"Todas as coisas complexas estão condenadas à decadência." (Buda)

"Evoluir não é melhorar. A lagarta jura que a borboleta é a sua decadência." (Fabrício Carpinejar)

Pesquisar neste blog ou na Web

MINHAS PÉROLAS

sábado, 28 de dezembro de 2013

TESTE PARA DETECTAR INIMIGOS(Meus inimigos se unem a mim contra outros inimigos comuns)


Crônica

TESTE PARA DETECTAR INIMIGOS(Meus inimigos se unem a mim contra outros inimigos comuns)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

             Nossos inimigos acompanham nossos amigos, eles, oportunistas, se valem da aproximação dos que confiamos, e assim, nos acompanham indiretamente, acenemos para quem amamos, e todos virão! Uns para nos apreciar e os outros para nos condenar. Por isso, digo: amigos dos meus inimigos são meus inimigos também. Napoleão Bonaparte disse: "Nunca interrompas o teu inimigo enquanto estiver a cometer um erro". Eis aí, o porquê, não denuncio ninguém, deixo a natureza e o destino administrar as suas consequências, que é a aplicação de meu desejo sobre quem me ofende, então sei quem são meus inimigos aqueles que sofrem mais do que eu e me contaminam com seus sofrimentos.
          Também sei quem são meus inimigos porque sentem inveja de mim e não podendo ser eu, imitam-me; às vezes me bajulam, e até tentam me manipular, dizendo coisas que eu não sou, depois sorri para mim como se nada tivesse acontecendo! Exploram minhas fraquezas, atribuem ao meu profissionalismo todas suas deficiências e exigem minha perfeição.
           Meus inimigos jogam outros contra mim e por vezes se calam diante de meus apelos corporativistas, quando me canso, obedeço o dito popular: "não podendo com o inimigo una-se a ele". É dessa forma: Meus inimigos se unem a mim contra outros inimigos comuns. Só assim para me darem trégua. — “O ótimo é inimigo do bom” (Adágio popular). Se temos alguém para odiarmos em comum então somos todos irmãos!
Claudeko Ferreira
Enviado por Claudeko Ferreira em 15/08/2013
Reeditado em 28/12/2013
Código do texto: T4435950
Classificação de conteúdo: seguro
Comentários

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


sábado, 21 de dezembro de 2013

O ÚLTIMO PÃO-DE-QUEIJO DA BANDEJA ( Eu me importei com aquele pão-de-queijo e lho olhei com outros olhares!)



Crônica

O ÚLTIMO PÃO-DE-QUEIJO DA BANDEJA ( Eu me importei com aquele pão-de-queijo e lho olhei com outros olhares!)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

           Em todo evento na escola, não pode faltar o lanche! Não sei por quê! Mas, eu não me sinto bem dando essa impressão de que se vive para comer. Se é reunião de professores, então o pão-de-queijo é indispensável. A tal "vaquinha magra" soma o dinheiro dos que gostam, e uma ou duas duzias de pães-de-queijo quentinho tornam-se o motivo da felicidade da maioria e o sucesso da socialização. Vivenciei nessa semana uma situação reveladora, em que um grupo de professores olhava sofregamente para o último pão-de-queijo que sobrou na bandeja: aquele que ninguém pega para mostra-se educado, desprendido de egoísmo, versado nas etiquetas da alta sociedade! Mas, eu juro que se qualquer um daqueles mestres ficasse sozinho na sala com aquele solitário e apetitoso pão-de-queijo, avançaria nele com voracidade. Observei-o, confesso, com água na boca, mas de forma discreta para descobrir quem faria as honras do bolinho da falsa moralidade, controlei-me.
            Chegou a hora, e todos saíram de uma só vez, desembaraçando-se uns dos outros, devagarinho como se processando uma despedida, não uns dos outros, mas daquele artesanal pão-de-queijo, porém desprezado pelas circunstâncias. Eu também saí no "bolo", andando meio devagar, sempre olhando para trás para ver quem devoraria a última peça. Finalmente uma professora, como quem fingia ter esquecido alguma coisa na sala, faz finca-pé e retorna aos chamados do infeliz pão-de-queijo. Eu a segui sem que ela percebesse, e ela me deu o drible, entrou na porta vizinha: o banheiro! Entrevi-me com aquela decepção e em fração de segundo me descuidei da mesa de observação, então, virei-me para lá, muito tarde, e me deparei com o responsável da cozinha que recolhia as vasilhas. E o Pão-de-queijo se foi!!!
           Você já se sentiu o último pão-de-queijo da bandeja?  A vasilha é grande demais para contê-lo. Desprezado por pessoas que não querem partilhar com sua reputação. Os santarrões que temem ser comparado com você, que é desbocado e não goza da aceitação da maioria, pelo menos aparentemente. Eu sou como aquele cobiçado pão-de-queijo, impedido de saber o quanto lhe querem, só porque a atitude de comê-lo é uma indicação de desregra. Porém se esquecem da iniciativa! E a criatividade? E a inovação desvinculada do medo do que vão pensar de si?!!! Raul Sexas já disse: "Só os desobedientes são criativos".
           As Relações da educação são assim. Muitos me leem, mas ninguém comenta, para não revelar o que pensam a meu respeito: se me aceitam positivamente, são coniventes, e os respingos de minha má reputação os manchará; se não me aceitam, atraem a repugnância dos que me veem bem. Então, é mais fácil ler um comentário, em um dos meus textos na internet, de pessoas desconhecidas e de outras áreas de atuação. "O profeta em sua terra não faz milagre".
           Infelizmente, como o último pão-de-queijo da bandeja, sofremos com o corporativismo do mal. Nossos inimigos acompanham nossos amigos, para longe ou para bem perto, eles, oportunistas, se valem da aproximação dos que confiamos para ter acesso a nossas fraquezas, nos acompanham indiretamente, nem precisamos chamá-los, e todos virão! Uns para nos apreciar e os outros para nos condenar. Por isso, digo: amigos dos meus inimigos são meus inimigos também. Logo, até que a morte me devore pelos caminhos certos, digo isso, crendo que ninguém é totalmente desprezível: eu me importei com aquele retraído pão-de-queijo e lho olhei com outros olhares! Então, certamente, alguém se importará comigo, vendo me com olhares diferentes, respeitando o que realmente sou e o que faço. Na verdade, não há inimigos nossos, há apenas aversos circunstanciais.      
Claudeko Ferreira
Enviado por Claudeko Ferreira em 15/08/2013
Reeditado em 21/12/2013
Código do texto: T4435749
Classificação de conteúdo: seguro
Comentários

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

sábado, 14 de dezembro de 2013

CONSELHO DE AMIGO OU DE IRMÃO (Eu queria ter lhe perguntado isto no dia do amigo)


Crônica

CONSELHO DE AMIGO OU DE IRMÃO (Eu queria ter lhe perguntado isto no dia do amigo)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

             Disse-me um "amigo", enquanto lia alguns textos no meu blog: "Será que você não poderia falar menos sobre suas coisas? Deixar sua vida exposta aos outros, reclamando de pequenos problemas que ocorrem em seu dia a dia só faz com que as pessoas se irritem com suas queixas ou, o que é pior, fiquem com pena de você; um ser infeliz e sem sorte. Você quer ser visto assim?"
           Tá, mas será que ele queria que eu falasse de quem ou de quê? Dele? De sua vida? Mostrando minha admiração por tê-lo como amigo feliz? Porém, inverter os níveis, ele não quer! Por acaso, ele pode viver minhas experiências? A Bíblia diz que tem amigo melhor que irmão, é bem verdade, todavia um irmão, embora não seja amigo, nunca deixa de ser irmão até porque as experiências de infância em comum são enraizadas para toda vida. Talvez dois entes criados juntos se tornem amigos, mas não necessariamente irmãos. Então, o que Diabo é ser amigo?
           Eu tenho a plena consciência da pressão dos outros sobre minha liberdade; pressão essa que é grande, ainda mais agora que falo de minhas desgraças. É como se eu estregasse os pontos aos meus inimigos. Fragilizando-me maior do que o tolerável, se se pode dizer assim, já não estou mais gostando  de viver em perigo! Urgentemente tenho de encontrar uma outra boa válvula de escape, evitando confrontar os poderosos. Senão o mundo contemplará coisas piores.  Acho que devo aproveitar essas experiências para meditar e recuperar o meu equilíbrio mental já perdido há muito. Não quero mais  conviver com mal entendidos e confusões. Alguma coisa ficou para trás: meu verdadeiro eu...
Claudeko Ferreira
Enviado por Claudeko Ferreira em 30/07/2013
Reeditado em 13/12/2013
Código do texto: T4411584
Classificação de conteúdo: seguro

Comentários

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

Educação pífia


Educação pífia

DIÁRIO DA MANHÃ
GÊNIO EURÍPEDES

Todos os formadores de opinião que leio sempre foram unânimes em acreditar que um País se salva primeiro pela educação. A educação foi bandeira do PT para se chegar ao poder. A maioria dos professores e dirigentes educacionais apostou fichas e sonhos na alavancagem da educação brasileira, e isso não aconteceu satisfatoriamente nestes 12 anos de governo petista. A educação desanda.
O gasto com o setor até que tem sido razoável, o que vale dizer: dinheiro a mais e gestão correta de menos. Assim, o primoroso  texto de Hélio Schwartsmam, da Folha de S.Paulo, me chamou a atenção, apesar do título forte e, de certa forma, exagerado,  porém não muito diferente ao que dou nesta abertura. Título do Hélio: “Desastre educacional”.
Portanto, peço, data venia, que seja colocado neste noticioso para análise de quem de direito. Estamos mal na foto, como admitiu o doutor Mercadante. Que saudade do Cristovam Buarque e do Paulo Renato!
“Saiu mais um Pisa, o teste internacional que avalia alunos de 15 e 16 anos em várias áreas, e o Brasil segue na rabeira. Os países que participam do exame são 65. Ficamos na 55ª posição em leitura, 58º em matemática e 59ª em ciência.
É verdade que melhoramos em matemática, mas estamos falando de um avanço da ordem de 10% em quase uma década. Nesse ritmo, levaríamos 26 anos para atingir a média dos países ricos e 57 para alcançar os chineses. Isso, é claro, no falso pressuposto de que os outros ficarão parados. Em leitura e ciência, a evolução foi ainda mais modesta.
Infelizmente, não será muito fácil mudar o quadro. O governo acena com os recursos do pré-sal como salvação da lavoura. É claro que mais dinheiro ajuda, mas está longe de ser uma garantia de sucesso. Na verdade, nosso sistema é hoje tão pouco funcional que jogar mais verbas nele será, acima de tudo, uma ótima maneira de desperdiçá-las.
Sem um plano coerente de como aplicar os recursos, os avanços tendem a ser mínimos. Um de nossos principais problemas é que não conseguimos recrutar bons professores – os países campeões do Pisa selecionam seus mestres entre os melhores alunos das faculdades; nós nos contentamos com os piores.
Mesmo que, numa rápida e improvável inversão de rumo, passássemos a contratar a elite, levaria um bom tempo até que o efeito se espalhasse pela rede, que conta hoje com mais de 2 milhões de docentes.
Isso significa que precisamos encontrar um meio de progredir com o que temos. Minha impressão é a de que o caminho passa por estabelecer um currículo detalhado e ensinar o professor exatamente o que ele deve dizer em cada aula aos alunos. Sim, estamos falando de sistemas massificados, daqueles que inibem a criatividade e outras coisas de que os pedagogos não gostam, mas não vejo muita alternativa. Afinal, estamos há muito tempo fracassando no básico”.
(Gênio Eurípedes, professor,advogado, escritor e vereador pelo PSDB de Jataí)

sábado, 7 de dezembro de 2013

A LICENÇA-PRÊMIO DO PROFESSOR E O TANQUE DE BETESDA (Nesse caso, vou ficar esperando Jesus voltar para acontecer o milagre)


Crônica

A LICENÇA-PRÊMIO DO PROFESSOR E O TANQUE DE BETESDA (Nesse caso, vou ficar esperando Jesus voltar para acontecer o milagre)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

           O Professor efetivo terá direito à licença-prêmio de 3 meses em cada período de 5 anos de exercício efetivo e ininterrupto, sem prejuízo da remuneração. (http://www.mp.go.gov.br/portalweb/hp/10/docs/lei_n_16.378,_de_21_de_novembro_de_2008..pdf) (acessado em 07/06/2017).
          Não é assim na educação? Esse é mais um dos direitos concedidos segundo a conveniência da secretaria de educação, foi assim que me disseram: — "só um, de cada vez, pode gozar essa licença por Unidade Escolar, para não gerar gasto ou contratação". Bem, o critério da escolha de quem vai gozar é um mistério! E o professor efetivo que substituirá o licenciado não receberá pagamento pelas aulas adicionadas a sua carga horária? Então, qual seria o problema de se colocar um contrato temporário, com estas aulas, ganhando pelo que trabalhar! Tantos quantos sejam, deviam honrar o direito de quem trabalhou ininterruptamente o quinquênio e servir-lhe quando ele bem desejar.
          Se for da consciência de todos daquela Unidade Escolar, e, ali,  dois ou mais estiverem hábeis, com o direito devidamente conquistado, então começam uma guerra fria, e articulações políticas para garantir ao  vencedor deferimento de sua licença no tempo solicitado. Sabendo disso, eu fiz tudo discretamente, não falei nada aos meus colegas concorrentes, porém, não adiantou, a professora tinha mais merecimento, ou seja, entrou primeiro.  Portanto agora só me resta uma analogia com a história do paralítico do tanque de Betesda: [Porquanto um anjo descia em certo tempo ao tanque, e agitava a água; então o primeiro que ali descia, depois do movimento da água, sarava de qualquer enfermidade que tivesse. Jo. 5:1–15]. A concorrência ali era grande e cá também, mas ainda se fala de corporativismo e a união da categoria! Paradoxal!
         Quando um professor vocacionado que é, assíduo que seja, conhecedor das burocracias do sistema se dispões a pedir o usufruto da sua licença bem merecida é que ele realmente está precisando muito de um descanso da árdua tarefa da sala. Uns, mediante o sacrifício em vista até esperam para requisitar suas licenças-prêmio acumuladas nas vésperas da aposentadoria; o irônico é morrerem antes, e o enriquecimento ilícito do sistema não ser medido. Para adubar meu conformismo, orientou-me a recepcionista do deportamento pedagógico que tentasse no próximo ano, quem sabe!?! Quem sabe o quê?...Eu morra antes!
          É, converter a licença-prêmio em dinheiro deve ser mais difícil do que gerar um contrato temporário para substituir o insubstituível premiado em potencial. Nesse caso, vou ficar esperando Jesus voltar para acontecer o milagre. Qual foi mesmo o critério de Jesus para escolher o paralítico do Tanque de Betesda, visto haver muitos outros enfermos ali e não se tem relato de outras curas no incidente? 38 anos de espera? E eu vinte...!


ENCAMINHAMENTO DE PERCEPÇÃO

1 Por que, depois do dever comprido e direito conquistado, ainda temos que brigar para usufruí-lo?

2 Se toda prática tem uma consequência, não seria a desordem do sistema e desrespeito uma consequência da desvalorização de seus componentes?

3- Quem ganha e quem perde com os exageros da causa?

4- O que falta para os eficientes burocráticos do sistema comunicar ao servidor que este ou aquele direito lhe pertence, sem que o servidor mate trabalho para correr atrás?
5- Conhecendo bem o Sistema educacional, pergunto: Por que é difícil para os órgãos públicos serem justos e transparentes para com a comunidade interna e externa da escola?
Claudeko Ferreira
Enviado por Claudeko Ferreira em 19/07/2013
Reeditado em 07/12/2013
Código do texto: T4394471
Classificação de conteúdo: seguro

Comentários

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.