intuição que vou ganhar um ponta-pé hoje! Há os que se opõem a meus métodos, mas com os anjos me ajudando, terei as palavras certas para desentusiasmar essa gente perseguidora. Estou precisando do descanso eterno. Chega de perturbação.
Kllawdessy Ferreira
Enviado por Kllawdessy Ferreira em 31/03/2017
Reeditado em 29/09/2018
Código do texto: T5957232
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

sábado, 22 de setembro de 2018

ESTRATÉGIA ("A facilidade do caminho é semelhante ao frágil graveto que sustenta a arapuca." — Sergio Antonio Meneghetti)



Crônica filosófica

ESTRATÉGIA ("A facilidade do caminho é semelhante ao frágil graveto que sustenta a arapuca." — Sergio Antonio Meneghetti)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

           É muito difícil fazer o professor trabalhar montando armadilhas para forçá-lo Às SUAs OBRIGAÇÃOs, assim como as armadilhas, também não funcionam para os alunos que não querem estudar. Aliás, nunca deram certo para ninguém sem fome; ninguém consegue enganar a si mesmo, porque as aratacas derrubam, prendem e não motivam. Onde cai um, cai dois: a presa e o armador. "Quem cava uma armadilha, nela acabará caindo; quem rola uma pedra sobre os outros será atropelado pelo retorno da mesma pedra que havia empurrado." (Pv 26:27). E "Quem cava uma cilada, cairá nela; e quem derrubar um muro, uma cobra o morderá." (Ecl 10:8).
           A isca apetitosa é sempre outra vítima. E o estrategista o é também. Parece-me acertado o ditado popular: "macaco velho não mete a mão em cumbuca". As experiências dos peixes grandes e fortes são manipuláveis a favor dos pescadores. Se a isca é o pequeno ou um pedaço do grande, então enfeitiça-lhes munto um bom salário e a promessa de sobrevivência garantida, ou ainda o conforto; mas saibam que tudo tem um preço. Gosto das palavras de Chuang Tzu, tão apropriadas para ilustrar isso! "O objetivo de uma armadilha de peixes é pegar peixes; quando eles caem na armadilha, ela é esquecida. O objetivo de uma armadilha para coelhos é pegar coelhos; quando estes são agarrados, esquece-se a armadilha. O objetivo das palavras é transmitir as idéias. Quando estas são apreendidas, as palavras são esquecidas. Onde poderei encontrar alguém que se esqueceu das palavras? É com ele que gostaria de conversar". É por isso que as estratégias do sistema educacional não funcionam, pegam algumas poucas presas por um preço muito alto e são esquecidas, chamam-nas de obsoletas, escola tradicional. Em todo plano de aula, exige-se estrategias que é o mesmo que sequência didática planejada. Os pedagogos adoram essa manipulação; todavia pegando o inexperiente, esquece-se a arapuca.
           Quando a caça desconfia, não cai, por isso não se trabalha a mesma dinâmica em sala de aula, os alunos não prestam a mesma atenção da primeira vez, piada contada duas vezes perde a graça.
           Não se ensina por estratagemas, o aprendizado acontece pelo grau de interesse do aprendiz, e o interesse desperta-se nele conforme suas necessidades. A escola deveria primeiro perguntar qual é a necessidade do alunado. Isso implica o plano individual e complica-se na funcionalidade das salas superlotadas. Um professor ardiloso não é um bom professor, sufoca o aluno, faz parecer que o ensinado é apena embuste. "O altruísmo que tanto se louva, não é mais do que um ardil do próprio egoísmo para burlar os ingênuos" .(Adão Myszak).
           A escola precisa deixar de trabalhar com ciladas e emboscadas. Uma pessoa quer o que ele gosta. Por que o aluno não aprende a gostar da escola? Ou: "É a caça ruim que desarma a arapuca...!" Já fui caça eu sei, portanto me lembro dos urubus educados, vestidos de luto, que também se alimentavam de carniça! Já os vi vestidos de ovelha, a falsidade deles não pode me devorar, porque tenho veneno de sapo nas veias. Asqueroso é meu nome!
Kllawdessy Ferreira

Comentários
Enviado por Kllawdessy Ferreira em 26/03/2017

Reeditado em 22/09/2018
Código do texto: T5952239 
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

segunda-feira, 17 de setembro de 2018

AS COISAS QUE MAIS IRRITAM UM PROFESSOR



As coisas que mais irritam um professor 
Por MARTA MARQUES
*A indisciplina no decorrer das aulas é uma das coisas que mais irrita os professores. Conheça outras que foram reveladas por dois, um da primária e outro do básico;
*Reuniões em excesso depois das 18:45 - "Reunião para dar notas, reunir com os encarregados de educação, definir o programa e critérios de avaliação" - estes são alguns dos motivos, citados pelos professores, que exigem tantas reuniões no decorrer do ano letivo;
*Excesso de alunos por turma;
*Ver e classificar muitos testes e exames - geralmente com "prazos que têm que ser cumpridos" - acrescenta o professor;
*Má educação dos alunos;
*Desvalorização da profissão docente - um problema geral que afeta a motivação e o desempenho das funções dos docentes;
*Lidar com alguns encarregados de educação - e aqui torna-se ainda mais difícil quando se lida com pais "feras" que reclamam em favor dos filhos;
*Excesso de burocracia - "fichas, relatórios e grelhas, por vezes até em duplicado" , estes são alguns documentos exigidos a um professor, além de todo o trabalho com a preparação das aulas;
*Mudança de programas e de orientações sem avaliar resultados anteriores;
*Reunião na sala dos professores no instante do recreio.

https://www.delas.pt/diario-negro-de-um-professor-ou-sera-stor/

sábado, 15 de setembro de 2018

BUSCANDO O ANTÍTIPO (Não te prendas a nada que não te liberte" — Marlon Pires Leandro)



Crônica

BUSCANDO O ANTÍTIPO (Não te prendas a nada que não te liberte" — Marlon Pires Leandro)

           Hoje, um sábado de aleluia bom para encontrar os parentes e conversar, mas como os meus estão longe, eu volto a atenção para mim mesmo e para as minhas lembranças. Muitas imagens do passado estão aqui em minha mente. Então, vou colocar em dia minha correspondência, ou mandar um e-mail, ou telefonar. Contudo, vou mesmo ao assunto que me está favorável à espiritualidade. Maior parte do tempo estarei empregando o bom-senso para meu autoconhecimento: lendo a Bíblia, meditando sobre as circunstâncias do dia. Meu astral ainda está carregado da semana agitada que passou, mas hoje está mais "tranquilo e favorável", assim posso medir com a régua da humanidade os meus descaminhos. Se aproximem... para a benção pascal! Vamos responder algumas questões dessa reflexão!
           São Lucas dá alguns detalhes interessantes sobre o momento da Ascensão de Jesus. Quando estavam retirados da cidade, e Ele subiu aos céus, todos ficaram ali parados, extasiados, olhando para o alto, meio perdidos, ainda sem entender, até que dois anjos lhes explicaram, e lhes fizeram ver que deviam continuar vivendo a vida deles… (At 1:9-10). E o mesmo São Lucas diz, completando a informação, que “eles voltaram para Jerusalém com muita alegria e louvando a Deus” (Lc 24:52). Os discípulos já estavam muito felizes com a Ressurreição de Jesus, e agora, naquele momento, entenderam que a missão deles iria começar, mas com a força do Alto. Será?
           Páscoa; ressurreição de Cristo: Roubaram o corpo! Disse Ele: "Não me toques porque não subi ao Pai". Só o Tomé incrédulo podia! Então comeram juntos. E na estrada de Emaús ainda não tinha subido ao Pai? 40 dias comendo e bebendo e ainda não subiu ao Pai! Atravessou, com a barriga cheia de "arroz e feijão", a porta do esconderijo dos discípulos sem abri-la . Só subiu no dia da despedida. Agora Eu e o Pai somos Um. kkkkk É melhor acreditar que roubaram o corpo. Foi a conspiração romana que escondeu o corpo, para mostrar que a guarnição era fraca e falha, mas se quisesse acredita que foram os judeus, também cumpria o intento da milícia rebelde. "Eu que simbolicamente morro várias vezes só para experimentar a ressurreição…" (Clarice Lispector). Tudo é simbólico!
Kllawdessy Ferreira

Comentários

Enviado por Kllawdessy Ferreira em 26/03/2017
Reeditado em 15/09/2018
Código do texto: T5952237 
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

sábado, 8 de setembro de 2018

MEUS ÚLTIMOS SUSPIROS ("Que toda dor, dedicação e resistência, seja motivo de sucesso vindouro". —Rafael Medeiros)


Crônica

MEUS ÚLTIMOS SUSPIROS ("Que toda dor, dedicação e resistência, seja motivo de sucesso vindouro". —Rafael Medeiros)

Por Claudeci Ferreira de Andrade*

           Agora mesmo, já desponta meu futuro, posso vê-lo próximo, sinto isso. Não posso mais perder tempo. O momento é de trabalhar e de me dedicar para finalizar todos os meus projetos. Deixe-me verificar as experiências do passado. Só assim posso, diante de problemas que surgirem de última hora, buscar amparo na racionalidade. Embora uma força me puxa para atingir metas e propósitos, outra quer a harmonia e aconchego das relações conhecidas. É como se diz vulgarmente: a fome uniu-se com a vontade de comer. Já estou velho, peço que tolere essa minha hesitação toda! "Idosofobia" não tem lugar!
           Ainda com a minha mente para o futuro próximo, só me resta deixar as correntes cósmicas me levarem até ele. Agora, mais nada a fazer, só deixar que tudo caminhe de acordo como foi programado. Eu penso no amanhã, sim, como algo mágico que em breve vai se tornar realidade. Quero novidades, não milagres. Vejo-o como apenas uma viagem bem vinda. Acabou a páscoa, não quero mais saber de Papai Noel ou Mula sem Cabeça, só pé na estrada. Contudo conto com a lealdade dos mais queridos e o amor até de quem está longe. Oxalá se rompam para sempre as restrições. "A religião do futuro será cósmica e transcenderá um Deus pessoal, evitando os dogmas e a teologia." (Albert Einstein).
            Não preciso ser como muitos, apáticos sem opinião formada sobre nada, fingindo ser dedicado a seu trabalho, porém sem qualidade. Como pode uma pessoa sem conjectura ser diligente? Só hoje, percebi que o futuro está realmente em movimento, e eu gosto de ser essa "metamorfose ambulante", quanto mais me aproximo do amanhã mais ele foge para mais um passo além de mim. Percebi pelos acontecimentos estranhos desta segunda-feira, porém foram muito importantes, em todos os aspectos. Por isso, não quero deixar passar as oportunidades que me forem oferecidas e vou ficar de bem com todos nesta semana, custe o que custar. A meta é procurar me fortalecer, cuidando da saúde e deixando minha vida mais organizada. No trabalho, estou na equipe. Embora sei que preciso de pulso firme, coragem e visão ampla para contornar imprevistos. Que venham as cobranças e conturbações dos dominadores.
           Vi-me no drama do eu-lírico deste poema que julgo ser próprio para fechar esta crônica de minha futuridade.


FUTURO
Chillot



Dou ideia de venturo
Pois só encontro muro
Como saio do seguro
Se existe o surro


Sei o que é recinto
Mas estou faminto
O que é preciso
Para ser distinto


Vou ir no bufão
Mas que instigação
Preciso de um pão
Me ofereceu determinação


Fui na frente
Com a minha mente
Preciso de uma lente
Não consigo ver gente


Desejo ficar
Mas queriam me jogar
Vou me elevar
E assim povoar
Kllawdessy Ferreira

Comentários
Enviado por Kllawdessy Ferreira em 24/03/2017
Reeditado em 08/09/2018
Código do texto: T5950760 
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.