"Não espere por uma crise para descobrir o que é importante em sua vida." (Platão)

"A amizade e a lealdade residem numa identidade de almas raramente encontrada." (Epicuro)

Pesquisar neste blog ou na Web

MINHAS PÉROLAS

sábado, 25 de fevereiro de 2012

DEUS É UM SÓ, OS DEMÔNIOS SÃO MUITOS (Então, "deixe que os mortos enterrem os mortos"!)




Texto

DEUS É UM SÓ, OS DEMÔNIOS SÃO MUITOS (Então, "deixe que os mortos enterrem os mortos"!)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

          Para o cachorro, o seu dono é um grande cachorro; para os religiosos, o seu Deus é um grande ser humano; para esse Supremo Deus humanizado, o Seu Deus é  a menor partícula do nada; no final, uma nanopartícula do nada não tem consciência do nada que é o Seu Deus; Para mim, Deus é o autogerador de Si mesmo, irradiando a tudo com a sua energia vital. Por que os mortos não louvam a Deus? Então, "deixe que os mortos enterrem os mortos" ou os vivos enterrarão os vivos!
          A morte é páreo idônea para vida. Pois sempre começa por esta e termina por aquela. Se a vida não é para sempre, a morte também não será, é necessário uma alternância para haver movimento. Só o movimento é eterno. Uma alimenta a outra, e essa manipulação vem de Deus na dose que Ele se dar conta. Ambas transitam à matéria informe, invólucro condutor. Na vida só se sabe o que a morte permitir e na morte só se sabe o que a vida permitir. Para um morto acordar para vida, tem que haver uma espécie de consciência Pré-requisito, para obedecer o comando. Então, não há totalmente morte e não há totalmente vida. Se ninguém vive plenamente então não morre plenamente. Vamos entender a imagem do "verme a comer sangue podre" como a crueza do tratamento dado à morte, no soneto: "Psicologia de um Vencido" de Augusto dos Anjos. Vamos entender o alimentar a vida uma crueza, tirando do outro ser a vida  para usufruir de seus restos mortais. Se Deus é infinito não pode ser uma coisa dentro da outra. O recipiente é sempre o lado de fora. A morte deve ter alguma energia própria para lutar contra a vida.
          Quem disse que o diabo é beneficiado quando alguém morre? Há dois Juízos, um em cada círculo; um em vida e outro na morte! Os vivos julgam os mortos e os vivos. "Não julgueis para não serem julgados". é impossível.
          Edir Macedo e Whitney Houstron falam de Demônios diferentes: O Demônio que está dentro dos outros, nos destruindo de fora para dentro, e o Demônio que está dentro de nós, nos destruindo de dentro para fora. http://www.dmdigital.com.br/novo/?ref=dmsite#!/view?e=20120220&p=17
          Li nesse link acima; o texto que ele indica inspirou-me a dizer-lhes que o Demônio é a maior estratégia da igreja para arrecadar seus milhões. E as pessoas incultas são atraídas aos seus pés por medo do "Coisa Ruim". Não sabem elas que o Demônio está lá dentro, convivendo com elas, pretendendo ser Deus, ou melhor, representante de Deus, e ditando regras para sua vida. Quando acordarem desse torpor onírico já se tornaram uma extensão do próprio Demônio, colaborando para o crescimento do movimento do mal. O bem só tem um lugar para estar, o mal está em todos os lugares; só temos uma forma de fazer certo e muitas de errar.
          O que é bonito aos seus olhos desbotados pode não ser o correto.
Claudeko
Enviado por Claudeko em 21/12/2011
Reeditado em 25/02/2012
Código do texto: T3400438


Comentários



Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

sábado, 18 de fevereiro de 2012

OS EFEITOS DA "LEI DA PALMADA" (Cada um se Vinga no que Pode) (Minicrônica - 140 caracteres)



Texto

OS EFEITOS DA "LEI DA PALMADA" (Cada um se Vinga no que Pode) (Minicrônica - 140 caracteres)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

          Se a mãe não pode mais educar seus filhos, que surre os animais para eles verem: Ensino a Distância! Quem sabe, um erro valida outro! Surrando os pais; preserva animais.
Claudeko
Enviado por Claudeko em 18/12/2011
Reeditado em 02/01/2012
Código do texto: T3395173


Comentários



Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

sábado, 11 de fevereiro de 2012

UM NATAL DE DENTRO PARA FORA (Natal e Carnaval não é uma mera rima


Mensagem

UM NATAL DE DENTRO PARA FORA (Natal e Carnaval não é uma mera rima)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

          "Eu vim para os meus, e eles Me rejeitaram", disse Jesus. O que é simples vem aos simples, mas são eles mesmos, os cegos, que não veem. Certamente você já não é MAIS um desses, até porque está lendo e refletindo neste simples pensamento. Lance um olhar sábio sobre a natureza, e se demore nas coisa simples desta vida e terá o natal de Jesus dentro de você.
          "Do que adianta, Jesus nascer um milhão de vezes na manjedoura de Belém, se ainda não nasceu dentro de você, no seu coração?" Isso é sentimento para todo dia.
          Ouço tiros, muitos tiros, em louvor ao nascimento de Jesus neste 25 de dezembro. Quantos deles deixaram de se alimentar para comprar os fogos! Como são farristas os irreflexivos, vejo aqui a alegria carnavalesca, sem causa. Como é fácil pintar a religiosidade imposta com fútil brilho dos fogos! Eles, os antediluvianos modernos, acreditam mais no Papai Noel e Rei Momo do que nas evidências da destruição prevista para 2012. Pode não ser o fim do mundo, mas com certeza será mais um alerta. Entre a Manjedoura e o Sambódromo há um Meio Ambiente depredado!
Claudeko
Enviado por Claudeko em 11/12/2011
Reeditado em 11/02/2012
Código do texto: T3383510


Comentários



Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

domingo, 5 de fevereiro de 2012

EU "NONADA" DE MIM ( O pior da velhice é a desgraça do ser pobre)


Crônica

EU "NONADA" DE MIM ( O pior da velhice é a desgraça do ser pobre)

Por Claudeci Ferreira de Andrade
          Eu tenho uma aluna que, no início do ano, era sorridente e feliz, dada com todos e especialmente comigo até o dia em que, por acaso, ela me apresentou à sua mãe, não sei quais foram as suas orientações, nem o que falou a meu respeito, mas, depois disso, aquela mocinha mudou completamente o seu comportamento para comigo, se protegendo, agora mal olha para mim. Isso não me preocupa tanto, pois não preciso da simpatia dela para viver melhor, apenas me preocupa o fato de ainda ser o professor dela. Que contribuição aquela mãe deu para a formação de sua filha? Será que ela vai se interessar por aprender de um professor desmoralizado e mal afamado? Todos os dia ainda passo por aquela rua, na direção do colégio, e ela, às vezes, acompanhada de sua mãe nem sequer, os cumprimentos da formalidade. O leproso está passando! Só os velhos gostam dos velhos, por que vão perdendo juntamente e por igual o gosto por tudo, e, por outro lado, vão gostando mais do nada que dar origem do tudo. 
          Os jovens devem ser ensinados a amar e respeitar os idosos, não falo pejorativamente, porque hoje existe tanto mal, mas falo, sim, de responsabilidade social, isto é cidadania. Aquela mãe, com a idade que tem e as deficiências físicas que incorporarão em sua vida em breve, espera ter a simpatia da filha, os futuros cuidados, treinada a se proteger dos asquerosos?
          O pior que a velhice é a desgraça do ser pobre, assevero que é difícil admitir que qualquer idiota jovem se impõe melhor que eu, na vizinhança. As rugas de minha cara, marcas das expressões de quando eu era feliz e não sabia, sabem muito bem arruinar meu argumento e a gabarolice de que um dia foi herói. Do que adianta vinho novo em odre velho? Meu espírito é promissor, mas o corpo não ajuda. O que ainda me mantém vivo é o que falam a meu respeito, embora na tentativa de me desvirtuar e denegrir, porque enquanto se protegem de mim, consideram-me pelo menos um perigo. Só meu espelho não me ama, de algum jeito, pois insiste em dizer-me que não sou nem um perigo a ninguém, nem nada. Defino-me melhor com um termo de João Guimarães Rosa: Eu "nonada" de mim mesmo.
Claudeko
Enviado por Claudeko em 09/12/2011
Reeditado em 05/02/2012
Código do texto: T3380588


Comentários



Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.