"Não espere por uma crise para descobrir o que é importante em sua vida." (Platão)

"A amizade e a lealdade residem numa identidade de almas raramente encontrada." (Epicuro)

Pesquisar neste blog ou na Web

MINHAS PÉROLAS

sábado, 30 de janeiro de 2016

FALAR A MESMA LÍNGUA É O QUÊ? (Desde quando o aluno (cliente) fala a mesma língua do professor?)



Crônica

FALAR A MESMA LÍNGUA É O QUÊ? (Desde quando o aluno (cliente) fala a mesma língua do professor?)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

            Em quase todas as reuniões de professor se fala de salário, e uma outra expressão que não pode faltar é: "Devemos falar a mesma língua". Todo fracasso de qualquer projeto pedagógico aconteceu por que não falaram a mesma língua. Se na unidade escolar há dois professores completamente diferentes na forma de trabalhar, quem vai falar a língua de quem para a coisa funcionar? Mas, se um desses é a coordenadora, então tem-se de falar a linguagem dela. Contudo, os colegas insistem em não falam a mesma língua! A coordenadora diz simpaticamente que o professor tem total autonomia em sua classe, é autoridade máxima ali, logo em seguida determina semana de prova, dia de avaliação, que devem ser vistoriadas, e determina a quantidade de nota a serem lançadas por quantidade de aula, e se a média tem de ser a soma ou a divisão, data de entrega de plano de curso e mais plano de aula de acordo com o currículo, projeto carnaval e outros para anexar ao plano de aula, preenchimento orientado da ficha de avaliação processual e contínua da disciplina. Nesse caso, falar a mesma língua é abandonar a alegria de sua liberdade profissional para se submeter às normas da denominação.
          O que é falar a mesma língua? Seria não revelar as injustiças e incoerências do sistema e continuar liderando graças a ignorância do aluno? Ah, seria unir-se à maioria para fazer valer o objetivo dos que mandam. Então, falar a mesma língua se parece mesmo com abuso de poder!!!

           Falar a mesma língua se parece também com incoerência: um falta e, para fechar a boca dos alunos, manda-se outro professor, que "está de janela" no horário, para assumir aquela aula, cumprindo a aula que ele não deu na semana passada. Aí o governo paga duas vezes a mesma aula. Quem faltou está recebendo por aquela aula amparado por um atestado médico, e quem tapou o buraco também ganhará por ela. Mas, ninguém vai dizer nada por não cortar o ponto de ninguém, e temos que falar a mesma língua.

           Falar a mesma língua é parceria em qualquer caminho, então como será falar a mesma língua com quem professa fé religiosa diferente, quando se quer fazer uma oração ou rezar antes das atividades do dia? "Ora, duas pessoas poderão caminhar lado a lado se não tiverem de acordo?" (Am 3:3). "Jamais vos coloqueis em jugo desigual com os descrentes. Pois, o que há de comum entre a justiça e a injustiça? Ou que comunhão pode ter a luz com as trevas? … II Cor 6:14-16).
            Não sei que língua é falada quando a diretora interrompe minha aula para recados, assim se expondo por pouca coisa e estimulando os alunos que não gostam de mim, que geralmente são os que têm nota baixa em minhas disciplinas,  a falarem mal de mim, por que lhes foi feito a pergunta: "como estão suas aulas e seus professores?" Desde quando o aluno (cliente) fala a mesma língua do professor?
          Nós nos sentamos juntos porque falamos a mesma língua ou porque falamos a mesma língua sentamo-nos juntos? É como diz a Edna Frigato: "Quer mesmo saber o que é falar a mesma língua? É se manter de boca fechada, e engolir toda essa podridão gestada no ambiente escolar, que nos é enfiada quela abaixo todo dia." Assim como engole em seco o professor das últimas aulas do período, pois são aulas menores causando-lhe o prejuízo no andamento de sua matéria. Mas, ele quer economizar esforço! Então, reclamar por quê?
Kllawdessy Ferreira

Comentários

Enviado por Kllawdessy Ferreira em 22/01/2016
Reeditado em 30/01/2016
Código do texto: T5519648
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

GRUPO DE TRABALHO WHATSAPP (Pessoas virtuais não gostam de mostrar seu intelecto.)



Crônica

GRUPO DE TRABALHO WHATSAPP (Pessoas virtuais não gostam de mostrar seu intelecto.)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

            Hoje ouvi uma expressão interessante de uma professora na hora da reunião pedagógica, a primeira desse ano, diga se de passagem: — "O aparelho celular para o aluno é uma extensão de si mesmo". Apesar de tudo, professores continuam proibindo o uso de aparelho celular em sala de aula! Então, o outro pulou dacolá, dizendo: —"É proibido pelo regimento". Todavia, eu continuo achando que o problema não é o aparelho celular e nem do regimento antigo e desatualizado, mas sim o mau uso da ferramenta e no momento impróprio.
           Os professores também não abrem mão de sua extensão intelectual - o celular -  afinal há muitos aplicativos atraentes, interessantes e úteis. Então, toda escola que trabalho tem um grupo oficial no Whatsapp, com a proposta de agilizar os trabalhos. Porém, a rigidez implantada ao aluno, sobre o uso do aparelho, não é aplicada à distribuição das postagens ali. Não tem hora e nem conteúdo, faz-se de tudo: vendem-se bolsas, batom, frutas; evangelizam-se os colegas; esbaldam-se em bom dia, boa tarde e boa noite; tiram-se as diferenças com ameaças e tudo. Meia noite, ouço o sinal. Chegou mais uma mensagem. Esforço-me para ler logo, pois pode ser um comunicado da direção, assim talvez trabalho melhor! Nada, é só mais um "kkkkk" incentivando a discórdia sobre modulação.
            Aí, morre a mãe ou o pai do coordenador; a família do professor tal sofre um acidente, estão muito feridos; já o outro está passando mal em casa mesmo. Então, os solidários enchem a conta de lamentações: "sinto muito pela perda", "vai dar tudo certo", "Deus te abençoe e conforte" e "tenha fé". Todavia, a ala dos insensíveis e festeiros está postando fotos de alta resolução de bolos, salgadinhos, frutas e refrigerantes, tudo junto e misturado, mostrando ao grupo sua felicidade, pois a reunião que os moribundos não puderam ir foi bem recompensada. Não sei por que as pessoas gostam de se mostrar sorridentes, especialmente os que usam aparelho nos dentes! E sempre na beira de um córrego, se fotografam para as redes sociais. Ou sentam-se à porta da rua com uma lata de cerveja na mão, mostrando-se estufado de prazer, mas tudo isso não bastará se não fizerem uma self.
          Aqui só estou sentido falta da pornografia, até porque a violência já aparece abundantemente nas noticias "linkadas", ainda bem, não tem aluno adicionado, entretanto é possível  despertar o desejo dum filho de algum componente descuidado do grupo, à tal traquinagem! Talvez, dirá como eu: — "faltam só as pornografias comuns nessas mídias de relacionamento para o grupo 'bombar'". Ah! desculpe-me, eu esqueci que se trata de um grupo oficial de trabalho.
           Eu também criei um grupo no whatsapp com alunos da equipe de teatro da escola, com o intuito de desenvolver melhor os trabalhos, mas tornou-se uma "brigaiada" e banalização de tudo, por final, "grilei" e excluí. Não funciona, se quiser conviver com o que pressupõe o distanciamento da repressão. Por isso, não sei até quando as tecnologias deixarão de ser problema para as entidades educativas  tradicionais!?
           Já dizia o Mário Quintana: "Sempre me senti isolado nessas reuniões sociais: o excesso de gente impede de ver as pessoas..." Eu diria que essas pessoas virtuais não gostam de mostrar seu intelecto.
           Você invade minha liberdade, e eu, a sua privacidade. Poi é, e não reclame de falta de privacidade nas redes sociais. Se lá tem todas as suas informações, foi você quem lá postou. Portanto, deixe de se fazer de vítima. Depois de tudo, vou fechando aqui com as palavras de Alexandre Dumas Filho, escritor francês: "A felicidade aparente é a que nos procura mais inimigos".
Kllawdessy Ferreira

Comentários

Enviado por Kllawdessy Ferreira em 19/01/2016
Reeditado em 21/01/2016
Código do texto: T5516221
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

sexta-feira, 1 de janeiro de 2016

A autocrítica de um professor ( É assim também no Ensino Médio - que nem eu, Prof. Piero!)



Texto

A autocrítica de um professor


Por Piero Sbraggia em 29/12/2015 na edição 883

   
            Antes de se matricular em um curso de graduação em Jornalismo, o estudante necessariamente se coloca em questionamento: por que estou escolhendo uma profissão cujo diploma não é obrigatório para o exercício da atividade profissional? O debate sobre a regulamentação da profissão de jornalista no Brasil e a consequente exigência do diploma costura os primeiros anos deste século.
            Entre os que defendem a obrigatoriedade do diploma parece consenso que a formação acadêmica garante, ou deveria garantir, um nível mínimo de qualidade e eficiência profissional. Um jornalista diplomado não é um técnico, e tampouco um operador de sistemas tecnológicos. Um jornalista com diploma debaixo do braço é um questionador, um profissional que pensa, que reflete, um formador de opinião. Certa vez, Umberto Eco disse que o principal instrumento de trabalho de um jornalista é o seu próprio cérebro.
           E como equilibrar então essa função social e política do profissional de jornalismo com os parâmetros comerciais que norteiam boa parte das universidades no Brasil? A mercantilização do ensino transformou o aluno em cliente. Compartilho e concordo com a ideia do professor Eugênio Bucci de que “a escola virou uma instituição de adestramento para o capital”.
           Como formar, então, jornalistas cidadãos, com princípios e valores humanistas e com capacidade de reflexão sobre a realidade? A faculdade de Jornalismo deveria ser uma estrada para a emancipação do futuro profissional. Nós, professores, deveríamos valorizar o aluno que questiona, que propõe a mudança, que sai do lugar comum, que ousa, que voa. Mas não, nós, professores, temos preguiça de ensinar. Muitas vezes, ao olhar para o calendário, pensamos que é melhor aprovar a turma toda de uma só vez para não termos trabalho de aplicar exame, provas substitutivas e todo aquele processo que envolve um aluno que tira uma nota abaixo da média.
          O MEC exige provas individuais. Se as formularmos no padrão Enade, ótimo. Tive em sala de aula excelentes resultados e avaliações ao propor uma prova diferente, que fizesse o aluno utilizar o conteúdo debatido em sala de aula como ferramenta para um novo conteúdo, dele mesmo, autoral, sem decoreba. O currículo de um curso de Jornalismo é vivo, mutável, se transforma ao longo de um semestre, de um mês, de uma semana e até, quem sabe, de um dia. Mas nós, professores, com a tradicional preguiça de Macunaíma, preferimos aplicar uma prova em grupo. Claro que escondemos da coordenação. Pensando bem, dá até para aplicar uma prova via e-mail. O professor manda para o aluno em um dia e ele entrega respondida no dia seguinte, pessoalmente, claro. E ainda assina a ata de prova, como se tivesse feito dentro da universidade.

Os alunos são a mudança!

Mas não podemos esquecer que fora da sala de aula o aluno ainda é visto como um cliente. O ensino universitário é um filão de mercado. O curso de Jornalismo precisa ser “sustentável”, a palavra da moda entre alguns burocratas que coordenam cursos sem nunca sequer terem tido uma experiência jornalística verdadeira, sem nunca terem pisado em uma redação. Ser “sustentável”, no jargão acadêmico, significa dar lucro. Cobrir os custos da universidade e, ainda assim, proporcionar aquela gordurinha extra, uns pedaços de bacon para engordar a ceia de final de ano.
           A mercantilização do ensino de jornalismo no Brasil é um reflexo do mercado de notícias. Bom jornalismo é aquele que dá audiência na TV ou no rádio, que vende jornal ou revista, que extrapola as page views na internet. Bom jornalismo não é mais aquele que reflete, que faz pensar, que traduz a informação para o receptor/espectador/ouvinte/leitor. Formar um aluno que pensa é perigoso! Para que a universidade quer ter um cliente questionador? O aluno domesticado é valorizado. O professor também. Alguns colegas, domesticados, claro, trabalham até de graça. Olha só que bacana! É menos custo para a empresa.
           Quando uma universidade decreta um plano de demissão em massa de professores como presente de Natal, eu não fico triste por mim ou pelos colegas demitidos. Eu fico triste pelos alunos! Uma frase do escritor Herman Melville me fez entender melhor a relação entre professor e aluno: “Não podemos viver apenas para nós mesmos. Mil fibras nos conectam com outras pessoas; e por essas fibras nossas ações vão como causas e voltam pra nós como efeitos.” O autor de Moby Dick certamente não conheceu Paulo Freire, o grande educador brasileiro que acreditava que a prática didática estaria conectada com a realidade, e não mais fundamentada no que ele chamou de educação bancária, tecnicista e alienante. Aquele tipo de relação professor/aluno em que um é o detentor do saber e o outro o ignorante que busca conhecimento.
           Há três anos sou professor universitário em cursos de Jornalismo. Há três anos aprendo mais com meus alunos do que eles comigo. Aliás, até com os burocratas eu aprendo. E eles nem imaginam quanto! Há poucos meses ouvi de um desses que gostam de assinar e carimbar que “se o futuro da educação no Brasil está caminhando para a internet, por que manter ainda um professor em sala de aula?” Essa lição, aprendi! Aprendi que está errada! O ensino é uma prática que pressupõe uma relação humana, uma relação de troca.
            Chego todos os dias em casa com a sensação de dever cumprido. Como jornalista e professor universitário, faço a minha parte. Tento fazer a diferença na vida de cada um dos meus alunos. Tento provocar a mudança, tento encontrar neles o caminho para a mudança. E os alunos são a mudança! Não acredito nos burocratas de carimbos e canetas. Mas acredito nos alunos, nos estudantes de jornalismo! (grifo meu)

Fonte: http://observatoriodaimprensa.com.br/ensino-do-jornalismo/a-autocritica-de-um-professor/

***

Piero Sbragia é jornalista, documentarista e professor universitário
Kllawdessy Ferreira

Comentários
Enviado por Kllawdessy Ferreira em 01/01/2016
Código do texto: T5497133
Classificação de conteúdo: seguro