"O tempo é um ponto de vista. Velho é quem é um dia mais velho que a gente..." (Mario Quintana)

"Todos desejam viver muito tempo, mas ninguém quer ser velho." (Jonathan Swift)

Pesquisar neste blog ou na Web

MINHAS PÉROLAS

sábado, 28 de janeiro de 2012

O INFERNO É PARA TODOS, ESCOLA PÚBLICA TAMBÉM ! (Um dia é do caçador, o outro é da caça!)


Crônica

O INFERNO É PARA TODOS, ESCOLA PÚBLICA TAMBÉM! (Quem morre sem reagir não amou a vida)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

           Se peca quem deixa de fazer alguma coisa BOA, também mentem omissores da verdade! E dignos de pena igualmente SÃO os que propiciam meios para tais comportamentos. Ainda podemos ver os elementos do inferno na porta do céu, impedindo a entrada dos amantes da rotina e das coisas padronizadas. lugar de reacionários! Quanto vale um céu vazio ou um inferno superlotado? O sofrimento do céu é destinado aos vivos, e o descanso do inferno é para os mortos. Aí, os seguimentos religiosos se fundem nas chamas frias do inferno ou no vapor quente do céu! E no final, todos desfrutam equilibradas sensações o seio da terra.
          Antes de desmoralizar alguém de quem tampouco goste ou de lhe prescrever um destino por vingança, assista ao filme de Alain Corneau: "Crime de Amor". E nunca se esqueça, que se uma pessoa perde a honra, então nem tem mais nada a perder, e se não tem nada a perder, é uma pessoa perigosa, torna-se "homem bomba" facilmente, restando apenas mostrar sua capacidade de recuperação aos invejosos, e ela vai até às últimas consequências. E quase sempre termina por cima, e se morre leva outros consigo.
          Tomem cuidados difamadores, perseguidores, malfazejos e praticantes do bullying! Um dia é do caçador, o outro, é da caça. Nem por isso, tantas vezes, fui ameaçado de morte por alunos analfabetos funcionais que se julgavam cheios de direitos, indisciplinados de notas baixas, estudante no turno noturno ou das trevas. Estou completamente perdido, a não ser que o bem vença o mal! 
          Tudo em uma Unidade Escolar promove o espírito de competição, mesmo sendo diferente daquela como existe na natureza em que um come o outro só para matar a sua fome. Cá entre nós, entramos na competição a fim de parecer melhores, ou seja, por vaidade. Mesmo em companhia e com objetivos iguais, os professores entre si também negativamente se unem como polos de forças opostas: Antítese do politicamente correto! Lembrando sobre a vaidade, parece-me ser ela jamais qualidade do Céu! Os professores são a única categoria pagadora da taxa sindical e nem abraça a causa da entidade. Por sua vez, o sindicato dos professores defende os próprios interesse, os quais, quase sempre, não são os mesmos da categoria. 
           No seu inferno está meu céu, nem preciso morrer tendo o propósito de adentrá-lo, porém no seu céu está meu inferno, morro nele. Minha prática é a semântica desta palavras do Marco Aurélio: "O melhor modo de vingar-se de um inimigo, é não se assemelhar a ele". Estar na direção oposta de quem pretendem me usar com disposição de se dar bem na vida, já é de grande felicidade. É de minha índole luta para viver, então reafirmo que quem morre sem reagir não amou a vida.

         
Claudeko
Enviado por Claudeko em 30/11/2011
Reeditado em 28/01/2012
Código do texto: T3365011


Comentários



Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

sábado, 21 de janeiro de 2012

PRONTO PARA O FIM DO MUNDO ("Uma pessoa continua a trabalhar porque o trabalho é uma forma de diversão. Mas temos de ter cuidado para não deixarmos a diversão tornar-se demasiado penosa." Friedrich Nietzsche)



Crônica

PRONTO PARA O FIM DO MUNDO ("Uma pessoa continua a trabalhar porque o trabalho é uma forma de diversão. Mas temos de ter cuidado para não deixarmos a diversão tornar-se demasiado penosa." Friedrich Nietzsche)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

          Não sou professor reprovador, sou para ensinar. Como meus alunos se protegem exageradamente da reprovação, erram o alvo e são promovidos assim mesmo, sem o aprendizado necessário, promovendo a "farra do boi"! Tudo isso porque as estatística são mais sérias, gerando verbas para a unidade escolar!
          O parasita se adapta às mudanças do hospedeiro. Eu sou o parasita, comendo às custas deles, afinal sem os alunos, sequer tem professor e nem a tal escola pedagogicamente "correta"! É o que dizem, e eu acredito piamente! Por que um hospedeiro prejudicaria seu parasita e vice-versa? Somos companheiros mutualistas! "Manda quem pode, obedece quem tem juízo". E conveniência é o segredo do sucesso ou, pelo menos, da permanência!
          Temos de suportar alunos sem escrúpulo e de famílias abusadoras! Muitos deles têm o atrevimento de bisbilhotar as entranhas e intimidades da vida do professor. Perguntam-me sempre: Por que não tenho filhos; Nem mesmo tenho esposa; como vivo; quanto ganho; se ainda "dou no couro". Por isso, eles riem, debocham e "brincam" comigo. Tudo é normal quando sou eu o palhaço sabatinado. Mas... eles são sensíveis demais, ofendem-se facilmente. E a escola insiste em perguntar-lhes hoje o motivo da falta no dia anterior! Mais uma vez, é o professor fazendo o papel de palhaço com o diário de chamada na mão, procurando o número de código do motivo que combina. "Quem fala o que quer, escuta o que não quer"! Oxalá eu não mereça o castigo deles por isso que digo, sem piedade, deixemos só eles falarem-me asneiras mil!
          Numa dessas investidas, eu respondi àquela classe de segundo ano, que de forma nenhuma estava casado e, quando quisesse um filho, iria alugar uma barriga, pois já tinha dinheiro suficiente a esse fim. Então, Ali, uma tal aluna, mãe de família, se candidatou pronta e voluntariamente, essa que, perante toda a classe vivia exibindo seus dotes progenitores, com uma certa apreciação da maioria, mas dessa vez, tampouco pôde impedir  os colegas presentes de lhe zoar em fortes zombarias, e a classificaram vulgar. No calor do burburinho, também falei do meu desejo de trocar a faxineira e, pagava muito bem por um serviço completo, ela, não percebendo a ambiguidade maliciosa e intencional, também se interessou, foi quando enfatizei sobre o termo: "serviço completo" incluindo a massagem no patrão, PARA SUPORTAR O ESTRESSE DE PROFESSOR. O meu tom zombeteiro deixava claro que tudo aquilo era uma brincadeira à moda deles, porém, nesse instante, ela, bipolar, se ofendeu e me denunciou à direção do colégio, esta, por sua vez, aplicou-me mais uma penalidade de duas faces carrancudas. Porque também o "dono" da moça me xingou e me ameaçou pela Facebook. Depois disso, nem precisará outra lição, basta essa, serei mais sério com meus alunos, assim jamais continuarei assinado relatórios de advertência  que ficará nos "anais" da história do colégio, para meu descrédito. Você achou pouco?! Eles não têm penalidade alguma por dizerem coisas piores a meu respeito. Tipo: ameaça de morte, difamação, xingamentos, injúrias, calúnias e escárnios: malfazejos mil.
          Portanto, com toda a classe, eu anuncio meu anseio pelo o ameaçador "Fim do mundo", ou melhor, o fim dessas metodologias educacionais passíveis de desrespeito. No céu ou no inferno, terei outro tipo de aluno, e apesar da idade serei uma nova pessoa, ou apenas diferente, talvez o "bobo alegre" de então será o taciturno doravante, se der tempo, é claro, e se os ameaçadores não me matarem antes. Conheci um professor assim no IEG, foi professor de minha esposa, no magistério (1999); parecia-me ter o respeito dos alunos, apesar de nem conhecer a sua dor, porém qualquer dor é melhor que esta, quero ser semelhante com os de sucesso. Adotarei a postura do fim do mundo ou apenas o fim de meu mundo. A certeza mais dolorida é que a vaca aflita ao matadouro sente cheiro de sangue fresco, mas sem retorno. Estou cansado de ser o centro das acusações. APAGUEM-ME, porém nunca DESSE JEITO, ASSIM, DÓI EM VOCÊS TAMBÉM! Quem morre sem reagir não ama a vida!
Claudeko
Enviado por Claudeko em 22/11/2011
Reeditado em 21/01/2012
Código do texto: T3350986


Comentários



Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

sábado, 14 de janeiro de 2012

O "RABO PRESO" TEM UM ALTO PREÇO (O maior erro do ladrão é achar que todo mundo é otário, sendo ele o único...)


Crônica

O "RABO PRESO" TEM UM ALTO PREÇO (O maior erro do ladrão é achar que todo mundo é otário, sendo ele o único...)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

        Eu pensei que tudo de ruim já tinha me acontecido na escola, mas não! Ainda faltava esta "sacanagem" reincidente: duas alunas do Ensino Médio convidaram-me para ir à biblioteca, na hora da aula, rapidinho, com a desculpa de me mostrar um livro, enquanto isso, outras se aproveitavam do meu caderno de anotações de vistos que ficou em minha mesa, na sala de aula, e marcaram a favor delas. Esse tipo de caso, também se repetiu recentemente no Ensino Fundamental, uma aluna do sétimo ano "A" roubou de dentro de minha mochila, enquanto virei-me para escrever no quadro, mas a vi com o meu caderno de anotações entre seus braços, num abraço do Capiroto, quando saía de perto da mesa do professor. 
         Percebi que os "xis", feitos por elas, com os quais requeriam o direito roubado, eram diferentes das "cruzinhas", feitas por mim, que legitimavam as tarefas bem cumpridas dos alunos honestos. E a tonalidade da tinta da caneta também era de um vermelho diferente. Ao descobrir, resolvi não escandalizar, e não devia tomar medida alguma, apenas fingi que não sabia, no primeiro caso, já no segundo, tomei o caderno com ameaças de reprová-la, mas não o fiz, pois assim não dividirei as consequências reservadas para elas e aplicadas infalivelmente pelo destino. Se eu tomasse algumas medidas disciplinares, por mais severas que fossem, ainda, seriam injustas: escassas ou excessivas. Então me aquietei com o conselho de sábio Salomão: "Quando o tolo é ofendido, logo todos ficam sabendo, mas quem é prudente faz de conta que não foi insultado. (Pv 12:16 NTLH).
          Achei incrível, a classe também fingir que não viu nada, ninguém denunciou as culpadas, eles gostam de ver "o circo pegando fogo", mas não o fizeram por medo, amizade, cumplicidade, sei lá! A passividade também tem um preço, ainda que mais barato, ou não, e eu estou disposto a pagá-lo, juntamente com os omissos.
          Usando uma metáfora, é notório o que acontece no comércio: O comprador só paga, quando recebe o produto ou o serviço. E nesse caso, eu não posso assumir o papel de Deus, atribuindo castigo para quem é desonesto comigo. Deixei apenas que levassem o produto do furto e ficou a dívida para elas pagarem ao tribunal universal. Não foi a mim que prejudicaram, então, quem se sentir lesado que cobre justamente o que lhe pertence, nesse caso, a sociedade. E a justiça seja feita. Não posso atrair maior desgraça para mim mesmo, não é função do professor atribuir consequência desequilibrada a ninguém, adulterando assim a lei natural da causa e efeito que é a medida certa.
          Elas vão comer, por duas vezes", o pão que o Diabo amassou", pelo menos por isto: Primeiro por terem enganado a si mesmas tentando me enganar; segundo, por contarem para os outros seu plágio como indicador de esperteza. Se eu me mostrasse esperto demais, "nunca enganável", eu aliviaria seus sofrimentos,  igualando-me a elas, portanto a lição não ficava completa. Esta, sim, é a função de professor: não querer ser Deus, especialmente nesses particulares.
Claudeko
Enviado por Claudeko em 19/11/2011
Reeditado em 13/01/2012
Código do texto: T3344295


Comentários



Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

sábado, 7 de janeiro de 2012

"A BRECHA DIVINA" (Sodomitas modernos — e o ânus tornou-se um órgão sexual?)


Crônica
"A BRECHA DIVINA" (Sodomitas modernos — e o ânus tornou-se um órgão sexual?)
   Por Claudeci Ferreira de Andrade


          Vasculhando a plataforma YouTube, procurando uma música qualquer, então me deparei com a Funkeira MC Kátia com sua "pérola" musical, na qual o narrador personagem apresenta uma inovação sexual, de causar inveja ao "Kama Sutra" ("Dou Meu C... de Cabeça pra Baixo"). Fiquei abismado. Confira:( http://www.youtube.com/watch?v=PJK_gI5hyRY ) (acessado em 07/05/2017).
          Esse vídeo fez-me refletir na possibilidade de
entender a atração, a qual o "BUMBUM" exerce sob todos os olhares, como os cachorros fazem, não perdem a oportunidade de cheirar o ânus do outro. Já percebi meus alunos VICIADOS observadores para me pegarem olhando à bunda das alunas quando se levantam. Justifico-me como disse o professor e filósofo Clóvis de Barros Filho, no programa do Jô: "sentir desejos não é objeto da moral, porém o que se faz com os desejos, eles se manifestam sem que possamos controlar. Apetite é uma coisa, mas existe a moral, justamente essa possibilidade de controlar nossos apetites, por tanto eu só apalpo os glúteos de quem me autoriza". http://www.dailymotion.com/video/x21vv4c_o-filosofo-clovis-de-barros-filho-no-jo_tv (acessado em 07/05/2017).
           Os descontrolados num impulso de ciúmes naturais me olham pecaminosamente, todavia eu não preciso cheirar a ânus de ninguém para saber que é doente; suas intenções já me bastam: costumes de cachorro! 
           E me inspirou a seguinte pergunta: por que o ânus é tão perto da vagina, uma possibilidade de errar o encaixe na hora "H" ou uma sugestão natural? (Anal)isando vantagens e desvantagens, vi uma orientação natural, pela busca da felicidade aos humanos. Agora veio outra confusão em minha mente: Qual motivo Deus destruiu as cidades Sodoma e Gomorra, se a próstata ("Ponto G" masculino) é na entrada do reto? Seria por motivo higiênico, pois seus moradores não faziam "xuquinha" (enema)? Ou será se Ele terá de destruir a atual, ou melhor, a anal geração a fim de mostrar justiça? Não! Então, eu não sei mais o que é sexo de qualidade  e muito menos, conheço a justificativa Divina para a tamanha complacência! É esse o reinado, ou a dispensação, do livre-arbítrio? Ou, ainda, a felicidade sempre requer, cada vez mais, doses maiores de aventura extravagante?! "Isso acontece porque a região do ânus é repleta de terminações nervosas, que, quando estimuladas adequadamente, são capazes de dar imenso prazer. (http://fortissima.com.br/2014/11/05/descubra-o-que-e-sodomismo-e-qual-relacao-com-o-sexo-anal-14672305/) -Acessado em 07/05/2017.
          A relação anal parece ser tão completa em si, que um homem transa com um travesti iludido e satisfeito como se fosse com uma mulher. (M. Butterfly é uma produção cinematográfica estadunidense, do gênero drama, lançado em 1993, dirigido por David Cronenberg. É baseado na peça teatral do escritor David Henry Hwang, que por sua vez, baseou sua obra na história real do diplomata francês Bernard Boursicot e Shi Pei Pu, cantor da ópera de Peking, ambos acusados e condenados por espionagem pelo governo francês.)
         Li sobre os humanos estarem copiando o sexo brutal dos animais, para experimentar a felicidade deles, todavia eles não fazem anal! Ou fazem? Se perguntamos a um homem se ele gosta de sexo anal, fica difícil desfazer-se a ambiguidade, mas se tratando de uma mulher prendada é sempre uma honra; chamam-na de "completa" até as "crentes" puritanas já engatinham, dando seus primeiros passos atrás do prestígio social. E também porque muitas igrejas orientam que o rompimento do hímen deve ficar restrito ao casamento. 
          Em uma ocasião (anál)oga aos tempos sodomitas, uma senhorita da igreja, vendo a minha timidez ao lidar com a tal moda, brincando comigo, ou zombando de mim, disse-me gostar mais de sexo oral e muito pouco de sexo anal, porque uma frequência de hora em hora é melhor que de ano em ano. Talvez fosse apenas uma ironia bem elaborada. O porquê dos deboches ficou evidente quando eu lhe disse, no mesmo tom, que preferia sem(anal)! Perdi a falsa amizade dela. Se Deus não se meter nessa "degradação" crescente, quero saber o futuro disso tudo, quando todos enjoarem da moda (se for possível a alguém enjoar o seu vício!). Depois da "Copa do Mundo" no Brasil, 2014, cantamos em bons tons o novo "-al"! Na verdade, sexo e jogo estão muito ligados, pela performance e o esbanjamento! Aprendemos com as "(re)torcidas" organizadas!!! Agora me pergunte: Se o sexo anal é essa coisa horrível,  dolorosa e humilhante que eu quero que seja, então por que insisto com minha esposa, muito amada e respeitada, por quem me sinto dignamente atraído, essa repetida experiência sob ameaça de taxá-la incompleta e, por vezes, de ir procurar prostitutas, quando não servido? E ela também insiste que eu faça o exame da Próstata no toque, quebrando a barreira dos meus pudores anais? Assim veio o "novembro azul" para o homem ir ao médico: nobre motivo de se deixar examinar o ânus em busca do câncer, mas se não o encontrar, sobra o prazer do toque apenas e a alegria da saúde!  Como pode uma pessoa de mente suja ter uma consciência limpa? "Deus não liga para sodomia, só se for hétero!"
Claudeko
Enviado por Claudeko em 18/11/2011
Reeditado em 07/01/2012
Código do texto: T3342707

Comentários


Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.