"Se o doido persistisse na sua loucura tornar-se-ia sensato." (William Blake)

"O louco, o amoroso e o poeta estão recheados de imaginação." (William Shakespeare)

Pesquisar neste blog ou na Web

MINHAS PÉROLAS

domingo, 21 de agosto de 2016

OS TOLOS OFENDIDOS (“Para os puros, todas as coisas são puras...” Tt 1:15.)



Crônica

OS TOLOS OFENDIDOS (“Para os puros, todas as coisas são puras...” Tt 1:15.)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

           Hoje, ainda estou lutando para me recuperar do trauma ou de problema que pode estar associado a minha própria falta de cuidado com meu nome e caráter. "Quem me rouba a honra priva-me daquilo que não o enriquece e faz-me verdadeiramente pobre." (William Shakespeare). Pois, estou sentindo uma perda atribuída a ações de pessoas levianas. Não posso perder o contato com minha verdadeira identidade. Estou trabalhando, mantendo o foco para encontrar o caminho. Disse-me meu o anjo da guarda que só tenho de deixar a energia fluir no meu ritmo, abrindo passagem. E vamos nós...
            A intenção daquela aluna não tem o mínimo do bom propósito de melhorar sua família e fortalecer seu casamento, pois levou o seu marido ao diretor, e ali expôs sua maneira irrefletida de agir, subestimando a capacidade de leitura e compreensão de meu diretor. Não pensou também que eu poderia divulgar minha versão. Ainda é destituída da intenção de melhorar o colégio, visto que denigre a imagem de um professor de muitos anos de serviço prestado à essa unidade escolar, com boa índole e comprovada utilidade. Também não pensou em melhorar meu profissionalismo, pois nem atinou que eu poderia perder o emprego do qual sustento minha família, a julgar pelo fato de o coordenador pedagógico adorar fazer relatórios negativos sobre professor! E finalmente, agiu tão tolamente que jamais pensou na possibilidade de eu continuar sendo seu professor, com péssimas circunstâncias de ensino e aprendizagem. Se ela considerava tão criminosa minha atitude, porque não foi à polícia, onde há investigadores competentes, ao invés de fazer “justiça” com as “próprias mãos”? E em que escola eles aprenderam isso?
           Bem sei que um erro não conserta o outro, e admito sim que errei, considerando-a apta a contribuir com um ponto de vista feminino sobre algo que me preocupava, naquele momento lhe contei um fato de minha vida: como tinha conquistado uma namorada, que tão rapidamente a perdi, uma boa vendedora de perfume. Eu só queria um argumento para me justificar. E em outro dia, num momento vago da aula, comecei a ler as mãos de alguns, infelizmente ela se aproximou e me deu a mão para eu falar seu futuro, não falei nada, era apenas uma brincadeira à vista de todos. Gosto de agir assim com meus alunos para facilitar a relação professor/aluno, gerando confiança e lucro na aprendizagem (funciona com a maioria). Então, ela não entendeu, maldosamente foi juntando e premeditando os fatos com esse fim. Como sou um péssimo profeta, não sabia que iria ler o seu futuro tão pressionado assim. Não aprendi nada com suas ameaças e denúncias. Só me fizeram, mais uma vez, consciente das possibilidades de fracasso no sistema educacional. Vou morrer sem saber em que parte eu a ofendi! “Para os puros, todas as coisas são puras...” Tt 1:15.
           Nunca pensei que houvesse necessidade de divulgar esse texto, um retrato de minha tolice,  considerando que aprendi com a Bíblia que “Quando o tolo é ofendido, logo todos ficam sabendo, mas quem é prudente faz de conta que não foi insultado. ” (Prov. 12:16). Mas, o fiz por que, agora acho, que ele vai ser útil para alguém. Essas formas de vingança são frequentes não só na escola, mas também no trabalho. "Louco não é o homem que perdeu a razão. Louco é o homem que perdeu tudo menos a razão." (G. K. Chesterton).
Kllawdessy Ferreira


Comentários

Enviado por Kllawdessy Ferreira em 21/08/2016
Reeditado em 21/08/2016
Código do texto: T5734977
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Postar um comentário