"Não espere por uma crise para descobrir o que é importante em sua vida." (Platão)

"A amizade e a lealdade residem numa identidade de almas raramente encontrada." (Epicuro)

Pesquisar neste blog ou na Web

MINHAS PÉROLAS

sábado, 22 de fevereiro de 2014

MEU AMARELO TABLET (A)DOTADO ("'Presente de grego' para gerar voto")

           

Por Claudeci Ferreira de Andrade

           Nunca gostei de emprestar nada de ninguém, parece-me que não consigo devolver o que é dos outros intacto.  Por força do destino, as coisas dos outros se sentem roubadas e choram por seus donos, sempre se desmantelam em mãos alheias! Ainda, maior tolice é locar algo que não se está precisando ou só porque alguém acha que você precisa. Agora, ridículo mesmo, é a situação de depositário de uma tralha desatualizada que você vai usar para fingir que é tecnologicamente inserido no contexto atual. Refiro-me à alegria dos professores estatutários do estado ao assinar um contrato de uso de um tablet CCE de fabricação 2011, com um sistema operacional Android 4.0, visto que qualquer telemóvel de hoje opera com o Android 6.0 e outros até com Windows phone 10. Já me vejo num tremendo paradoxo, na frente de meus alunos fazendo a chamada com meu tablet amarelo e brigando com eles para guardarem os seus celulares.
           Dos professores de contrato temporário é requerido o mesmo desempenho e eficiência dos efetivos, mas não lhes foi permitido o empréstimo do equipamento didático, terão que acompanhar a evolução com seus próprios recursos. Qual não foi a decepção do professor Bruno, Contratado porque sobraram algumas aulas, então comentou comigo que se sentiu acachapado pelo assédio moral e diminuído entre os colegas de mesma nível de formação. Mas, querendo ou não, tem que agradar o diretor para manter-se no contrato!
          Bem, depois de ler vários comentários de professores que já receberam o benefício do governo ("presente de grego para gerar voto"), no Facebook - no grupo: Mobilização dos Professores de Goiás, cansaram-me as insatisfações com o tal equipamento didático, que duvido ser realmente útil para o crescimento da educação púbica. https://www.facebook.com/groups/mobilizacao.professores.go/ 
           E o diário de classe eletrônico tem que ser viabilizado. Eu queria saber como os coordenadores pedagógicos controlarão o trabalho dos professores através do novo diário. Será que devo deixar de nomeá-lo de "o Mentirário"? Certamente o vivenciarei não isento das muitas lacunas que a verdade não preenche!!! Não seria o tablet que deveria fazer um cursinho, para aprender driblar os bons princípios e realizar as atividades mentirosas da escola sem travar?! Será um grande desafio ensinar essas coisas para ele. [meu tablet: filho (a)dotado]!
           Se pagam bem os professores, eles compram uma boa ferramenta de trabalho. É como disse Aldo Fernandes:  "Professores bem remunerados têm acesso a bens culturais amplos, cinemas, teatros, tecnologias, etc." E o governador foi reeleito!

sábado, 15 de fevereiro de 2014

O TRANSTORNO DOS ÍNDICES EDUCADOS (Ração melhor para os produtivos)


         
Por Claudeci Ferreira de Andrade

           Para a pré-modulação do ano que vem (2014), tiraram-me das aulas de Língua Portuguesa nos terceiros anos do Ensino Médio matutino! Nesse momento de reajuste, disse-me a diretora que a Secretaria de Educação tinha decretado critérios rígidos contra os professores que são relapsos: faltosos, sem boas recomendações de coordenadores e de alunos (O que adianta não ser faltoso se sou relapso sem recomendações?). Agora, apenas me conforto na certeza que ela não me conhece verdadeiramente em sala de aula! Qual não foi a surpresa de todos do colégio ao receber os índices, do aproveitamento do alunado em Língua Portuguesa, do ano que acabou de terminar (2013). Foi o melhor já alcançado, pelo colégio, desde sua fundação!  Meu signo diz que tenho um valor inestimável e mereço todos os aplausos. E que devo deixar que as pessoas façam isso no momento certo e não exigir que elas me reconheçam quando eu quiser. E me diz mais que antes de receber elogios e atenções é importante que eu dê razões para isso, que também devo reconhecer o valor delas. Então, quero confessar, para que tenha a consciência limpa: foi certo o que fez comigo! As notas do IDEB (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) deverão subir sim para que possamos continuar bem empregados à vista de todos, fazendo nosso humilde e penoso trabalho! Para nossa sorte, a nova professora de Português, que ia me substituir não aceitou as aulas, suspeitou não fazer melhor, então continuei, para colher as honrarias pelo bem que plantei. A Culpa não é dos alunos; eles não trazem os livros que ganharam para estudar em sala; não participam com atenção nas aulas; devolvem a folha de redação das provas diagnósticas do governo em branco, coitados! Só não foram motivados para levarem a sério os seus estudos. Com certeza, a culpa dos baixos índices é mesmo do professor!!! Aliás, toda culpa é do professor mesmo quando também acerta!
           A Jerusalém abençoada que matava seus profetas ficou sem nenhum!  Será por que os cursos de licenciaturas estão vazios? {http://www.appego.com.br/papiloscopistas-goias/8237-vestibular-ufg-2014:-curso-de-medicina-chega-a-mais-de-100-por-vaga.-licenciatura,-menos-de-1-} (acessado em 12/02/2014).
           Segundo o estudo, que fez uma pesquisa quantitativa com mil entrevistados por país analisado, o Brasil só fica atrás de Israel na pior valorização do professor. No Brasil, menos 20% dos entrevistados responderam que encorajariam seus filhos a serem professores. Já na Coreia do Sul, a porcentagem é superior a 40%. {https://www.varkeygemsfoundation.org/sites/default/files/documents/2013GlobalTeacherStatusIndex.pdf}, (acessado em 12/02/2014).  Portanto, vou levar comigo, para o resto de minha vida, a culpa do fracasso da educação pública nas escolas aonde passei, medida por essas provas quem vêm da Secretaria do Estado de Educação, que os professores da própria unidade escolar aplicam-nas e as corrigem, mas chamam-nas ainda de externas. E condenado juntamente com muitos outros ultrapassados e culpados igualmente, mas, também levarei a certeza que não valorizaram os poucos que abraçaram a causa!!!!
          Às vezes, ser amigo de todo mundo, pode evitar esse tipo de frustração técnica,  pois já não se pratica mais os antigos critérios de distribuição das aulas para a modulação do novo ano letivo: era primeiramente por efetividade; depois, formação na área e; se empatassem, a prioridade para quem tinha maior tempo de casa. Porém, não sei por que estou lembrando isso se também quero o progresso do sistema educacional, ainda que o meu querer ultrapassado trilhe por veredas velhas! Vivemos em tempos novos, e por agora é proibido praticar o que funcionava muito bem no passado. Na pecuária é assim mesmo, melhor ração para os produtivos, mas também não há quem seja produtivo sem uma boa ração!

sábado, 8 de fevereiro de 2014

PROFESSOR(,) BOM PIA! ( Aulões de conteúdos genéricos resolvem tudo!)


Crônica

PROFESSOR(,) BOM PIA! ( Aulões de conteúdos genéricos resolvem tudo!)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

          Período de Intensificação da Aprendizagem! Bons tempos, quando não se precisava disso, para disfarçar que ainda se tinha fôlego! Seria bem melhor nomeá-lo de: Período de Intensificação do Ensino Retroativo (PIER-Estrutura construída sobre o mar para atracação de embarcações)! A última cartada da unidade escolar para ressuscitar os ânimos em direção aos objetivos comuns.
           Tendo em conta as sugestões oferecidas pela secretaria de estado da educação, fica difícil para a coordenação do colégio viabilizar os critérios de atuação nesse tal PIA, também tendo em conta a heterogeneidade circunstancial. Ainda mais, quando se expõe, em reunião de professores, esses fiascos pedagógicos, tentando, em nome da democracia, responsabilizar todo mundo. Mais de uma hora de debate, no Trabalho Coletivo Escolar (TCE), simplesmente para se perder no meio do caminho, onde começam as mil e uma arenosas bifurcações. Na verdade, ninguém sabe lidar com essa tapeação toda sem ferir os bons princípios: Acrescenta-se a nota do PIA no resultado preliminar do quarto bimestre? Substitui-se a nota do terceiro bimestre? Substitui-se a nota do semestre? (Como se o professor tivesse poderes para ressuscitar defunto). Qual será o ponto de corte para que o aluno participe, obrigatoriamente, do PIA? O que será desenvolvido pelos professores durante este período? E já é de se esperar que termine sempre do mesmo jeito, com as outras possibilidades! Quais? Aquelas, frutos da improvisação. Então "se o sonido da trombeta for incerto os soldados não se levantarão para a guerra".
           Cada unidade escolar tomou um rumo diferente, uma forma diferente de gerir o PIA. E o aluno já reprovado por nota, terá nova chance de obter seu status restaurado e, no final, até portar uma nota melhor que os bons dispensáveis do PIA!!!
           Tudo isso demanda mais trabalho dos professores para facilitar a vida dos que brincam de estudar o ano todo e que consomem infrutiferamente o dinheiro do governo. Enfim, todo movimento desta última pedagogia é no sentido de forçar o professor passar o aluno. Porém tudo resulta em: mais planos de aula, mais relatórios, mais isso e aquilo, para resultar em mais números para os índices do governo. Até porque, eu duvido que seja mais crescimento intelectual para o alunado dependente e domesticado da educação pública. E no caso aqui, aulões com todo mundo misturado! Que conteúdos serão ministrados nesse curto período de tempo: GENÉRICOS? Por fim, é mais simples do que se pensa, o professor que aprovou todos os seus alunos não precisará PIA(r).
Claudeko Ferreira
Enviado por Claudeko Ferreira em 24/10/2013
Reeditado em 08/02/2014
Código do texto: T4540186
Classificação de conteúdo: seguro

Comentários

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

sábado, 1 de fevereiro de 2014

NESTE CASO, DESCE-SE AULA (Já pensaram se eu fosse um bom professor nesses aspectos da atual conjuntura: como pede o caos?!)



Crônica

NESTE CASO, DESCE-SE AULA (Já pensaram se eu fosse um bom professor nesses aspectos da atual conjuntura: como pede o caos?!)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

          Os alunos normalmente ficam torcendo para que falte um dos professores, e se faltarem uns três é melhor ainda para eles, assim começam a perturbar a coordenadora, pedindo para subir aula. Em um desses momentos corriqueiros, tiveram que ouvir da coordenadora que o professor de Língua Portuguesa não dar conta nem de uma sala, quanto mais vai conseguir dar aula nas duas, ao mesmo tempo! Só não descobri ainda qual foi o intuito deles em me contarem esse infortúnio laboral. Porém, para mim foi ótimo, senão não estava meditando nesta crônica sobre minha incompetência disciplinadora.
           Eu já adotei o que repetidamente falam de mim, assim eles veem o que querem ver, as vozes que clamam devem ser atendidas para que os ecos continuem falando aos seus emissores, num desgaste conscientizador, enchendo o coração de cada um com o prazer do ébrio, talvez! Já pensaram se eu fosse um bom professor nesses aspectos que demanda a atual conjuntura, ou seja, como pede o caos?! Então, eu não poderia escrever, criticando este "moderno" sistema educacional, pois estaria satisfeito, mas escrevo para denunciar a quem quer que seja ou não de direito, eu quero é, de qualquer forma límpida, dizer o que acontece comigo. Vocês querem assim? Assim seja! Contudo, ser diferente não significa necessariamente está errado, lembrando que o novo é sempre um espanto, porém, espanto este que é a razão do despontar filosófico, então, logo virá o desejo da comprovação científico.
           Lidar com a liberdade é sempre complicado, assim como o é para Deus. Ensinar para quem quer aprender é o maior exercício do respeito, mas tentar forçar quem não quer para agradar os tacanhos é doar-se inutilmente ao atrofiamento. Aqui, um pensamento do filósofo Platão é bem apropriado: "O cansaço físico mesmo que suportado forçosamente, não prejudica o corpo, enquanto o conhecimento imposto à força não pode permanecer na alma por muito tempo."
Claudeko Ferreira
Enviado por Claudeko Ferreira em 11/10/2013
Reeditado em 01/02/2014
Código do texto: T4521493
Classificação de conteúdo: seguro

Comentários

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.