"Torna-te aquilo que és." (Friedrich Nietzsche)

"Não existem más influências, existem pessoas sem personalidade própria." (Demi Lovato)

Pesquisar neste blog ou na Web

MINHAS PÉROLAS

quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

NOVO NASCIMENTO, IMPOSSÍVEL! ("O destino pode mudar. Nossa natureza jamais." - Schopenhauer, filósofo alemão do século XIX)

MENSAGEM

NOVO NASCIMENTO, IMPOSSÍVEL! ("O destino pode mudar. Nossa natureza jamais." - Schopenhauer, filósofo alemão do século XIX)

         Por Claudeci Ferreira de Andrade


          Todas as pessoas são iguais na essência, portanto já perfeitas essencialmente, a diferença está nas circunstâncias, nas quais as envolvem. Por isso, deixei de acreditar em conversão a Deus, Ele não tem como separar-se do homem e continuar sendo Deus onipresente, e o homem não tem como separar-se de Deus e continuar vivo. Nunca se distanciaram um do outro em essência.
           Nenhum homem pode mudar a natureza de seu caráter, a eternidade divina o compõe. Como Deus iria remodelar um ser, descaracterizando outro: o já existente? Por que muitos se dizem convertidos e transformados e se deleitam nas sujeiras do passado, mostrando assim o valer apenas das experiências para se projetarem nas bravatas reincidentes. Diga-se de passagem, cadeia jamais conserta delinquente, apenas dá brilho no seu comportamento! "A escola pode aperfeiçoar o artista, criá-lo, nunca; porque não se melhora senão o que já existe." (Paolo Mantegazza).
As consequências fazem os homens mudarem de rumo, para retornarem depois, porque eles carregam sua essência onde quer que se aplicarem. O destino está traçado. Bandido seria menos bandido se os homens fossem mais homens? Não. Todavia não é assim, ninguém é menos bandido do que pode ser nem mais homem do que pode ser. Por isso digo aqui: a semântica das orações interrogativas não é como subordinadas condicionais e sim coordenadas assindéticas. 
           Se condenamos alguém por um ato qualquer é porque não nos encontramos no lugar dele: espacial, temporal e modal; faríamos o mesmo se estivéssemos exatamente em seu lugar, ou melhor, se tivéssemos exatamente sua história de vida. E ele nos condenaria se fossem trocadas as posições, espacial, temporal, focal e sensorial! Somos distintos, caminhando para um mesmo fim. E "toda a ação é designada em termos do fim que procura atingir" (Maquiavel).
           Não somos de nós mesmos, somos do tempo, tangidos pelas circunstâncias. Deus já contribuiu na manipulação programática do espaço que nos moldou como uma melancia de forma quadrada por ter crescido dentro de uma caixa, porém de maneira alguma deixou de ser melancia. Assim, eu apenas continuo sendo, moldado pelas circunstâncias já determinadas: "Modal de Deus". E meu lema é, sou enquanto estou funcionalmente ou não. Em espírito sou da mesma essência de Deus, imutável; falo também psiquicamente, nesse contexto, Felicidade é adaptação bem ajustada! Recomendo aos meus Leitores, como um Mantra, para a vida toda, a composição a seguir. Todo comportamento é reação a um estímulo! E desejo-lhe dias cheios de fortes estímulos!

Eduardo Scorth

Quem muda o caráter, muda a consciência.
É essencial manter a essência
Mesmo com arte, o artificial.
Não destrói o brilho, do que é natural.

Você tem algo, que só deus explica.
Quanto mais simples, mais bonita fica.
Como foi ontem, que seja amanhã.
Eu nasci seu homem e vou morrer seu fã ♫ (Os Nonatos)
Claudeko
Publicado no Recanto das Letras em 30/12/2010
Código do texto: T2699644

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários


segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

PREDESTINAÇÃO — Tanto o querer como o realizar estão programados ( Fil.2:13)

Pensamento

PREDESTINAÇÃO — Tanto o querer como o realizar estão programados ( Fil.2:13)

Por Claudeci Ferreira de Andrade*

           Eu Creio num futuro pronto e acabado. Se quiserem chamar isso de predestinação, façam-no bem. Por isso, existem profetas verdadeiros! É inconcebível desvendar um futuro incerto. Não há nada mais tão criterioso que o destino. O acontecido acontecerá novamente, a vida é cíclica, e cada um de nós devemos fechar os círculos abertos. Raul Sexas confirmou: "tudo acaba onde começou", na canção: Meu Amigo Pedro. É mais ou menos como pergunta Clarice Lispector: "Como começar pelo início, se as coisas acontecem antes de acontecer?"
           É impressionante como muitos acreditam ter livre-arbítrio, e podem construir o seu futuro. Seriam esses deuses de si mesmos? Aí, alguém me pergunta: se eu nunca escolher estudar, como serei um médico? Então lhe respondo com outra pergunta: E quantos jamais estudaram formalmente e são bem sucedidos nas várias profissões sociais? Mas, os formados baniram os práticos! Todavia, eu diria que se você tiver de ser um médico credenciado, estudar medicina não será uma escolha, porém uma imposição circunstancial. Sobre essa afirmação, o Apostolo Paulo disse: Ai de mim se não pregar o evangelho ( I co. 9:16).   Então, as consequências são uma forma do Deus encaixar cada um em seus "trilhos". Se todos pudêssemos realmente escolher, seriamos iguais, porque ninguém quer ser bandido ou mendigo. Ninguém recusa aquilo que lhe é conveniente, até porque a conveniência é generalizadora. E pelas adequações das circunstâncias, o homem é conduzido e iludido sobre ter escolhido o seu destino. Mas, disse Nelson Rodrigues: "Deus está nas coincidências". E eu creio. A partir das singularidades das formas ser possível a um fim último automático. De forma alguma, estou incentivando a inercia, o cruzar os braços, pois  qualquer comportamento e até mesmo o correr atrás é necessário, é a execução do querer imposto por Deus.
          A predestinação implica um dia certo para morrer; uma indistinção entre o bom e o ruim; um ritmo universal; um Deus superior e controlador (Eu aceito um Deus controlador e soberano, pois uma célula dento de um organismo só realiza o que lhe é imposto pelo corpo, se agir ao contrário, virar-se-á câncer, considerando também ser um estado da predestinação ao revés).
           Ninguém tem poder sobre si mesmo quanto ao fim último de sua vida, nem mesmo os suicidas, senão todas as tentativas de suicídio seria uma morte certa, e não é o que presenciamos nos noticiários.
           O sofrimento é a predestinação ao revés, é o retorno programado e forçado ao fim último original. E as possibilidade dos desvios acarretam no experimentar estas experiências também programadas. Eu preciso de todas as experiências, não tendo como atenuar meu peregrinar, todavia nem posso ser exemplo para outros, passando só por aquelas que constam em meu programa de vida; os demais, vivencio assistindo-os em seu trilhar sobre o seu destino. 
           Além do mais, tudo tem um fim, porém os círculos são alternados e não podem acabar tudo de uma vez, senão Deus deixará de existir. Por isso, as doenças sempre saram, ou ao nível de célula, ou ao nível de órgão, ou ao nível de corpo, mas sempre morre uma estrutura para salvar as outras. E a morte de um homem será solução ao organismo geral, porque a morte de muitos homens implicará a morte do organismo. E o que seria a doença? O revés da predestinação. O Diabo é só uma forma de Deus agir, culpá-lo por toda adversidade é condenar a Deus.
           
Claudeko
Publicado no Recanto das Letras em 20/12/2010
Código do texto: T2682010

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários






sábado, 18 de dezembro de 2010

O FUTURO DA ESCOLA (Virtualismo Jurídico: coisificação oficial das pessoas.)

Crônica

O FUTURO DA ESCOLA (Virtualismo Jurídico: coisificação oficial das pessoas.)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

          “Escola indeniza professora que foi estuprada por aluno de 15 anos em plena sala de aula” (http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:TwYMRUWNDMYJ:youpode.com.br/%3Fp%3D12622+estupraram+a+professora&cd=1&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br) (acessado em 20/08/2016).
          A escola, aqui no Brasil, com certeza, não mais será o “paraíso” tão em breve. Ouvimos com muita frequência nos noticiários mundiais que mataram um professor, quebraram os braços e os dentes da professora, estupraram outra professora e por aí vai! Aqui em nosso caso, se os crimes praticados aos professores e crimes praticados aos alunos fossem indenizados pela escola pública brasileira, ela já não existiria mais! Já pensaram se todos os analfabetos funcionais e mal formados profissionais pedissem, junto à justiça, uma indenização à escola pelo tempo perdido e por outros crimes educacionais?
          Chegamos ao ponto de ficarmos atônitos, sem saber como será nosso amanhã nesse trabalho de lecionar. O mundo real em que vivemos nos oferece, também, essas atrocidades, e o porvir dos sonhos, da educação desejada, está distante e incerto demais. O primeiro é visível, embora potencialmente esteja insuportável, e já não tenha futuro, nem haja solução para suas mazelas no presente processo da história. O segundo, o qual, desejado por muitos, é invisível. Nós ficamos só com os olhos arregalados diante do invisível. Eu sinto dó dos assim visionários promissores do sistema educacional público, os quais conheço bem: deslumbradores do invisível, na esperança que vai melhor.
          Do meu ponto de vista, no papel de professor, necessitamos de um intelectual espirituoso bem intencionado, com poder de decisão, como ministro da educação brasileira, para repensar o sistema educacional. E que faça cumprir os reclames da filosofia tradicionalista, freando esse modernismo canceroso denominado construtivismo, interacionismo, sociointeracionismo, interacionismo sociodiscursivo, tudo junto, “escola nova”, sei lá mais do quê chamam essa podridão! E ainda se refugiam dizendo que ninguém ensina nada, as pessoas aprendem se quiserem. A escola não pode continuar sendo laboratório da política partidária, pois, assim continuará entregando ratos de laboratório feridos à sociedade, logo eles se vingarão cabalmente. Digo isso, confiando na tradicional lei do equilíbrio, a garantidora da revolução ou reviravolta. Jamais houve tantos experimentos frustrados nesse campo, que não dar mais para enganar! Agora ainda querem informatizar uma escola que sequer sabe lidar com o “joio e o trigo”, potencializando a "lambança". Vivemos com um senso de inferioridade tão gritante, restando apenas encaminharmos frequentemente nossos alunos questionadores ao Google. Nosso triunfo com o Google é completíssimo, ele abrange uma realidade que temos de engolir: A escola automatizada e sem produtividade original. Ou seja, a coisificação oficial das pessoas. O virtualismo, corroborando com os desacatos da escola de contato, presencial.
           Eu Creio num futuro pronto e acabado. Se quiserem chamar isso de predestinação, façam-no bem. Por isso, existem profetas verdadeiros; é inconcebível desvendar um futuro incerto. No entanto, não há nada mais tão criterioso que o destino. O futuro da escola é a sacudidura, quando todos sacarem os valores correspondentes ao prejuízo que ela lhes causou.
Claudeko
Publicado no Recanto das Letras em 18/12/2010
Código do texto: T2678741

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Comentários



quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

LIBERDADE DE EXPRESSÃO QUE OFENDE ( Não me calarei irresponsavelmente)

Crônica

LIBERDADE DE EXPRESSÃO QUE OFENDE ( Não me calarei irresponsavelmente)

Por Claudeci Ferreira de Andrade
             Desta vez, foi convocada uma reunião extraordinária, arregimentando todos da escola, desde a porteira servente até a diretoria, as aulas terminaram, às 16h45, trinta minutos: tempo suficiente para a pauta, que seria a crônica do professor Claudeci - “Vaquinha, comportamento da plebe”. Então, tomaram conhecimento da mesma, por que ela foi lida no recreio, em segredo, na sala dos professores, e apenas cinco cópias impressas no computador da escola e ali distribuídas. Todavia, o assunto vazou!
           Ninguém nunca conseguirá entender as razões da minha reprimenda, sem deixar subestimar a sua própria inteligência. E muito mais, depois de lerem o texto em análise, surgiram os contrários, não sei o porquê, se era apenas um recorte real do nosso cotidiano. Os fracos e fortes questionaram a atitude da gestora! Sou suspeito ao dizer isto, pois sou o autor do tal texto, mas é um texto jornalístico de alto nível literário, totalmente ético, gramatical e semanticamente correto, completamente verossímil e de bons propósitos, preferi não escrever nenhum nome para dissimular os reais culpados. A dita crônica foi colada na folha da ata, assinada por todos os ouvintes e está ali como prova, visto que ela tem como foco principal a valorização do respeito ao outro. Por que os encarapuçados sentiriam-se ofendidos?  Não é a escola um ambiente cultural e de construção de cidadania? Ou a educada liberdade de expressão, princípio da democracia, não é validada entre os educadores? Se tacham minhas crônicas de ofensivas, todavia são mais suaves do que os relatórios oficiais dos incidentes escolares, desmaiariam se olhassem o Livro Ata, nomeando indiscriminadamente advertidos, culpados e castigados!
          Na tal reunião, fui interrogado o porquê de não ocupar minha coluna no jornal só com os feitos positivos da escola, logo respondi: “Para fazer melhorar não me interessa o que está certo, parabéns, mas me interessa o errado, isso sim precisa de conserto”. Aproveitando o ensejo, disse-lhes ainda que não inventei nada, apenas descrevi os fatos numa perspectiva didática e poética. Agora me refugio nas palavras do George Bernard Shaw: “Liberdade significa responsabilidade. E assim, tanta gente tem medo dela.”
          Muitas vezes, se confunde liberdade com libertinagem, só pela semelhança fonológica dos vocábulos. A libertinagem é violenta, viola o direito de outros, desdenha esses direitos, recusando a outros sua própria dignidade e valor com menosprezo, ela afasta-nos da verdade libertadora. Por outro lado, a liberdade é dignificante, santificadora, sagrada, desde que liberte-nos do egoísmo e dos erros aviltantes, a liberdade produz brilho gerador de um justo caráter, enaltece merecidamente; essa é minha proposta. Lamento por está fazendo uso dela e dizendo-lhes o que muitos não querem ouvir, como disse George Orwell: “Se a liberdade significa alguma coisa, será sobretudo o direito de dizer às outras pessoas o que elas não querem ouvir.” E se Deus me deu o dom da fala a fim de eu defender minha vida, por que sempre tenho de permanecer calado para sobreviver? Por isso, não me calarei irresponsavelmente. Assim, como não param de "dizer mentiras sobre  mim, não pararei de falar verdades sobre eles".
Claudeko
Publicado no Recanto das Letras em 20/11/2010
Código do texto: T2626413

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Professor acuado (Minicrônica - 100 caracteres)

Minicrônica

Professor acuado (Minicrônica - 100 caracteres)

Por Claudeci Ferreira de Andrade
Até cachorro late de mim, a rua é pública, escola também, provas têm; enciumados perguntam! Eis a questão: Vitima ou réu?
Claudeko
Publicado no Recanto das Letras em 10/12/2010
Código do texto: T2664566

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários


Aprovação escolar sem mérito - Por Içami Tiba

CRÔNICA

Aprovação escolar sem mérito

Por Içami Tiba
          O que mais fere um professor digno é ter que aprovar um aluno que não mereça. Mas por que o professor tem que aprovar aluno não merecedor?

          Porque o professor é pressionado pelos governos, donos da escola, diretoria/supervisor de ensino/coordenador de área, pais do aluno não merecedor, insultuoso excesso de trabalho, aviltante salário, falta de condições adequadas de atualização do processo ensino/aprendizagem, mercantilização do ensino, falta de respeito/reconhecimento e abuso dos alunos, destruição do sonho ao abraçar a carreira de professor, que maltratam sua alma pela destruição de sua autoestima.

          Professores do ensino público foram guilhotinados nas suas funções de ensino/aprendizagem quando se viram obrigados a aprovar todos os estudantes por uma lei que proibia a reprovação a não ser pelas faltas às aulas. Esta lei ficou conhecida como "aprovação automática". Aprender ou não deixou de ser significativo e o aluno era simplesmente aprovado. Os "beneficiados" por esta lei estão constatando pela sua vida prática o quanto foram prejudicados, pois o mercado de trabalho não emprega quem não tem competência, que é o que os alunos deixaram de adquirir ao não aprender o necessário para merecer um diploma. São formados até pelo ensino médio, mas são analfabetos funcionais.

           Muitos donos de escola autodenominam-se como mantenedores. Pelo Houaiss, mantenedor é aquele que mantém, sustenta, defende, protege e vem da palavra espanhola mantener, que significa "manter, prover de alimento". Hoje, muitos mantenedores têm suas escolas como fontes de renda. Mensalidades pagas pelos alunos mantêm e 'alimentam' a escola. Uma escola privada que não gere renda torna-se financeiramente inviável e é fechada ou vendida. Os alunos como clientes de lojas "sempre têm razão". Basta reclamarem ou brigarem com um professor para ameaçarem procurar outra escola. O docente, num episódio como esse, pode ser advertido, punido ou até mesmo despedido pelo mantenedor. Esquecem-se os mantenedores escolares que os alunos geralmente estão pouco interessados em aprender e muito menos em estudar e querem ser aprovados. A maioria dos professores acaba sendo atropelada pelos interesses financeiros dos mantenedores. Os verdadeiros mantenedores são empresas, ONGs, instituições beneficentes que realmente sustentam escolas cujos alunos nada ou pouco pagam para estudar e aprender.

          Quando surgem conflitos entre professores e alunos, a maioria dos diretores, supervisores e coordenadores de ensino acaba atendendo mais aos interesses dos alunos que ao currículo programático e os interesses pedagógicos. Eles temem pais querelantes que ameaçam denunciar e até processar a escola e seus funcionários para superproteger, mesmo que indevidamente, os seus filhinhos, verdadeiros príncipes herdeiros. As maiores vítimas das agressões nas escolas são os professores, o elo mais frágil da educação, quando deveria ser o mais forte, pois eles representam a escola na educação. 20% das agressões aos professores vêm diretamente dos pais.
          Pais que vêm questionar por que o seu inocente filho está sendo perseguido por algum professor desalmado ou implorar para que o seu esforçado filho não repita de ano por causa de um único pontinho na nota. Esses pais estão financiando o despreparo e a má formação do seu filho quando assim o fazem. Professores são representantes sociais que os alunos têm que aprender a respeitar. Os filhos não podem cuspir no prato que comem e os alunos não podem maltratar os professores que os capacitam para a vida.
          Quais foram os sonhos e as pretensões que alimentaram os professores quando jovens, para que eles resolvessem abraçar o magistério? Na sua etimologia, o Houaiss traz: lat. magisterìum,ìi 'dignidade, ofício de chefe; meio de curar, tratamento'. Mas a prática e os sistemas de educação no Brasil tiraram do docente a sua alma generosa, digna e necessária à formação dos futuros cidadãos, e colocaram no lugar a falta do reconhecimento, a impotência, a pobreza, a dificuldade e/ou impossibilidade de atualização na sua carreira e a desrealização do seu ofício, quando lhe tiraram a competência de avaliar se o aluno merece ou não ser aprovado
 

Içami Tiba
Içami Tiba é psiquiatra e educador. Escreveu "Família de Alta Performance", "Quem Ama, Educa!" e mais 25 livros

.
Claudeko
Publicado no Recanto das Letras em 08/12/2010
Código do texto: T2660510

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários



segunda-feira, 22 de novembro de 2010

PROFESSOR MARCA ALUNO?(Minicrônica 121 caracteres - ou minha primeira Nanocrônica


Minicrônica

PROFESSOR MARCA ALUNO?(Minicrônica 121 caracteres - ou minha primeira Nanocrônica)

Por Claudeci Ferreira de Andrade
          Apresentei-me ao terceiro noturno. Fuxicou a tal Aline: — Esse otário fala mal o Português! Acreditaram; eu ainda professor; ela, quem é agora?

(Lembraças do Colégio Estadual João Carneiro dos Santos, ano 2000)
Claudeko
Publicado no Recanto das Letras em 22/11/2010
Código do texto: T2630393

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Comentários