"Todas as coisas complexas estão condenadas à decadência." (Buda)

"Evoluir não é melhorar. A lagarta jura que a borboleta é a sua decadência." (Fabrício Carpinejar)

Pesquisar neste blog ou na Web

MINHAS PÉROLAS

sábado, 19 de agosto de 2017

MINHA DECADÊNCIA (Eu sempre fui e sou um erro...e você perigoso!)


Crônica

MINHA DECADÊNCIA (Eu sempre fui e sou um erro...e você perigoso!)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

            Acabei de confirmar em minha própria pele que a alegria de pobre dura pouco mesmo. Já agora, imediatamente após a um momento de mudança em minha vida, confirmando cumprimento da ordem divina: crescei e multiplicai. Vem a decadência. Pois já estou velho e com os anos de trabalho quase cumpridos: aposentar-me-ei logo. Preciso ficar atento para possíveis calúnias no âmbito profissional e familiar, tomar cuidado com as responsabilidades do trabalho para não ser acusado injustamente de erro, antecipando assim, meu AFASTAMENTO. E por eu estar totalmente desprendido da vaidade, deixarei apenas minha capacidade falar alto. Estou tentando ser menos impulsivo NESTES MOMENTOS FINAIS, pois ainda não sei assumir o controle de minhas emoções. Todo o meu problema é que eu tenho imaginação e carisma para chamar a atenção, vender bem o meu trabalho. Mas, o que importa nesse momento, não é a visibilidade, é o teor da comunicação. Eu sempre fui e sou um erro...e você perigoso! (cacofonia intencional)
             E quando estiver aposentado, podendo evacuar do ambiente escolar, levarei um sentimento de menos-valia em decorrência de frustrações no trabalho. Mas, compreendo que nem sempre é possível ganhar. Só me resta agora descansa das dificuldades superadas. Pois sei que todo esforço aplicado para ampliar minha capacidade intelectual teve e terá bons resultados. O pior de tudo isso é que, a possibilidade da ociosidade me assusta ou a mudança de atividades já faz oscilar meu humor. Sobre tudo, estou esperando demandas mais intensas no estado de terceira idade e na vida social, visto que o amor está em baixa por aqui. Nem sei se minha filha, recém descoberta, ama-me de verdade!
            Porém, eu continuarei mesmo de longe, dizendo que eles estão equivocados sobre o sucesso escolar, tanto os que dirigem como os usuários. A solução não é aprovando aluno de qualquer jeito, apenas se livrarão deles, pois as salas se esvaziarão da mesma forma do que se reprovassem os incompetentes. Qualidade é outra coisa! Pais procuram por colégios militares pela a disciplina, isso representa muito. Quem é burro, o enganador sujeito a pena posterior ou o enganado com a pena antecipada?
Kllawdessy Ferreira

Comentários

Enviado por Kllawdessy Ferreira em 02/11/2016
Reeditado em 19/08/2017
Código do texto: T5810545 
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

sábado, 12 de agosto de 2017

MÁGOAS NÃO PERDOAM (O castigo foi feito para melhorar aquele que o aplica — Friedrich Nietzsche)


Crônica

MÁGOAS NÃO PERDOAM (O castigo foi feito para melhorar aquele que o aplica — Friedrich Nietzsche)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

           Hoje, sexta feira, avaliei a semana e concluí que a comunicação nas relações de trabalho ficaram suscetíveis à carga emocional forte e que puderam comprometer a eficácia das ações coletivas. Fiquei obcecado em um buraco negro! Ninguém me propôs uma divisão de tarefas, para amenizar meu estresse! E aqui estou, considerando a falta de lazer, então encontro vários motivo para me queixar. Embora, eu prefira compreender como uma possibilidade de transformação, o encontro amoroso, que tentei amadurecer, não deu certo. Não vou me apegar às mágoas, talvez na próxima semana dará certo. Se você cair, eu a levantarei. Coisa difícil não vem de Deus, não está madura!
            De uma coisa tenho certeza: quem faz o momento agradável é a gente! O certo é evitar erros, perdão é ilusão, nunca esquecemos da ofensa ou de nos esquecermos de esquecer a cicatriz! A prontidão do perdão, viabiliza a repetição do erro. Por isso, não se perdoa completamente, nem deve restaurar a confiança! Sim, quando perdoamos, assumimos as consequências pelo outro e damos outra oportunidade para a prática do mesmo ato, dessa vez patrocinado. A pessoa não se dá conta que é um erro se não ver as consequências fazerem arder sua pele. Como diz,  Sally Grazi: "O perdão é um ente obscuro... se perdoa sem completamente perdoar!"
           Depois de um tempo, tentamos lembrar o rosto das pessoas e só vemos a face do seu amor. Se há ódio, tornar-se-á apenas mais ódio. Odiei e fui odiado, tal basta para o meu túmulo. O medo é a raiz da violência, a vingança nos liberta da perseguição, pois é moeda de troca. Paz só com guerra. Anjos matam réu...      
Kllawdessy Ferreira

Comentários

Enviado por Kllawdessy Ferreira em 02/11/2016

Reeditado em 12/08/2017
Código do texto: T5810543 
Classificação de conteúdo: seguro


Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

terça-feira, 8 de agosto de 2017

Professor nota zero — Por Gilberto Dimenstein


Texto
Professor nota zero
Por Gilberto Dimenstein

Dos 214 mil professores que se submeteram à prova da Secretaria Estadual da Educação de São Paulo, 3.000 tiraram zero: não acertaram uma única questão sobre a matéria que dão ou deveriam dar em sala de aula. Apenas 111, o que é estatisticamente irrelevante, tiraram nota dez. Os números finais ainda não foram tabulados, mas recebo a informação que pelo menos metade dos professores ficaria abaixo de cinco. Essa prova tocou no coração do problema do ensino no Brasil, o resto é detalhe.

Como esperar que um aluno de um professor que tira nota ruim ou mediana possa ter bom desempenho? Impossível. Se fosse para levar a sério a educação, provas desse tipo deveriam ser periódicas em toda a rede (assim como os alunos também são submetidos a provas). Quem não passasse deveria ser afastado para receber um curso de capacitação para tentar se habilitar a voltar para a escola.

A obrigação do poder público é divulgar as listas com as notas para que os pais saibam na mão de quem estão seus filhos. Mas a culpa, vamos reconhecer, não é só do professor. O maior culpado é o poder público que oferece baixos salários e das universidades que não conseguem preparar os docentes. Para completar, os sindicatos preferem proteger a mediocridade e se recusam a apoiar medidas que valorizem o mérito.

O grande desafio brasileiro é atrair os talentos para as escolas públicas --sem isso, seremos sempre uma democracia capenga. Pelo número de professores reprovados na prova, vemos como essa meta está distante.


Gilberto Dimenstein, 60 anos, é membro do Conselho Editorial da Folha e criador da ONG Cidade Escola Aprendiz. Coordena o site de jornalismo comunitário da Folha. Escreve para a Folha Online às segundas-feiras.
http://www1.folha.uol.com.br/folha/pensata/gilbertodimenstein/ult508u500752.shtml
Kllawdessy Ferreira
Enviado por Kllawdessy Ferreira em 08/08/2017
Código do texto: T6077518
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

sábado, 5 de agosto de 2017

DEBAIXO DA SOMBRA ("Disse a flor para o pequeno príncipe: é preciso que eu suporte duas ou três larvas se quiser conhecer as borboletas."—Antoine de Saint-Exupéry)


Crônica

DEBAIXO DA SOMBRA ("Disse a flor para o pequeno príncipe: é preciso que eu suporte duas ou três larvas se quiser conhecer as borboletas."—Antoine de Saint-Exupéry)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

             Hoje, seria um Sábado para arrumar a casa, nunca me senti tão indisposto, assim com baixa vitalidade. Não tive coragem para comprar nada, envolver-me com mulher, amigos ou familiares. Nem com problemas alheios. Eu estou inadequado para me sentir emocionalmente responsável pelos outros. Não pude me mostrar acolhedor, generoso e cuidadoso com o bem-estar das pessoas que me cercam. Na verdade, estou me debatendo com maus sentimentos, pressentimentos ruins e situações meio tensas, descontando nos outros meus erros! Aí uma amiga virtual me diz que sou bom e experiente, mas, quando saio das sombras já é tarde, e o sol dá câncer.
           Como posso ser diferente, se carrego comigo as cicatrizes de três erros capitais: Escolhi mal meus casamentos, foram dois que só me revelaram que casar não é de Deus; Escolhi mal a religião, porque me deixei levar por pastores enganadores, agora descrente na Bíblia; escolhi mal a profissão, expulso da igreja, concursado na educação, porque não me disseram que a educação separa os homens?
          Porém a pergunta que faço insistentemente, pois algo muito me incomoda atualmente, é esta: Porque um homem faz o outro sofrer?  "Disse a flor para o pequeno príncipe: é preciso que eu suporte duas ou três larvas se quiser conhecer as borboletas." (Antoine de Saint-Exupéry). Mas, eu tenho que suportar muitas larvas e ver poucas borboletas.
           Mesmo assim, devo concordar com as determinações do destino, pois, neste mundo, é muito caro cinco segundos de orgasmo e ninguém reclama.
Kllawdessy Ferreira


Comentários

Enviado por Kllawdessy Ferreira em 02/11/2016

Reeditado em 05/08/2017
Código do texto: T5810541 
Classificação de conteúdo: seguro


Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.