"Tardar não é falhar. É apenas o ato de ponderar." (Milena Jane Maluf)

"A maneira mais correta de resolver um problema é transferir para outra pessoa." (Vitor Curioso)

Pesquisar neste blog ou na Web

MINHAS PÉROLAS

domingo, 29 de agosto de 2010

UMA ESCOLA CRIATIVA DIZ MENOS “NÃO” ("EDUCAR NÃO É CORTAR AS ASAS, E SIM ORIENTAR O VOO.!!!" – Madre Maria Eugênia)



CRÔNICA

UMA ESCOLA CRIATIVA DIZ MENOS “NÃO” ("EDUCAR NÃO É CORTAR AS ASAS, E SIM ORIENTAR O VOO.!!!" – Madre Maria Eugênia)

Por Claudeci Ferreira de Andrade
          Ontem vi um cartaz na Escola Senador Canedo dizendo: “é proibido mini-saia e micro-saia” [sic]. Apesar da escrita não está nos padrões do acordo ortográfico, mas ficou extremamente claro o recado taxativo. Infelizmente eu não sei qual a diferença entre os dois tipos de saia e creio que muitos não saibam, porém o importante aqui é a intenção proibitória, objetivando tornar o ambiente escolar “respeitoso” e “moralista”. Esse não seria exatamente o tipo de cartaz aconselhável a colocar em escola alguma, nem de brincadeira! sobretudo, o apelo fora feito e eles devem ter seus motivos plausíveis. Até porque, tem quem goste.
          Assim falando, talvez não vão me entender facilmente, mas, tenho em mente, sobre o assunto, pensamentos valiosos. Parece ser verdade nesse caso, de alguém está tentando impedir a manifestação de autoestima das adolescentes. E são tantas vez impedidas de revelar, expor, evidenciar o mais precioso e cobiçado delas: um corpo jovem e bem delineado; esse cortar de asas, só as faz acreditar não ter valor aos olhos dos outros. Sentem-se tão sem identidade, por isso tentam através das vestimentas “míni” uma busca de reconhecimento. As escolas deveriam trabalhar mais com o “sim” e menos com o “não”. Dizer sim ao intelectual dessas meninas ao invés de dizer não às suas manifestações do vazio interior. Assim, com tanto "não", elas passam o tempo todo, procurando driblar as circunstâncias, debatendo-se para decidir o que vestir, enquanto deveriam estar decidindo qual atividade escolar fazer primeiro.
          Todo trabalho da escola deveria ser construir ou restaurar o verdadeiro senso de valor e dignidade nos jovens, não estou querendo dizer que é papel da escola incentivar elas andarem peladas, mas dá prioridade ao amor acolhedor, ensinar o caminho da intelectualidade, como usufruir das relações saudáveis, e andar sabiamente. Quem sabe assim, elas cheguem a conclusão sobre expor mais roupagem e menos corpo nu? Sem pressão! "EDUCAR NÃO É CORTAR AS ASAS, E SIM ORIENTAR O VOO.!!!" – Madre Maria Eugênia
          A escola é a comunhão da cultura de todos os lares ali representados, e ela existe com a finalidade de preparar academicamente o indivíduo e devolver um técnico à sociedade. Formar cidadão para vida é discurso irresponsável de quem não consegue fazer nem uma coisa e nem a outra, educar para a vida é responsabilidade da família, com seus princípios culturais. Talvez a escola pública é o que é, por está sobrecarregada com a dupla função, tomou as responsabilidades da família e não faz bem nem uma coisa nem a outra. Mas, ela deveria, pelo menos, restaurar a autoestima dos jovens que ela mesma destruiu, pois não sabem ler nem escrever, não passam em concursos concorridos, desempregados e com outras deficiências acadêmicas, procuram nas bijuterias e na nudez a admiração social. A Prova Brasil e a Saeb pegaram as escolas públicas goianas de “calça curta”, ou melhor, de minissaia, porque o foco educacional tem sido outro: nas escolar, preocupam-se em proibir o uso do boné, saia curta, camiseta de time, óculos escuros, aparelho celular. Aliás, uma escola que proíbe o uso do aparelho celular em sala de aula não tem futuro, pois "Escola de ensino fundamental na China. O uso de notebooks já é realidade em sala de aula desde a mais tenra infância" (http://www.universitario.com.br/noticias/n.php?i=7429) (10/04/2016). Conheço duas professoras que usam didaticamente o aparelho celular, uma de matemática incentiva o manuseio da calculadora do aparelho, a outra de sociologia criou a “colinha educativa”, permitindo que os alunos escrevam no celular. Uma escola criativa diz menos “não”.  “E o celular é isso, é uma forma de transmitir conhecimento.   Claro   que algumas escolas proíbem-no porque não sabem o que fazer com o aparelho.” – Nathalia Goulart ( http://preparandoredacao.blogspot.com/ ) - acessado em 15/04/2016.
          Adotar e fornecer um uniforme constitui-se um filtro sutil, resolvendo, pelo menos, que os ranços domésticos, nesse assunto de vestimentas, interfiram na escola. Termino com as palavras da psicóloga Élide Camargo Signorelli: “uma verdadeira preparação para a vida reservaria lugar para certo despreparo no sentido de se estar aberto para o desconhecido e para os mistérios”. Computadores serão professores no futuro. Mas, também, concordo com Dom Hélder Câmara: "A maneira de ajudar os outros é provar-lhes que eles são capazes de pensar."

Claudeko
Publicado no Recanto das Letras em 16/06/2009
Código do texto: T1652194

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários




almaquio disse..

.
Olá professor Claudeci, esta semana "a escola" ganhou espaço na mídia, mas, como quase sempre acontece, os motivos não são para serem comemorados. Infelizmente, escola virou caso de polícia e o acordo "nota azul" entre Secretaria de Educação e Secretaria de Segurança Pública, recentemente assinado, já carrega uma mancha. Acredito no acordo,na sua necessidade e que o incidente na Escola Alberto Sabin seja um caso isolado, afinal o ambiente escolar tem se tornado em um favorável reduto de marginais. Concordo com seu ponto de vista sobre os "nãos", o problema é que os professores perderam a autoridade que lhes fora tirada e que se tenta resgatar com os "nãos" quase sempre ridículos e infrutíferos. Espero que o problema da educação no Brasil já tenha atingido o fundo do poço, pois caso contrário, ai de nós. A terceirização da educação (preparação para a vida) que você falou em seu texto, feita pelas famílias que renunciaram suas responsabilidades, realmente representa o grande câncer da educação brasileira. Problema está agravado pela desvalorização do professor que é mal remunerado e, vexatoriamente, desrespeitado pelos alunos, pelos pais dos alunos e pelas autoridades. Abraços do amigo Almáquio.
http://3.bp.blogspot.com/_A6Ak5rqEUdo/SXpivud4CMI/AAAAAAAAAkI/bCU5Svj_IVI/S45/1.jpg
Silvana Marmo disse...

Parabéns professor pelo seu blog e escolhas das postagens, esta particularmente me chamou a atenção.

Todos acham que as escolas não devem ter regras, mas a nossa sociedade é feita de regras, por que na escola elas não podem valer?

Bom Domingo!

terça-feira, 24 de agosto de 2010

CARÁTER CORROSIVO (Cuidado com o vício do não querer saber para não ter responsabilidade!)

Crônica

CARÁTER CORROSIVO (Cuidado com o vício do não querer saber para não ter responsabilidade!)

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Por Claudeci Ferreira de Andrade
             Já é uma situação maçante, todas as tentativas de aconselhamento aos meus alunos coletivamente, desestimulando-os do comportamento contraproducente educacional, eles me tratam com desdém, zombam das máximas da filosofia dos grandes mestres que costumo citar e me desanimam dizendo ironicamente: – “Momento do Claudeko”, “Cala a boca Claudeko”, esta última, parafraseando o “Cala boca Galvão”, foram criativos, referindo-se ao locutor esportivo da Rede Globo. Denominei essa perturbação mental de: O vício do não querer saber para não ter responsabilidade.
         Por força da justiça, ninguém pode exigir de uma pessoa mais do que lhe foi ensinado. De quem muito foi ensinado se cobrará muito, para ser justo. O conhecimento toma posse do indivíduo, daí em diante, ele determina o seu modo de viver: sábio ou tolo. A vida tem muito a dizer sobre responsabilidade, mas ela dosa a efetividade ao cobrar o conhecimento do julgado. A questão central aqui é o bom uso do conhecimento adquirido. O mal não é a responsabilidade em si. Porém, o mau desempenho dela, sim, é prejudicial ao caráter! Quem vai fazer qualquer coisa, faça-o bem na medida de todo conhecimento disponibilizado. Nesse ponto, não há diferença entre o receptor de muito conhecimento e o receptor de pouco. Seja perfeito em sua esfera!         Há duas possibilidades: ser um aluno sedento do aprender ou não. Quando nós professores precisamos tratar com alunos, preferimos a primeira classe: os que querem. Não somos atraídos por alunos desinteressados do saber, acarretando em o cumprimento minimamente das suas responsabilidades, desperdiçadores de energias úteis demais para outros. Do tipo de Jeca de Monteiro Lobato: "Seu grande cuidado é espremer todas as consequências da lei do menor esforço". São alunos ladrões de nossa paciência, da vocação e até da vontade profissional, ainda que tenhamos direito do respeito e atenção no papel de professor.         Por outro lado, procuram chamar a atenção dos colegas promissores que têm objetivos nobres com sua indiferença. Todavia os carentes de atenção se preocupam em desviar os olhares para si mesmos, só com a desvirtude de atrapalhar o bom andamento da aula, com direito a admiradores,  isso torna se um vício. O perigo está, pois, na perversão de um desejo normal de obter prestígio.         Infelizmente não tenho como embasar meu argumento com um caso especial, pois são tantos que na minha mente estão generalizados. Talvez, minhas aulas não sejam tão estimuladoras, é verdade, mas uma coisa puxa outra. O desânimo deles dilui o meu. E ainda jogam a culpa em mim, estando eu profissionalmente no exercício do meu dever, tendo que suportar também colegas carentes de poder!         O incidente é pleno de adversidades. Desperdiçam o tempo por fugir das responsabilidades. Traem seu senso do direito por faltar com suas obrigações. Ou como disse o John Lennon: "A ignorância é uma espécie de bênção. Se você não sabe, não existe dor."
Claudeko
Publicado no Recanto das Letras em 24/08/2010
Código do texto: T2456286

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

ComentáriosComentar


28/08/2010 22:08 - Miralva Viana
Olá!Claudeko, Essa "sorte" não é só sua, centenas de educadores passam por isso. Não desanime. Procure conversar fora da sala de aula com eles para saber dos seus anseios e sonhos, depois, ajude-os. Gostei do texto, poeta. Abraços!


24/08/2010 10:45 - Erty
muito bom,abraço.

sábado, 14 de agosto de 2010

AULA PREFERIDA ("AI DA ESCOLA SE NÃO FOSSE A BOLA")









Crônica

AULA PREFERIDA ("AI DA ESCOLA SE NÃO FOSSE A BOLA")

sábado, 14 de agosto de 2010
Claudeci Ferreira de Andrade

         Sexta-feira, 13 de agosto de 2010, que vexame! Para não passar em branco o lado tétrico da data, alguém mentiu a eles, para o penúltimo horário daquela sala, 8º ano “A”, dizendo que seria a aula de Educação Física, porém foi aula de História e deviam se comportar, pois no último, eles teriam sim, a tão desejada aula. E foram empurrando! Ora, e seria a minha aula no último horário daquele dia, pois estava na planilha: Língua Portuguesa. Então, fui para o quinto horário, quais não foram os muitos transtornos naquela aula maldita. Foram 45 minutos de gritaria e blábláblá, os alunos tentando me explicar que tinham direito da recreação naquele horário. O absurdo chegou à secretaria da escola, foram até às autoridades maiores pedir explicações!
          Lembrei-me de quando estudara, não tivéramos tanta “tara” pelas aulas de Educação Física, foram aulas normais como as outras. Às vezes, saíramos para o pátio, sim, com a bola, sobretudo nem chegara a desenvolver um vício, os jogos ali praticados foram exemplificando as muitas teorias ensinadas na sala de aula. Lamento pelos fanáticos de hoje, mas, compreendam-me, eu nunca tivera inspiração na performance de meus professores de Educação Física, todos estiveram acima do peso.
          Mas, o perigo surge quando os alunos absorvem o espírito lúdico do lazer sem razão; quando passam a preferir mais as brincadeiras de bola às aulas de matérias que são exigidas nos vestibulares. Ainda este ano, no colégio, os alunos fizeram uma rebelião no pátio, prejudicando cruelmente um dia letivo, porque foram adiados os jogos interclasses, por uma estratégia pedagógica.
          No entanto, eu compreendo, a educação está vivendo um tempo de inversão de valores, muitos deixam de entender o que esta filosofia secular nos está fazendo. Esta é uma sociedade vulgar, em que as pessoas cada vez mais se apegam às futilidades, então só resta, também, a escola oferecê-las. "
Saiba disto: nos últimos dias sobrevirão tempos terríveis. Os homens serão egoístas, avarentos, presunçosos, arrogantes, blasfemos, desobedientes aos pais, ingratos, ímpios, sem amor pela família, irreconciliáveis, caluniadores, sem domínio próprio, cruéis, inimigos do bem, traidores, precipitados, soberbos, mais amantes dos prazeres do que amigos de Deus, tendo aparência de piedade, mas negando o seu poder. Afaste-se também destes. São estes os que se introduzem pelas casas e conquistam mulherzinhas sobrecarregadas de pecados, as quais se deixam levar por toda espécie de desejos. Elas estão sempre aprendendo, mas não conseguem nunca de chegar ao conhecimento da verdade. Como Janes e Jambres se opuseram a Moisés, esses também resistem à verdade. A mente deles é depravada; são reprovados na fé. Não irão longe, porém; como no caso daqueles, a sua insensatez se tornará evidente a todos." (2 Tm 3:1-9). Quando as pessoas estão dispostas a sacrificar, inclusive a integridade, para gozar tudo que entendem precisar, então a vida perde o significado: esta que é de muitas lutas. Agora me valendo a experiência do professor João José da Silva que uma vez me disse: “Não é de ver que o professor de Educação Física me disse que é um absurdo um professor trabalhar nos dias que a Seleção entra em campo! Segundo ele, é uma questão de educação!! Só não sei se seria bom para a educação de nossas crianças deixarem de estudar para ver futebol, não é mesmo?!” 
         Por aqui, alunos infrequentes são assíduos na semana do torneio interclasse! Será que foram convidados porque jogam bem? Que alguém me explique: alunos que não gostam de estudar, não veem significado na escola, porém gostam das aulas de Educação Física!
          Encaminhamento de percepção
1 – Qual é a proposta da Disciplina de Educação Física à escola e como é cobrada no ENEM?
2 – Qual a importância dos jogos com bola à interdisciplinariedade na formação do aluno como um todo?
3- Quais as consequências quando deixamos (professores e alunos) de cumprir nossas responsabilidades com as aulas de qualquer matéria?
4- Enumere duas matérias que você não está se dedicando devidamente. Explique o porquê?
5- Fazer uma ilustração ao texto.
Claudeko
Publicado no Recanto das Letras em 14/08/2010
Código do texto: T2437565


Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários



quarta-feira, 4 de agosto de 2010

EGOÍSMO, A ESSÊNCIA SALVADORA DA INDIVIDUALIDADE



Crônica

EGOÍSMO, A ESSÊNCIA SALVADORA DA INDIVIDUALIDADE

domingo, 28 de fevereiro de 2010
Por Claudeci Ferreira de Andrade

       Deus existe para Si em Sua plenitude, porque não tem outro Deus com quem partilhar. E em Sua onipresença e expansibilidade não há espaço fora de Si para olhar, senão dentro de Si mesmo. Assim sendo, o egoísmo é tudo de bom restante de Deus no homem. Valorização totalitária da exclusividade. Mas, há mal em o homem se perguntar: quem sou eu? Não significa estamos fora de um plano existencial! Ou temos medo de nos percebermos deuses e não precisarmos de Deus? Ou ainda de não dar conta da consciência de nossa própria identidade! E mais, O que acontecerá ao homem ao almejar posições elevadas entre os outros (status) e alimentar desejos de reconhecimento, e até exagerar em expor sua própria importância?
       O que é autoestima, senão a exaltação exagerada do ego! Entre meus alunos, estamos sempre premiando os melhores; nas empresas, o melhor funcionário; no esporte, o campeão! Enfim, tudo isso inspira a sã inveja: querer ser melhor sobre o outro.  Assim a religião é senão uma forma de buscar exaltação e glória pessoal! Em suma, o culto ao próprio eu!
       O destino está sempre nos oferecendo oportunidade a fim de massagearmos nosso eu, toda aventura da vida é um contínuo desafio sobre alimentarmos o eu e virarmos para dentro de nós mesmos. Já faz muito tempo que pratico essa "masturbação"! Depois de ler na Bíblia sobre não ser bom o homem estar só, estou mais procurando agradar os outros, mesmo sendo por motivo egoísta: minha felicidade!
       Taxaram-me de egoísta por não querer ter filhos. Também me criticaram por eu tentar descobrir sabre o dia em que vou morrer para usufruir do meu patrimônio e não deixar aos parentes! Afinal, esses críticos idiotas entendem de egoísmo? Nada! Senão, deixar liberar inconscientemente seu avolumado egoísmo, tentando se mostrar melhores seres humanos.
       A humildade é a mais requintada manifestação de egoísmo, o padecente tenta vencer pelo caminho mais difícil, Já pensaram se todos fossem humildes! Que seria da boa medida do egoísmo ou não seria egoísmo demais ser o único a morrer pelos outros?
       O sentido da vida é o egoísmo! Eu estava a beira do suicídio, contudo desisti de morrer, porque achei um grande amor só para mim e, agora, estou seguro. Não vejo longe, mas agora cada dia de minha vida me considero um único milagre de mim mesmo. 
Claudeko
Publicado no Recanto das Letras em 28/02/2010
Código do texto: T2112003

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários