"Não espere por uma crise para descobrir o que é importante em sua vida." (Platão)

"A amizade e a lealdade residem numa identidade de almas raramente encontrada." (Epicuro)

Pesquisar neste blog ou na Web

MINHAS PÉROLAS

sábado, 27 de abril de 2013

VOCÊ ABUSA DE CRIANÇA? (Todos fazem isso até sem perceber!!!)



Crônica Poética

VOCÊ ABUSA DE CRIANÇA? (Todos fazem isso até sem perceber!!!)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

         Toda amizade entre um adulto e uma criança é um abuso — haja só responsabilidade social. As brincadeiras são pesadas demais. Eu abuso de mim mesmo ou das crianças que existem dentro de mim. Por não gostar das de fora; brinco sozinho com as palavras dos outros adultos, que fazem barulho em minha boca. De vez em quanto, brinco com outros adultos de palavras infantis. Brincar com alguém significa: Zombar; Gracejar; Aproveitar; Desfrutar;  Levar de maneira imprudente; Manipular (algo) sem o devido cuidado; Oscilar; Ter relação libidinosa com. Todos fazem uma coisa ou outra até sem perceber!!!
         A cachorrinha não suporta as brincadeiras da cadela adulta, mas são obrigadas a conviver juntas no meu quintal. Convidado pelos grunhidos finos de socorro, eu as observo incansavelmente: o corre-corre, o morde-morde; a novinha termina sempre chorando. Se ainda está viva é porque eu sempre intervenho. Essa é minha brincadeira de animal; corro-corro para separá-las, e elas correm-correm para me incluir no estranho jogo. Só termina quando eu acerto um pontapé forte em uma delas, que sempre é a menor por ter pouca habilidade para fugir.
          Nessa modernidade, em que os animais são mais valorizados que os seres humanos, FILHO QUER PÃO, PEDE-PEDE; PAI DÁ PEDRA!!! O mundo está cheio de adulto sem estabilidade, que carece de equilíbrio emocional, que não está no seu juízo perfeito, que apresenta desequilíbrio mental,  desenformado — perdeu a forma — gente que também foi uma criança "abusada". (Recomendo assistir ao filme "Idiocracia". Está no youtube. Alan Caetano Afonso já assistiu e comentou: "[...]Brinca-se muito com a incapacidade de pensar, nossa extrema preguiça tendo como exemplo de tal preguiça, uma poltrona que é privada e serve para contemplar a televisão que exibe um programa que não foge muito da nossa velha conhecida “vídeo-cassetadas”. Não precisamos ir para o futuro para falar que nós seres humanos, dotados de uma inteligência considerável, perdemos horas da nossa vida olhando uma porcaria de um eletrodoméstico luminoso que exibe imagens de outros seres humanos em situações acidentais, em que na maioria das vezes causam dor ou vergonha ao acidentado [...]"). Se rir dos outros é brincar de fazer bullying com a criança interna dos outros.
           Abusa-se de uma criança quando lhe diz sim ou lhe diz não fora de tempo. Não temos saída, pode ser um abuso desiludir ou iludir uma criança. "Quanto maior o poder, mais perigoso é o abuso." (Edmundo Burke)


Enviado por Claudeko Ferreira em 04/11/2012
Reeditado em 27/04/2013
Código do texto: T3968156
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários


Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

sábado, 20 de abril de 2013

QUE OS INIMIGOS ERREM! (Como querem ser ensinados os processadores de professor se o ensinar é um ato de amor e o aprender de respeito?)



   Crônica

QUE OS INIMIGOS ERREM! (Como querem ser ensinados os processadores de professor se o ensinar é um ato de amor e o aprender de respeito?)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

        Os alunos perderam sua admiração pela intelectualidade dos seus professores e não acreditam na internet. Não sei a que se deve esse fenômeno, mas, veja você: Em uma aula de filosofia, na qual discorria sobre lógica, então eu confeccionava alguns silogismos, no quandro. Quando uma aluna do 2º A me interrompeu com um exemplo "fantástico": — "Todo professor é burro/ O professor de português é burro/ logo, todo professor de português é burro." Ninguém riu! Constrangeu até mesmo seus colegas que gostam de compartilhar as mesmas vinganças. Fiquei estarrecido, não sabia o que dizer, apena disse que agora compreendia a razão do mau comportamento da maioria da classe, talvez seja por este fato: de acharem que o professor não tem nada para ensiná-los, então não vale a pena ouvi-lo. Ou ainda, não aceitam a superioridade do professor, pois não têm o hábito de respeitar as pessoas mais velhas!? O "sem-gração" tomou conta de todos nós, naquele momento. Posso até está errado, porém ficou claro que essa aluna não gostava de seus professores, e isso não é raro!.
          Outra aluna do ensino fundamental, reclamando comigo, aos gritos, por que minhas aulas não são criativas, são sempre baseadas no livro didático adotado, constrangeu-me também, ou melhor, achei a sua observação atrevida por está sendo feita por alguém que já mostrou-se inimiga da decência e da ordem (Já falei dessa aluna em outra crônica minha — O Menear da Gangorra!). Será que ela estaria disposta a pagar xérox para trabalharmos novos textos em sala, pelo menos? É impressionante notar que os bons alunos do início do ano, quando alcançam a média para progressão, já no terceiro bimestre, transformam-se em indisciplinados, no último bimestre!!! E ela foi aclamada!!!
        Um tal Zequinha, o mais indisciplinado do 2º D, afrontou-me também dizendo que eu só sabia responder o exercício proposto porque as respostas daquelas questões estavam no livro do professor (respondido). Tive que ser grosso com ele, pedi que me fizesse qualquer pergunta, pois a todas que ele conseguisse elaborar, eu daria conta da resposta certa (Eu estava confiante na sua incapacidade de elaborar perguntas ou ainda, na sua incompetência de julgar qualquer resposta que lhe desse).
          Como querem ser ensinados os processadores de professor se o ensinar é um ato de amor e o aprender de respeito? Responde o Erasmo: "A primeira fase do saber, é amar os nossos professores." E complementa Johann Goethe: "Em toda a parte só se aprende com quem se gosta". 
          Enquanto a relação professor/aluno se parecer com a ilustração que retrata os dois burrinhos amarrados, pelo pescoço, com uma corda curta, entre duas moitas de capim, o resultado sempre será o mesmo: Um puxa para sua moita e o outro puxa também para sua mais próxima, então morrem tentando comer. Pois, a corda nunca vai romper-se antes que morram. Que o menos burro deles ceda para evitar a morte e convide o outro para comer de seu capim e juntos devorarão as duas moitas, uma de cada vez. É isso que estou fazendo!!! Ô Deus, "Torna mudas as pessoas que falam mentiras e ameaçam os justos, com orgulho e desprezo." (Salmos 31:18 BV).

Claudeko Ferreira
Enviado por Claudeko Ferreira em 01/11/2012
Reeditado em 20/04/2013
Código do texto: T3964041
Classificação de conteúdo: seguro



Comentários
02/11/2012 13:18 - igs
Que belo despertamento, eu amigo poeta, povo estão querendo mais é si dar bem na vida sem o mínimo de aprendizado e o fim vai ser triste. Ok, parabéns...Israel.
02/11/2012 01:09 - Nara Stern
Poeta, poeta, poeta, que coisa mais linda!! Parabéns sempre.
02/11/2012 00:29 - Zeni Silveira
É poeta, acho difícil achar um aluno capaz de responder seu questionamento. Mais quem sabe, né? rsr Tenho respeito por sua maneira de escrever. Meu abraço.
01/11/2012 19:12 - Silvanio Alves
Um questionamento complicado nos dias de hoje, poeta!!


Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

sábado, 13 de abril de 2013

O EQUÍVOCO DA FÉ (Onde está a eficácia da fé se é possível abusar dela?)



CrÔnica

O EQUÍVOCO DA FÉ (Onde está a eficácia da fé se é possível abusar dela?)

Por Claudeci Ferreira de Andrade


                   Você não precisa de fé para ser feliz, mas sim, de evidência. Temos que seguir as evidências. A fé não existe por si só, um substantivo abstrato ou simplesmente adjetivo; as evidências sim têm vida própria! Estas fluem de fora para dentro, aquela, de dentro para fora. "No princípio era o verbo"...: ação, fenômeno e estado. A fé não move montanha, felizmente a montanha move a fé. Por que você não manda que esse morro saia dali? Ah! Ele não vai sair, iria contra os princípios de Deus?! E ninguém o tirará de lá, senão por outros mecanismos materiais. Só Deus o removeria de lá milagrosamente, contudo sem o apelo ou oração de quem quer que seja. Primeiro vem a evidência depois a fé. É pelo o inverso disso, que os hospícios estão cheios de pessoas fervorosas no impossível, porém, estas não realizam nada. — "Fé é crer no impossível". – assim me disse um crente. Eu o taxei de equivocado duas vezes, primeiro por conceituar e descrever o Deus que precisa da sua fé para realizar alguma coisa a seu favor; depois, por me recomendar sua receita de fé: — "Peça a Deus que lhe dê mais fé". Cabem aqui as palavras de Blaise Pascal: Por que será que um coxo não nos irrita, e um espírito coxo nos irrita? Porque um coxo reconhece que andamos direito, enquanto um espírito coxo diz que somos nós que coxeamos; se assim não fosse, teríamos pena e não raiva. "Não é possível convencer um crente de coisa alguma, pois suas crenças não se baseiam em evidências; baseiam-se numa profunda necessidade de acreditar." - Carl Sagan.
           Como se fé fosse graduável e fosse a razão do sucesso nessa vida. Se essa fé, sobre a qual ensina a igreja, valesse alguma coisa, não existia ninguém doente, e todos nós seriamos ricos. Quem são os ganhadores das loterias? E quanto à fé...? Precisa-se de fé para adquirir mais fé? Paradoxal... Não... Sem fé é possível conseguir fé!
          Precisamos sim de uma fé em algo que existe, que é possível, a esse direcionamento eu o chamo de "crer com a razão", "comprovação". Nem sempre o imaginável é possível. E o imaginável que vem à tona não é porque a fé o trouxe, mas porque ações bem articuladas o trouxeram.  O exercício da fé sem o resultado desejado culpa cruelmente o pretendente, já frustrado, de: o sem fé, derrubando assim sua autoestima e o apego a Deus. É isso que sempre acontece!
          Onde está a eficácia da fé se é possível abusar dela? Eu me rejo pela vontade do sistema. Os crentes no impossível aceitam que um Deus universal criou a Si mesmo, mas não aceitam que o Universo gerou-se a si mesmo, crer nisso não é problema para mim. Um conjunto de leis naturais me organiza nessa vida, e eu apenas aceito de bom grado. Ou melhor, o milagre acontece mesmo sem eu permitir. Às vezes, desejo profundo e ativamente, não magicamente, o que estou precisando no momento e recebo, quando é bem conveniente a Deus. E Deus faz de mim o melhor que Lhe apraz. Bem disse a Bíblia que a fé sem as obras é morta (Tg 2:20). Que motivação você tem para realizar o impossível? Disse, com muita propriedade, José Ortega y Gasset: "É imoral pretender que uma coisa desejada se realize magicamente, simplesmente porque a desejamos. Só é moral o desejo acompanhado da severa vontade de prover os meios da sua execução".

Claudeko Ferreira
Enviado por Claudeko Ferreira em 26/10/2012
Reeditado em 13/04/2013
Código do texto: T3953366
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários


Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

sábado, 6 de abril de 2013

NOSSO FIM (Uma vida vegetativa sem escolha)



Crônica Poetica

NOSSO FIM (Uma vida vegetativa sem escolha)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

         Vá, minha Musa inspiradora, aonde for e até por caminhos tortuosos, eu lhe espero; quando voltar, se ainda restar fôlego em mim, aceito o que sobrou de si. Se não, deite comigo no seio da terra, nos encontraremos num lençol freático qualquer. Minha "filha pródiga", talvez devesse me chamar "Vânio" ou "Vanuso", pois tenho tudo a ver com a esperança.
          Quem sabe, queira ser convencida do que quero, cativada por um bom cavalheiro, ou ainda um joguete, um charme que seja! É só abrir o coração e ver que estou em meu limite, e se é pouco, some com o seu tudo que tem para me doar, ou vai querer me ver o tempo todo nessa vidinha vegetativa SEM escolha! Se eu vegeto, então terá que ser meu adubo, se você vegeta serei seu adubo. De adubo em adubo a vida queima suas oportunidades. Até lá!!!
           Se o corpo é a prisão da alma liberte-me por completo os deus para a vastidão do infinito. Censo comum: "Só nos libertamos dessa prisão com a morte do corpo físico. Apesar do medo que todos temos da morte, deve ser bom se libertar das limitações do corpo, dos sofrimentos desse mundo de provas e expiações e voltar ao nosso estado verdadeiro de espíritos; retornar à nossa "casa".
Claudeko Ferreira
Enviado por Claudeko Ferreira em 26/10/2012
Reeditado em 25/12/2012
Código do texto: T3953173
Classificação de conteúdo: seguro

Comentários

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.