"Todas as coisas complexas estão condenadas à decadência." (Buda)

"Evoluir não é melhorar. A lagarta jura que a borboleta é a sua decadência." (Fabrício Carpinejar)

Pesquisar neste blog ou na Web

MINHAS PÉROLAS

sábado, 25 de fevereiro de 2012

DEUS É UM SÓ, OS DEMÔNIOS SÃO MUITOS (Então, "deixe que os mortos enterrem os mortos"!)




Texto

DEUS É UM SÓ, OS DEMÔNIOS SÃO MUITOS (Então, "deixe que os mortos enterrem os mortos"!)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

          Aos olhares do cachorro, o seu dono é um grande cachorro; para os religiosos, o seu Deus é um grande ser humano; é concebido por esse Supremo Deus humanizado, algo do nada; no final, uma nanopartícula do nada nem tem consciência do nada que é o Seu Deus; Parece-me que, Deus é o autogerador de Si mesmo, irradiando a tudo com a sua energia vital e letal. A razão de os mortos não louvarem a Deus, deve ser a mesma do deixe que os mortos enterrem os mortos ou os vivos comerem os vivos (a terra come!).
          A morte é páreo idôneo da vida, começando por esta e terminando por aquela. Se a vida não é eterna, a morte também não: Sonhos! É necessário uma alternância nas forças para haver movimento. Só o movimento é eterno, enquanto durar energia. Uma alimenta a outra, e essa manipulação vem de Deus na dose certa. A fase e o neutro, ambas as correntes transitam à matéria informe, invólucro condutor. Na vida só se sabe o que a morte permitir e na morte só se sabe o que a vida permitir. O limite é o bloqueio de distinção! É fatal para o morto voltar à vida, precisa de uma mente predita, senão jamais ouvirá a ordem da ressurreição. Não há totalmente morto, tampouco, totalmente vivo... Se ninguém vive plenamente, então nada morre plenamente. Vida e morte são faces de uma mesma moeda! Vamos entender a imagem do "verme a comer sangue podre" como a crueza do do caminho rumo à morte, no soneto: "Psicologia de um Vencido" de Augusto dos Anjos. Vamos entender o alimentar a vida com a mesma crueza, parasitas tirando do outro ser a vida, usufruindo de seus restos mortais. Se Deus é infinito não pode ser uma coisa dentro da outra. O recipiente é sempre o lado de foraA morte deve ter alguma energia própria para lutar eficientemente contra a vida.
          Quem disse que o diabo é beneficiado quando alguém morre? Há dois Juízos, um em cada círculo; um em vida e outro na morte! O Diabo é adotador da morte?Vivos julgam mortos com seus critérios vitais; os mortos jugam os vivos pelo mistérios da morte. "Não julgueis para não serem julgados". é impossível.
          Edir Macedo e Whitney Houstron falam de Demônios diferentes: Aquele, do Demônio que está dentro dos outros, nos destruindo de fora para dentro, e esta, do Demônio que está dentro de nós, nos destruindo de dentro para fora. http://www.dmdigital.com.br/novo/?ref=dmsite#!/view?e=20120220&p=17
          Todos nós sabemos que a doutrina do Demônio em ser o portador do poder da morte é a maior estratégia da igreja a fim de arrecadar seus milhões. E as pessoas incultas são atraídas aos seus pés por medo do "Coisa Ruim". Não sabem elas que o Demônio está lá dentro, convivendo com elas, pretendendo ser Deus, ou melhor, oficialmente representante de Deus, e ditando regras organizadoras da vida. Quando os fanáticos acordarem desse torpor onírico, já se tornaram uma extensão do próprio Demônio, colaborando para o crescimento do movimento do mal. Para o bem só há um lugar preferido, o mal está em todos os lugares; só temos uma forma de fazer certo e muitas de errar.
          O que é bonito aos seus olhos desbotados, pode não não ter a estética harmônica a olhares sãos.
Claudeko
Enviado por Claudeko em 21/12/2011
Reeditado em 25/02/2012
Código do texto: T3400438


Comentários



Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

sábado, 18 de fevereiro de 2012

OS EFEITOS DA "LEI DA PALMADA" (Cada um se Vinga no que Pode) (Minicrônica - 140 caracteres)



Texto

OS EFEITOS DA "LEI DA PALMADA" (Cada um se Vinga no que Pode) (Minicrônica - 140 caracteres)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

          Se a mãe não pode mais educar seus filhos, que surre os animais para eles verem: Ensino a Distância! Quem sabe, um erro valida outro! Surrando os pais; preserva animais.
Claudeko
Enviado por Claudeko em 18/12/2011
Reeditado em 02/01/2012
Código do texto: T3395173


Comentários



Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

sábado, 11 de fevereiro de 2012

FESTAS DO FIM (Natal e Carnaval não é uma mera rima, é dispersão!)


Mensagem

FESTAS DO FIM (Natal e Carnaval não é uma mera rima, é dispersão!)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

          "Eu vim para os meus, e eles Me rejeitaram", disse Jesus. As coisas simples vem geralmente aos simples com a maior facilidade, mas muitos deles são os cegos, que nunca querem ver. Certamente você já não é MAIS um deles, até porque está lendo e refletindo neste simples pensamento. Lance um olhar sábio sobre a natureza, e se demore nas coisa simples desta vida e ativará a essência do bem dentro de você.
          "Do que adianta, Jesus nascer um milhão de vezes na manjedoura de Belém, se ainda não nasceu dentro de você, no seu coração?" Isso é sentimento para todo dia.
          Ouço tiros, muitos tiros, em louvor ao nascimento de Jesus neste 25 de dezembro. Quantos deles deixaram de se alimentar a fim de comprar os fogos, só tendo em conta a queimação! Como são farristas os irreflexivos, vejo aqui a alegria carnavalesca, sem causa. Quão fácil é pintar a religiosidade imposta com o fútil brilho dos fogos! Eles, os antediluvianos modernos, acreditam mais no Papai Noel e Rei Momo do que nas evidências da destruição prevista para 2017. Pode não ser o fim do mundo agora, mas devido esta certeza, será mais um alerta. Entre a Manjedoura e o Sambódromo há um Meio Ambiente depredado!
            DESEJO-LHE UM DIA DE CADA VEZ EM 2017 e talvez o tempo passe mais lento à vista dos entediados! Se quiser valorizar, e planejar o ano novo, e profetizar, fará do seu tempo um caso perdido também, a fim de que o tédio o faça longo e cansativo. Maldito todos os dia de uma só vez. É portanto um valor não percebido por eles: o dia da vez. "Só existem dois dias no ano que nada pode ser feito. Um se chama ontem e o outro se chama amanhã, portanto hoje é o dia certo para amar, acreditar, fazer e principalmente viver." (Dalai Lama).
            Hoje, é o dia de caprichar, vocês me dão coragem nesta direção. Mesmo ainda precisando de ter ousadias calculadas, vou fazendo rastros na areia solta. Sei muito bem sobre minha naturalidade e, poder chamar a atenção de pessoas diferentes é maravilhoso, por isso vou aproveitar o irrecuperável dia em prol de conhecer pessoas interessantes. Por que eu estou cheio de esperança e planos não para o futuro, mas para hoje. E pensando em nós, terei de adequar muitas das minha ideias à realidade presente. Não posso desanimar de novo, jamais!
Claudeko
Enviado por Kllawdessy Ferreira em 11/06/2017
Código do texto: T6024233 
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários


Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

domingo, 5 de fevereiro de 2012

GER(ASCO)FOBIA ( Eu "nonada" de mim mesmo)


Crônica

GER(ASCO)FOBIA ( Eu "nonada" de mim mesmo)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

          Eu tinha uma aluna, a qual era sorridente e feliz, dada com todos e especialmente comigo, até o dia quando, por acaso, ali na rua mesmo, ela me apresentara à sua mãe, nem sei quais foram as orientações daquela mãe, nem se falaram a meu respeito, mas, depois disso, a mocinha mudou completamente o seu comportamento perante mim, se protegendo, depois disso mal olhava na minha direção. Esse comportamento, de forma alguma, preocupava-me tanto, pois não precisava da simpatia dela a fim de viver melhor, apenas me importava o fato de ainda está sendo o professor dela e bem intencionado. Que contribuição aquela mãe dava para a formação de sua filha? Pais insatisfeitos, além de nunca ajudarem, atrapalham! Será se ela iria se interessar por aprender de um professor desmoralizado e mal afamado? 
            Mesmo assim, depois daquilo, todos os dia ainda passava por aquela rua, na direção do colégio, e ela, às vezes, acompanhada de sua mãe nem sequer, os cumprimentos da formalidade. O "leproso" estava passando! Só os velhos gostam dos velhos, por que vão perdendo juntamente e, por igual, o gosto por tudo, e, por outro lado, vão gostando mais do nada até chegar ao desprezo de si mesmo. Sobremaneira, perdendo o medo da fraqueza, das doenças e, por fim, da morte, tornam-se insensíveis. Se Deus não tem sentimentos, eu diria que velhos não voltam a ser crianças, mas sim a ser deuses. Ou melhor, Deus seria injusto demais se não nos preparasse para o retorno ao pó. Até nossos inimigos ele carrega antes para morrermos em paz.
          Os jovens devem ser ensinados a amar e respeitar os idosos, não falo pejorativamente, porque hoje existe tanto mal, mas falo, sim, de responsabilidade social, isto é cidadania. Aquela mãe, com a idade que tinha e as deficiências físicas que lhe aguardavam em breve, haveria ELA DE esperar a simpatia da filha, os futuros cuidados, sendo, desde criança, treinada a se proteger dos asquerosos?
          Só supera as consequências negativas da velhice a (des)graça do ser pobre! Assevero ser difícil admitir sobre o fato de qualquer idiota jovem se impõe melhor que eu, na vizinhança. As rugas de minha cara, marcas das expressões de quando eu era feliz e não sabia, sabem muito bem arruinar meu argumento e a gabarolice de quando, um dia, fui herói. Qual a garantia do vinho novo em odre velho? Meu espírito é promissor, mas o corpo fuçado jamais ajuda. 
            Algo ainda me mantém vivo, são as conversas a meu respeito, embora na tentativa de me desvirtuar e denegrir, porque enquanto se protegem de mim, consideram-me pelo menos um perigo, e eu me iludo que de fato sou assustador! Estimulem-mo de alguma forma, desafiando os meus sentidos perceptores dos prazeres da juventude, já tão desbotados assim. Acostumado ao desprezo, ainda sofro, porque também o meu espelho me nega o amor devido, de algum jeito, pois insiste em dizer-me que não sou nem um perigo a ninguém, nem nada. E cada dia, defino-me melhor com um termo de João Guimarães Rosa: Eu "nonada" de mim mesmo.
Claudeko
Enviado por Claudeko em 09/12/2011
Reeditado em 05/02/2012
Código do texto: T3380588


Comentários



Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.