"Não espere por uma crise para descobrir o que é importante em sua vida." (Platão)

"A amizade e a lealdade residem numa identidade de almas raramente encontrada." (Epicuro)

Pesquisar neste blog ou na Web

MINHAS PÉROLAS

sábado, 30 de março de 2013

"MORDIDO" OU LAMBIDO (Será que cão latidor não morde?)



PROSA POÉTICA

"MORDIDO" OU LAMBIDO (Será que cão latidor não morde?)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

Todo cachorro late comigo!
Eles latem por mim;
Eles latem para mim;
Eles latem perante mim;
Eles latem a mim;
Eles latem ante mim;
Eles latem até mim;
Eles latem após mim;
Eles latem de mim;
Eles latem desde mim;
Eles latem em mim;
Eles latem entre mim;
Eles latem contra mim;
Eles latem sem mim;
Eles latem sob mim;
Eles latem sobre mim;
Eles latem atrás de mim!
Um latido afora, segundo, exceto, salvo, malgrado, durante, mediante, fora e menos.
Tem cachorro para todos os gostos, estou mordido acerca disto!
Não gosto de cachorro com vida de rico e nem da criança interior que brinca com o cachorro dentro do adulto. Enfim, não gosto mesmo é de "cachorrada" comigo. Prefiro os que falam mal de mim, pelo menos falam!
Claudeko Ferreira
Enviado por Claudeko Ferreira em 19/10/2012
Reeditado em 30/03/2013
Código do texto: T3941664
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários


Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

sábado, 23 de março de 2013

RESPONSABILIDADE SOCIAL (O que leva um professor chamar seu aluno de macaco [...]?



Crônica

RESPONSABILIDADE SOCIAL (O que leva um professor chamar seu aluno de macaco [...]?

Por Claudeci Ferreira de Andrade

          Aprendi muito tarde na vida que não amo ninguém, pois nunca estive disposto a fazer sacrifício algum para quem quer que seja, apenas faço o que me é confortável, cumprindo meu dever de amar o próximo como a mim mesmo. Talvez seja como explicou Claudynha: Se você se ama, e ama o próximo como ama a você mesmo, consequentemente você ama alguém. Cada um ama a sua maneira, e se não podemos corresponder ao amor de alguém como é requerido, não quer dizer que não amamos com tudo que temos." Todavia explico melhor: O que sinto por você chama-se responsabilidade social. Já está bom demais, se espero de você só isso!!!
          E você me ama ALÉM DISSO? O que pode fazer por mim ("andar a segunda milha") a ponto de desfalcar o seu conforto? Já dizia Giacomo Leopardi: "O primeiro motivo por que se está disposto a ajudar outro nas devidas ocasiões é a alta apreciação que se tem de si mesmo."
          Será que esta alta proteção ao negro e ao gay, tão em voga, não seria uma espécia de amor próprio protegendo os iguais? Tamanha perseguição aos discriminadores não seria uma agravante discriminação a quem discrimina? O que leva um professor chamar seu aluno de macaco e se coincidentemente ambos são negros? http://dialogospoliticos.wordpress.com/2013/03/21/professor-chama-aluno-de-macaco-em-escola-da-ufmg/ (acessado em 23/03/2013).
          Diga-se de passagem, tudo é motivo para se condenar um professor. Quem faz macaquice senão macacos ou idiotas? (Dic. Aulete: [ma.ca. qui.ce] sf.
  1  Macaqueação, postura ou gesticulação semelhante às dos macacos, momice; arremedo, cópia, imitação ridícula
  2  Imitação mal feita ou ridícula.
  3  Pop.  Adulação interesseira, lisonja falsa; comportamento hipócrita.
 [F.: macaco - + -ice.]
          De tanto condenarem o racista, o homofóbico e  a autenticidade (sacrificadores de professor) o mundo terminará negro, gay e inóspito. Para mim não há problema algum... Porrada caleja!
Claudeko Ferreira
Enviado por Claudeko Ferreira em 12/10/2012
Reeditado em 23/03/2013
Código do texto: T3928744
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários


Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

sábado, 16 de março de 2013

FESTA DE PROFESSOR (Tomara que Salomão tenha razão quando afirma que a tristeza nos purifica.)



Crônica da vida escolar

FESTA DE PROFESSOR (Tomara que Salomão tenha razão quando afirma que a tristeza nos purifica.) 

Por Claudeci Ferreira de Andrade

            Este ano foi generoso na organização das folgas. Dia das crianças, sexta-feira e dia dos professores, segunda-feira; entre eles, o sábado e o domingo. Motivo quadruplicado para comemorações. Então, no calor da euforia, arrisquei-me ir ao jantar para os professores, que foi realizado no colégio mesmo. Você precisava ver, tudo estava muito arranjado, coisa de profissional. Ainda que o ambiente me era comum, e as pessoas também me pareciam maquiadas de si mesmas do mesmo jeito dos dias comuns. Logo senti a falta de muitos colegas com quem eu gostaria de confraternizar naquela ocasião. Por que não vieram? — Ah! Eles não se relacionam bem com a direção, resquícios pessoais – se apressou alguém em me responder. Onde é mais difícil ser hipócrita, no trabalho ou na festa!? Continuei em minha solidão reflexiva.
            Mal o conjunto musical se instalou, eu já queria ir embora, lembrei-me das palavras do Sábio Salomão: "... é melhor estar nos velórios que ir a festas de aniversário. Isso porque você vai morrer um dia e é bom pensar nisso enquanto ainda há tempo. A tristeza é melhor que a alegria porque ela nos purifica." (Ecl. 7:2-3 BV). Foi quando minha coordenadora chamou-me para sentar à sua mesa, Então persisti na busca do prazer. Conversa vai e conversa vem. Excedi-me também nas risadas e no bebê Coca-cola. Tendo alguns relampejos de lucidez, aqui e acolá, moderava o envolvimento. Mas, não teve jeito, fui convidado para cantar uma canção dedicada aos professores. Uma canção de minha autoria, imagina!!! É, Você sabe que coisa de última hora, improvisada geralmente não fica boa. Quando voltei para a mesa estava 'leproso".  E o esforço dos colegas, mais próximo, para me conforta era notório. Porém, se eu não fosse me arriscar às atenções, também ficaria péssimo, teria ido embora, antes mesmo do jantar ser servido.
          Cheguei a comentar, por que todas as festas têm como estímulo a comida, parece que todo mundo vive para comer, será que o pão se divorciou do "circo". Para mim até a história está desconjuntada. Talvez só para mim que como só para viver. Contudo, as escolas ensinam a glutonaria às crianças desde cedo. O programa "Mais Educação", tendência modernista, serve dois lanches (um na chegada, outro na saída, e as crianças aproveitam e participam do intermediário servido para os do turno normal, ou melhor, ficam comendo três vezes num período).
         Nesse momento, estou sentindo uma sensação de peso na consciência, sei lá!!! Como se eu tivesse cometido muitos pecados. Tentei me lembrar do ano passado, no qual não fui à festa dos professores. E não me lembro deste desconforto de alma. Mas, foi ruim lembrar que, no primeiro dia letivo, todos me perguntavam por que não fui. — foi muito bom – diziam eles. Então eu era acometido com outra sensação esquisita, a de prejuízo. Acho que vou dizer para os meus colegas que não participaram desta festa — foi muito boa! E implantar neles a sensação de prejuízo. Pelo menos a vingança me aliviará por enquanto. Então, eu presente na festa ou ausente desta implicam responsabilidades que cumpridas ou não cumpridas me fazem triste. Tomara que Salomão tenha razão quando afirma que a tristeza nos purifica.
         
Claudeko Ferreira
Enviado por Claudeko Ferreira em 12/10/2012
Reeditado em 16/03/2013
Código do texto: T3928644
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários


Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

sábado, 9 de março de 2013

Deus É a Dinâmica da Vida (Vamos apenas nomeá-Lo como indefinível, inconceituável e inconcebível)



Crônica

Deus É a Dinâmica da Vida (Vamos apenas nomeá-Lo como indefinível, inconceituável e inconcebível)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

          Deus é o sistema último que transforma todas as energias em matéria e a matérias em energias: a dinâmica da vida. E o que chamamos de vontade de Deus, nada mais é que a fome do motor pelo o combustível da vida, fazendo movimentar as substâncias em busca do que Lhe é próprio consumir no momento. Ele consome vidas e produz a vida. "Há no âmago do Universo uma 'energia' que o pulsa para frente, que o faz 'acontecer', não o deixa parado. As coisa no universo só podem 'acontecer', não podem 'parar' ou regredir" (Marcelo Caixeta - DM)
          Se um grupo de "religiosos" fanáticos e pretensiosos se diz conhecedor de Deus, por que não nos explica melhor? Se é que Deus pode ser conceituado e explicado, medido por mentes finitas. Um desses, certa vez,  me disse que Deus é onipresente: está em todos os lugares ao mesmo tempo. Mas, pense na ausência como uma possibilidade que Deus não usa! Deus não pode estar ausente? Então, não é onipresente (presente na ausência não é de Deus?). Se a onisciência de Deus estiver vinculada à onipresença, há uma lacuna na sabedoria de Deus: não existe a pausa, a ausência! Se  a onipotência de Deus considerar o nada como alguma coisa permeável pelo Seu poder, então os Seus atributos são maiores que o próprio Deus. Doutrinas religiosas são uma tentativa frustrada, pois a própria Bíblia disse que se possível fosse enganariam até os escolhidos. (Mt 24:24). Estão achei necessário o acréscimo com o comentário do Pseudônimo,  "Mostradamus": "segue-se o raciocínio daqueles basicamente inteligentes, mas medrosos: Quem foi que criou Deus? Se não fomos nós, foi um outro (O pai), mas de onde teria vindo o pai? e assim uma infinidade de perguntas irrespondíveis. Então chamemos Deus de ignorância plena, escuridão, medo, insegurança, ou aceitemos implicitamente nossa obscuridade, como fazem os ateus".
          O Deus é complexo demais para ser limitado por conceitos ou definições, então vamos apenas nomeá-Lo como indefinível, inconceituável e inconcebível. Dar-Lhe esses nossos atributos de criatura,  faz dEle um de nós, pois é isso que os homens da religião querem: brincar de ser Deus!
Claudeko Ferreira
Enviado por Claudeko Ferreira em 05/10/2012
Reeditado em 09/03/2013
Código do texto: T3918225
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

domingo, 3 de março de 2013

RECUPERAÇÃO PARALELA NA "CONSTRUTEL" ( Sexo e droga em troca de nota e frequência)



Crônica

RECUPERAÇÃO PARALELA NA "CONSTRUTEL" ( Sexo e droga em troca de nota e frequência)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

          A secretaria de educação do DF informou que vai afastar o professor de educação física flagrado, fumando maconha com alunos no parque da cidade.(http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/cidades/2012/09/28/interna_cidadesdf,325129/professor-e-flagrado-fumando-maconha-com-alunos-no-parque-da-cidade.shtml) acessado 03/03/2017. "Os professores e os alunos da Escola Secundária de Nampaco, localizada no bairro com o mesmo nome, na cidade de Nampula, usam cinco salas de aula, ainda em construção, para práticas sexuais no período noturno. Naquela escola os professores são surpreendidos a manterem relações sexuais com as suas alunas, e os alunos com as suas colegas, ato que traduz uma autêntica promiscuidade. As alunas envolvidas no caso têm entre 16 a 18 anos de idade. Algumas o fazem em troca de notas, de frequência para poderem transitar de classe. Outras em troca de dinheiro para suportar caprichos pessoais. Conta-se que o caso não é recente, pois as aludidas salas de aula estão a ser erguidas desde o ano de 2010."(http://www.verdade.co.mz/nacional/30469-professores-e-alunos-usam-salas-de-aula-para-actos-sexuais). (Acessado em 03/03/2017).
          Há tempos, venho dizendo que o ambiente escolar já não tem sido o que muitos pais acreditam ser. Quando os pais querem se ver livres de seus filhos em casa, e os obrigam ir à escola e a tirar notas boas, deveriam primeiro prepará-los para o que vão encontrar pela frente.
          Esse sistema de nota, na escola, para promoção (avaliação contínua, pontinho para tudo - até se o aluno riscou a carteira e depois limpou, ganha ponto), predispõe o adolescente, que não quer estudar, a procurar outros meios de adquiri-la, como vemos nas notícias. E também, O aluno que ameaça o professor e esculacha o sistema, brigando por nota, sua reputação vale apenas a nota que conseguiu no grito.
          O modelo de educação que tenho em mente é do tipo excludente, para ter qualidade. Eu como professor jamais deixaria um filho meu frequentar uma escola pública assim como está (paradoxal, mas verossímil). Sugiro que toda avaliação seja externa bimestralmente e aplicada por uma equipe da secretaria de educação. No modelo dos cursinhos pré-vestibulares. Os professores ensinariam os conteúdos determinados pela secretaria de educação e não seriam aquela figura manipuladora e contenedora de poder, explorando os benefícios carnais em troca de nota. Trabalhariam apenas por seu salário e pela motivação de ver maior número de seus alunos serem aprovados para a série seguinte. E o aluno apenas se submeteria a uma pessoa jurídica para conseguir aprovação.
          Desse jeito, dava até para o aluno de sucesso sentir gratidão por seu professor, mas nunca ao ponto de sentir raiva por ter sido explorado por nota, pois foi promovido antes.
          Os pecados que ocorreriam, seriam os mesmos que ocorrem no ENEM e Concursos. Meninos e meninas que se vendem por nota na escola, para agradar professores manipuladores, se venderão por coisas piores no mercado de trabalho, para agradar patrões exploradores. Quem tenta comprar professor com favores sexuais, o que não faria por um pedaço de pão? Funk, droga, sexo e crimes mil têm tudo a ver.
          Achei a cara da ironia maldosa na citação seguinte da notícia já referida: "Entretanto, o nosso entrevistado afirmou que o aproveitamento pedagógico das alunas, sobretudo do curso noturno, reduziu significativamente nos últimos tempos, mas isso não quer dizer que tenha relação com os relatos sobre os atos sexuais em curso na escola." O que achei confuso, pela lógica, deveriam as alunas "estagiárias do sexo" terem, no mínimo, boas notas!!! O que os doutores, mestres educacionais e pedagogos fizeram do sistema educacional público? Se tirarem a inutilidade acadêmica da Escola, tirarão também o emprego de muitos! A calamidade é negociada, para gerar receita. Só não sei se o neg(ócio) vai se autossustentar por muito tempo.
Claudeko Ferreira
Enviado por Claudeko Ferreira em 30/09/2012
Reeditado em 03/03/2013
Código do texto: T3908549
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.