"Não espere por uma crise para descobrir o que é importante em sua vida." (Platão)

"A amizade e a lealdade residem numa identidade de almas raramente encontrada." (Epicuro)

Pesquisar neste blog ou na Web

MINHAS PÉROLAS

sábado, 25 de outubro de 2014

COORDENADAS ADITIVAS (SE NINGUÉM NÃO TE ESCOLHEU PARA NADA, É PORQUE NÃO TENS TALENTO ALGUM! )



Crônica

COORDENADAS ADITIVAS (SE NINGUÉM NÃO TE ESCOLHEU PARA NADA, É PORQUE NÃO TENS TALENTO ALGUM! )

Por Claudeci Ferreira de Andrade

           Nem sempre ensina quem sabe mais, mas também os que nem sabem que estão ensinando!!! O que é sempre mesmo é o tolo lutando com suas tolices, pois nem sabe que não sabe. Todavia, não admite que lhe diga o que tem de aprender e se esquiva por medo, ele não quer responsabilidade.
           Eu queria entender o que dizem nas igrejas: "de quem sabe mais, mais lhe será cobrado". Penso que não seria justo que um mesmo objeto necessário a todos seja vendido mais caro para quem tem muito dinheiro e mais barato para quem tem pouco dinheiro. Como se aplica a ideologia da injustiça: "dois pesos e duas medidas", tão condenada pela Bíblia?
           Talvez seja assim como dita o provérbio chinês: "Se dois homens vêm andando por uma estrada, cada um com um pão, e, ao se encontrarem, trocarem os pães, cada um vai embora com um. Se dois homens vêm andando por uma estrada, cada um com uma ideia, e, ao se encontrarem, trocarem as ideias, cada um vai embora com duas." Ensinar é um somar de conhecimentos, nunca eu mando, e você aprende o que eu quero. Eu apenas lhe apresento minhas ideias sem anular as suas. 
           Se você não é de nada, não lhe convidam para ensinar nada! Talvez o chame para ser aluno! SE NINGUÉM NÃO LHE ESCOLHEU PARA NADA, É PORQUE NÃO TEM TALENTO ALGUM! POIS, TALENTO ENTERRADO É TALENTO MINADO!!!! Fingir-se talentoso, e ainda, sem ninguém o chamar, oferece-se, será pois somente desprezado, quando não escravizado, por prestar uma laboriosidade sem qualidade. Não passará de um inútil. Qualifique-se, faça a diferença; leia os livros que leram os seus heróis! Se não descobriu ainda o que eles leram, então procura outros heróis, esses estão sendo mau exemplo, pois todos os famosos foram convidados a subir à escada do sucesso e jamais apagaram seus rastros. E esses rastros o convida a segui-lo também. Confirmamos com as palavras de Salomão:" Viste o homem diligente na sua obra? Perante reis será posto; não permanecerá entre os de posição inferior." (Pv 22:29). Também concordo com Michel de Montaigne: "O lucro do nosso estudo é tornarmo-nos melhores e mais sábios".
Claudeko Ferreira

Comentários

Enviado por Claudeko Ferreira em 29/09/2014
Reeditado em 25/10/2014
Código do texto: T4981378
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

sábado, 18 de outubro de 2014

DÚVIDA DE PROFESSOR ("A primeira fase do saber, é amar os nossos professores." – Erasmo de Rotterdam, teólogo.)



Crônica

DÚVIDA DE PROFESSOR ("A primeira fase do saber, é amar os nossos professores." – Erasmo de Rotterdam, teólogo.)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

           Os alunos que ficam quietos e comportados em sua aula são os mesmos indisciplinados na minha. Eles são apenas o que são ou o que fizeram deles! Será que eles querem que você se pareça melhor profissional do que eu? Ou eles mesmos querem provar essa diferença nos colocando uns contra os outros? Mas, afirmo-lhe, colega, que jogar "Pérolas aos porcos" não é tão ruim assim, quando é em nome do delicioso e crocante torresmo. Ruim mesmo é a lama do chiqueiro, inevitável sujeira, fétida, sempre vai ser compartilhada pelo o pior deles. Fingem ser nossos amigos para nos fragilizar, depois derrubam-nos mais facilmente no escorregadio de nossas próprias fezes. Por que havemos de brigar por causa deles? Eles mentem ao nosso respeito para nos aumentar vergonhas, empretejando assim as nodoas respingadas em nosso jaleco! SERÁ por que o aluno que tem nota vermelha em quase todas as disciplinas denuncia os seus professores, ao invés de recorrer às atividade da matéria para recuperar a nota! Mas insiste,  por coisas sujas e não relacionadas, evidenciando desespero, em agredir físico e moralmente seus professores. E o mestre sofre por que ainda não aprendeu a trabalhar com as "sacanagens" deles? Sofro como sofria Victor Hugo: “Quem poupa o lobo, sacrifica a ovelha”. A meritocracia é funcional quando há justiça.
            A Educação valoriza demais a Disciplina (Matéria de ensino), e a equipe gestora valoriza demais a Disciplina (comportamento), logo, uma coisa não vive bem sem a outra, a equipe gestora está a favor da Educação, o que é de se esperar, mas, talvez, por um falso conforto, não há disposição para a busca de solução inovadora e metódica do conhecimento, também pequei nisso. E qual professor não lançaria mão de qualquer coisa para cumprir seu dever? Depois de corrigir as redações de meus alunos, constatando que cometeram os mais primários erros, não posso nem compartilhar as desditas, "pérolas", na sala dos professores que logo aparece um acusador e promotor do comportamento discente e me culpar também. O professor de português sempre "paga o pato".
           Por que a educação escolar não se garante por si só? É preciso estratégias capciosas e arriscadas para achar quem queira estudar! Então, vêm as iscas com aparência de benefícios. E todos usam de sua malicia e maldade, fazendo o máximo possível para usufruir do que lhe interessa. O mal está na demonstração de maior interesse que o aluno estude do que ele mesmo se alimenta. "Chato...Indivíduo que tem mais interesse em nós do que nós temos nele." (Millôr Fernandes).
          Se, possivelmente, talvez, aparentemente, supostamente, provavelmente, acaso, casualmente, porventura, quiçá o sucesso cobrasse o conhecimento que a escolar ensina, ela seria desejada!!! Mas, de tantas denúncias e represálias fiquei assim: amargo e azedo! Mas, eu não sou a escola! E digo ao alunado que SE VIRAR AS COSTAS PARA SEU MESTRE, SE DISTANCIARÁ DELE! ASSIM COMO É RECÍPROCO "...RESISTI AO DIABO, E ELE FUGIRÁ DE VÓS!!!"
Claudeko Ferreira

Comentários

Enviado por Claudeko Ferreira em 23/09/2014
Reeditado em 18/10/2014
Código do texto: T4973212
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

O OSSO DURO DE ROER (Bloquearam-me no grupo dos professores no Facebook para não incomodá-los)



Crônica

O OSSO DURO DE ROER (Bloquearam-me no grupo dos professores no Facebook para não incomodá-los)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

           O sistema educacional brasileiro público, sobretudo em Goiás com seu IDEB  campeão, é um defunto que os seus familiares relutam em enterrá-lo. Embalsamam e usam maquiagem, mas tudo o mais já denuncia a deterioração. Eu só acreditarei em ressurreição se os filhos dos professores começarem a estudar nas escolas que eles lecionam! É difícil achar um professor que rejeitou outras opções para sê-lo, quase todos o são por falta delas. Depois se encontram em um ambiente tão morno que é difícil pular para fora do caldeirão da bruxa. Uma vez cozido, vira comida preciosa para políticos! É como já disse Luigi Pirandello: "A educação é inimiga da sabedoria, porque a educação torna necessárias muitas coisas das quais, para sermos sábios, nos deveríamos ver livres."
           Depositei a gota d'água quando tentei me mostrar zeloso pela língua, então escrevi lá: " Quero votar em um candidato a presidente, pois não suporto a palavra "PRESIDENTA". Devem ter me achado machista demais, mas eu não defendi a palavra "DENTISTO", só não queria mais transtornos linguísticos.

           Sou um semelhante a muitos outros, da educação, eu nunca quis sair do Grupo: "Mobilização dos professores de Goiás" (Facebook). Pelo contrário, sempre pensei que tínhamos algo em comum. Mas, de tanto postar perguntas reflexivas e receber afrontas como respostas, fui, cada vez mais, provocando e provocado, e eles, dessa vez, reagiram radicalmente, banindo-me do seu meio, então não posso postar mais nada e nem comentar nada aos seus 20.000 membros, que suponho ser meus colegas de profissão, talvez, todos bem intencionados. Lembrando que, nem sempre, colega é amigo, o sistema se fez assim, por dentro e por fora, de perto e de longe, diferente, não são os incomodados que se retiram, porém os que incomodam são tirados. Será que a verdade incomoda os da zona de conforto? Ainda não sei o que poderia ser confortável para os que andam ao derredor do cadáver, evitando a hora de sepultamento!  Então continuarei procurando uma razão suprema para a frase: "Os iguais se protegem".        
Claudeko Ferreira

Comentários

Enviado por Claudeko Ferreira em 18/09/2014
Reeditado em 10/10/2014
Código do texto: T4967171
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

sábado, 4 de outubro de 2014

A VULGARIDADE DE UMA SALA DE AULA (Assim incentivam minha criatividade e eu a deles.)



Crônica

A VULGARIDADE DE UMA SALA DE AULA (Assim incentivam minha criatividade e eu a deles.)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

           Refugiados no direito que obriga o professor a explicar o conteúdo tantas vezes os alunos quiserem, é que desperdiçam o melhor de um novo conteúdo: a introdução. Todo começo de aula é tumultuado, parece que eles pensam que se o clima não for propício ao professor, ele não iniciará, mas o forte e determinado mestre começa mesmo assim, quando percebem que a aula está andando, e uns poucos fazendo atividade valendo "visto", então, tomados pela curiosidade,  alguns dos atrasadores do progresso começam formalizar as interrupções infrutíferas para quebrar o andamento. Porque já não conseguem  entender perfeitamente, perderam a base de tudo, por isso pedem repetições, forçando o "amassar barro". Os que ainda se mancam interrompem com modéstia: — "Prossô, posso ir no banheiro beber água?" – Que seque toda água por lá, mas que demore voltar. Outros insistem na aula particular e na atenção individualizada, chamando o professor insistentemente à sua carteira. Como se fosse o dono do professor! Mas, a maioria continuam fazendo barulho, conversando bobagens para atrapalhar o empenho dos ainda responsáveis. Eu chamo isso de socialização de baixo nível. Tenho visto o sucesso de aluno, provando que a escola não vale nada, esses precisaram dela só para atrapalhar as aulas dos outros. Cifa "Os tolos são muitas vezes promovidos a grandes empregos em utilidade e proveito dos velhacos, que melhor os sabem desfrutar".(Marquês de Maricá).
           Outro comportamento banalizador, enfeitado com uma boa desculpa, é o comportamento dos que chegam atrasados todos os dias  e arrastam cadeiras por dez minutos até se convencerem que foram vistos e se impuseram.
           Há uns que depravam com o "Num vim", nunca fazem nada por que não vieram ontem. Será que querem atribuir a culpa ao professor? Por que eles não fizeram as atividades atrasadas? Estes buscam a ajuda da coordenação, pressionam o professor por novos favores, também estão sempre bem amparados com atestados de dentistas e bilhetes assinados pelos pais para lograr atividades posteriores e facilitadas.
           O mais ridículo e aviltante comportamento é o dos alunos que cobram do professor a ordem na sala, por que eles se acham merecedores de uma boa aula, pelo fato de serem alunos dedicados, e o professor gosta é assim! Mas, estes aparentes justos fazem as atividades e emprestam o caderno para queles bagunceiros copiarem, alimentando seu vício. Os irreverentes plagiam conseguindo a mesma nota e ai do professor se não der, será taxado de discriminador: A solidariedade do suicídio. Por que os bons não se unem ao professor na discriminação do mal comportamento?
            Enfim, o sistema ( ou sei lá quem) dá sua maior parcela de trivialidade, quando pressiona a escola, e esta por sua vez, na pessoa da diretora, com pudor nenhum, coage o professor a aprovar todos os seus alunos, em nome das bonitas estatísticas para assegurar o emprego de muitos. O que é de graça não tem valor. Talvez por isso que o alunado não valoriza o sistema paternalista como está. E o termômetro do descaso é o quanto eles se importam com o livro didático que ganharam do governo! Este também é um comportamento mediocrizador da aula: O professor propõe uma atividade da página tal, evitando o gasto com a xérox, que fica caro, eles dizem: — "num truce o livro, pesa". Isto é, quando não jogam a culpa no professor, dizendo: — "o sinhô não avisô que era para trazer o livro!" Cortar palavras das revistas e jornais, como uma didática fácil e barata, para formar poemas visuais e concretos, também não querem fazer porque não cai em vestibular, é assim que incentivam minha criatividade e eu a deles: Pelos atalhos.
Claudeko Ferreira

Comentários

Enviado por Claudeko Ferreira em 04/09/2014
Reeditado em 03/10/2014
Código do texto: T4949811
Classificação de conteúdo: seguro