"A esperança seria a maior das forças humanas, se não existisse o desespero." (Victor Hugo)

"Uma falsificação é impossível quando não se tem o modelo a falsificar." (Helena Blavatski)

Pesquisar neste blog ou na Web

MINHAS PÉROLAS

sábado, 30 de junho de 2012

ABORDAGEM (— "Você já foi preso"?)



Crônica

ABORDAGEM (— "Você já foi preso"?)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

          Sempre me disseram que os atalhos são perigosos, mas fiz pouco caso do precioso conselho, até que fui achado na economia do caminho e envergonhado. Saindo da escola, lá no Conjunto Valéria Perillo, Senador Canedo, depois do trabalho, no final do dia, porém ainda, não tinham acabado as minhas desgraças daquela quinta-feira. Desci a rampa de saída do postinho de saúde (PSF), com a moto, dali do pé da cerca ensombreada de hibisco, onde estacionava sempre, e cruzei a pracinha em frente pela calçada, já demonstrando meu cansaço de sala de aula, encurtando o trajeto para pegar a pista de volta a meu doce lar. Precavi-me, olhei para todos os lados, não tinha ninguém em perigo, então me atrevi, até porque não tinha visto a viatura da policia militar vindo à minha direita. Que surpresa desagradável!!!  Abordaram-me aos gritos de comando e mão na arma, parei meio desatinado pela falta de experiência nessas situações; pediram-me meus documentos, estavam todos em ordem, como sempre os mantenho. Anotaram em um bloco oficial muitas coisas, inclusive meu endereço, a que menos me constrangeu, foi a pergunta: — "você já foi preso"? Porque, um fio de felicidade acendeu-se no meu coração, por poder contradizer-lhes respondendo destemidamente, com a força da verdade: — Ainda não, graças a Deus! 
           Bem, mas, depois de ter prometido piamente que aquilo não iria mais acontecer, eles, vendo minha intranquilidade ingênua, liberaram-me, dizendo para eu esquecer aquilo tudo.
          Os que aplicam as leis devem ser iluminados por Deus para terem polidez, destreza, talento e jeito para, no final, darem ao punido a mesma sensação de justiça que Lúcifer terá no final de seu julgamento Divino, motivando-lhe a expressão: — "Minha condenação é um ato de amor"! E aqui, foi mais ou menos o caso! Ou, pelo menos, tenhamos na consciência este pensamento de Friedrich Nietzsche: "O castigo foi feito para melhorar aquele que o aplica."
            Porém, como posso esquecer este terrível trauma moral? Embora merecido, diga-se de passagem! No outro dia, após o ocorrido, Sexta-feira de desforra, agora foi a vez dos alunos enquadrarem-me, quando pisei na entrada do portão, um, o Gabrielzinho, veio logo correndo em minha direção a peguntar, com aquele sorriso debochado: — "É bom ser pego pela polícia, fessor"?  Outros mais,  embora discretamente, abordaram-me com cuidado, contudo sem conseguir esconder a caçoada implícita: — "Os policiais queriam dinheiro, profe"? — "O senhor está importante, né prossô, dando autógrafo para a polícia"!
         Transgressões leves com penalidades máximas, isso fere mais do que cura. Aprendi essa lição, e meus alunos serão duplamente beneficiados...
Claudeko
Enviado por Claudeko em 04/03/2012
Reeditado em 26/06/2012
Código do texto: T3534178



Comentários



Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

sábado, 23 de junho de 2012

PEDAGOGIA POR TERRA ("Não existe pedagogia quando o outro está disposto a não aprender a aprender" — Bruno Marinelli)



Crônica

PEDAGOGIA POR TERRA ("Não existe pedagogia quando o outro está disposto a não aprender a aprender" — Bruno Marinelli)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

          No calor das reivindicações dos professores do estado de Goiás pelo plano de carreira, fui coagido a refletir no valor do profissional da educação, mais especificamente sobre o pedagogo. Então, perguntei-me por que uma ferrugem corrosiva destrói tanto esse título e trava essa função?
           Um formado em pedagogia do Movimento dos sem-terra, no programa deles,  respondeu-me: “Seria interessante que os cursos superiores dedicados à formação dos assentados não se limitassem à qualificação de educadores e sim fossem estendidos às diferentes áreas do conhecimento humano e necessidades dos assentamentos. Pensamos que são necessários cursos também na área de agricultura, de saúde, de economia, de direito...” (Aluno da Primeira Turma), (http://jeferson.silva.nom.br/js/pedagogia-da-terra-um-estudo-sobre-a-formacao-superior-de-professores-do-mst/amp/) — acessado em 24/09/2017.
          Agora a UFG, também, adotou a "Pedagogia da terra"! Ter um diploma de pedagogia da UFG era um privilégio sem medidas. Só os campeões de uma concorrência exacerbada gozavam dele. Hoje, não, com o advento dos Cursos a distância, cota aos negros, para alunos do colégio público e dos analfabetos funcionais, ENEMs da vida e o descaso do governo desvirtuaram as licenciaturas de lá, todos os sem-terra, sem-teto e sem-...(qualquer coisa) vão ter curso superior em pedagogia facilitada; credenciados a concorrer nos concursos públicos da educação, então teremos uma avalanche de pedagogo na escola pública, logo teremos mais coordenadores que professores. É algo parecido com um desequilíbrio na cadeia alimentar, se matássemos todos as cobras superpovoariam os ratos! Sem esquecermos da "pedagogia parcelada" da UEG e seus efeitos catastróficos à autoestima de muitos que estão fora de sua função. Tudo isso causará uma inchação sem remédio!!
          Ironizando ou não, um amigo professor, um excelente professor de geografia, diga se de passagem, com boa formação, ainda no estágio probatório pela educação estadual, disse-me: —"Claudeko, já pensei até em fazer um curso de pedreiro... De tanto que estou insatisfeito nessa profissão. No último sábado, o rapaz colocou 22 metros de cerâmica na minha casa e levou R$ 212,00...Enquanto que no colégio, num dia inteiro de serviço, jamais me rende 70% desse valor.Tem base?"
          Eu diria que de jeito nenhum tem base, todavia não me assusta, apenas me indigna, pois sempre tivemos alunos bem mais remunerados do que nós! Mas, preocupa-me a questão: Com que status podemos ser os professores deles!? Além dessa humilhação e do desrespeito social à função, acaçapam-nos ainda mais em um lugar de segregação e também derrubam nossa autoestima, apesar de portarmos um diploma de licenciatura da UFG. Quando aumenta a oferta da mão de obra, o trabalho barateia.          
Claudeko
Enviado por Claudeko em 25/02/2012
Reeditado em 23/06/2012
Código do texto: T3518769


Comentários



Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

sábado, 16 de junho de 2012

SISTEMA SOFISTA ( "O sofismo é a arte dos hipócritas." — Ale Ruffini)



Crônica

SISTEMA SOFISTA ( "O sofismo é a arte dos hipócritas." — Ale Ruffini)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

           Este sistema educacional público predispõe o aluno a sentir raiva do professor e tê-lo como adversário. Como? Desde a disposição das cardeiras em sala de aula superlotada e reverbero do quadro, por má iluminação, até critérios de avaliação mascarados de justiça, no caso, dar-se pontinho para tudo: subornos mil. O aluno esvaziado do conhecimento útil, incompetente funcional, não respeita o professor porque o toma por metonímia como parte do sistema. Já na rua, alunos e ex-alunos nos cumprimentam como se eles não tivessem problema nenhum conosco na sala de aula: "bons amigos"
          Então, onde tem prova, tem fraude e, se tem fraude, tem desconfiança, o aluno se fecha, sem oferecer abertura alguma aos encantos de uma relação socialmente saudável. A partir disso, qualquer método aplicado pelo mestre, embora ditado por quem está longe das salas de aula (pedagogos burocratas), não acha guarida. Pois, como se dar a construção de conhecimento com um muro de proteção psicológica interrompendo a via de transmissão com uma pedagogia de lambança? Ou a barreira seria física também, considerando a carência de professores bonitos? https://super.abril.com.br/comportamento/estudantes-aprendem-melhor-com-professores-bonitos/ (acessado em 18/09/2017).
           Pois, o sistema conserva a "velharada" até adoecer na ativa. Já que ganhamos tão mal, deveriam  nos aposentar mais cedo. Antes de prejudicarmos nossos alunos com nossa feiura e apego ao carrancismo. 
          Do que estamos impregnados, somos motivados a oferecer descaradamente! A boca fala do conteúdo do coração, crendo sempre no preenchimento do outro. Mas, do que mesmo o professor está impregnado? E o aluno? Quais os vazios deles? Então, vivemos um paradoxo, enquanto os professores forçam com um exemplo característico do pós-modernismo: valorizando a idiotice, talvez sendo engraçado quebrando a resistência do aliciando e na esperança de construir algum conhecimento útil. Enganam-se, não são os fins que justificam os meios...
          Todos os dias, lá estão eles, as peças do sistema, no qual não se ajustam, cometendo os mesmos erros de sempre. Se não for assim, a máquina para de funcionar; é melhor rodar, pulando um dente aqui e outro acolá das catracas, do que travar completamente. Tipo assim: o horário de aulas não ficou pronto, quem sabe, talvez em março ficará, por deficiências tantas, todos se beneficiam e têm uma boa desculpa, trabalha-se como der. Minha amiga, poeta Silva Regina costa Lima já dizia: "Parece-me que tudo cheira morfo na pedagogia escolar... O professor entrega os pontos e passa a fazer parte de uma roda que não gira mais..." O professor falta ao trabalho, e até mesmo sujeitando-se a perder sua bonificação, a fim de sofrer menos. O aluno, por sua vez, não leva os livros que ganhou para sala de aula, e a desculpa é a mesma. Dessa forma, a desordem prossegue sem o endereço do culpado: o Sistema Sofista.
Claudeko
Enviado por Claudeko em 18/02/2012
Reeditado em 16/06/2012
Código do texto: T3506269

Comentários


Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

sábado, 9 de junho de 2012

AVALIAÇÃO DE GREVE (Professor grevista é aquele que não aprende)



Crônica

AVALIAÇÃO DE GREVE (Ninguém deixa de morrer só porque os coveiros fazem greve." — Saint-Clair Mello)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

          Os Professores de vez enquanto se respeitam, por isso estão fragilizados e desunidos, querem ensinar, mas sempre reclamando das crianças que nunca aprendem. Parece-me que a falta de credibilidade chegou lá, no mais alto patamar. O que isso tem a ver? Sim, eles mesmos de jeito nenhum aprenderam a lição, fazem greve todo ano e voltam de mãos vazias. O ponto, dos dias sem trabalho, é cortado e, por cima, terão de repor, nas férias, com várias aulas infrutíferas, assim diga-se de passagem. "Ainda segundo a Procuradoria-Geral do Estado, a reposição de aulas por parte dos professores faltosos ao serviço na semana passada ocorrerá no mês de julho, e não mais aos sábados, conforme orientação expedida pelo Conselho Estadual da Educação e Ministério Público." (Professor em greve pode ter ponto cortado, diz PGE- DM Pág.12 de 12/02/2012). A misericórdia é que ninguém precisa trabalhar nos sábados, dia do Senhor! 
           Professor também é sociedade, tem esse direito como qualquer outra categoria! Até a Polícia faz greve (Bahia, Rio etc) e jamais podia! As esposas faziam por eles, será essa mais uma conquista das mulheres? Epa! Agora me deu um nó no cérebro, e a educação não está cheia de mulheres cultas? 
          A ira de pais e alunos é atiçada contra os mestres "abusados", e não sabem que nem o alunado é prejudicado. Isso é, greve de professor de forma alguma faz sentido, ninguém tem prejuízo, depois repõe. O imbecil sou eu, perseguindo a coerência. Como diz o Oscar Wilde:  "A coerência é a virtude dos imbecis". 
           O governo gosta, em época de greve na escola, diminui a folha de pagamento, economiza também nas contas de água, luz e material de limpeza, mas finge estar demais preocupado com a quantidade de aulas necessárias ao aluno durante o ano letivo. Epa! Sofro outro nó no cérebro, se o ensino público é desqualificado, onde o governo está pecando? Eita, vida ambígua! Ou será se greve na educação tornou-se "vale-férias"? Socorra-me CLT!!! Fechamos com as palavras de José Saramago: "Aprendi a não tentar convencer ninguém. O trabalho de convencer é uma falta de respeito, é uma tentativa de colonização do outro."
Claudeko
Enviado por Claudeko em 12/02/2012
Reeditado em 06/06/2012
Código do texto: T3494454

Comentários
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

sábado, 2 de junho de 2012

O CARNAVAL DOS PROMOVIDOS ("Quanto maior o poder, mais perigoso é o abuso" — Edmund Burke)



Crônica

O CARNAVAL DOS PROMOVIDOS ("Quanto maior o poder, mais perigoso é o abuso" — Edmund Burke)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

          Não sei se é mais ridículo nesse "carnaval": um lobo vestido de ovelha ou uma ovelha vestida de lobo! Só sei que é muito difícil lidar com os intrujados por uma qualquer das fantasias apregoadoras da moralidade e ainda se divertir com isso tudo. Eles brigam entre si, defendendo seus territórios e ainda adorando seus ídolos travestidos de extravagância, e eu morro de medo por ser apenas a grama ou a carniça presa em seus dentes. E de nenhuma forma poderei ser melhor, até porque meus colegas dizem nos corredores que sou o pior professor da instituição. Se nem sou reconhecido por meu chefe ou o chefe do meu chefe, o que realmente vai fazer a diferença? Fá-lo na hora do lanche ou na reunião do instante do recreio: fico calado escondendo-me atrás do Smartphone para me sair melhor. Lembrei-me dos urubus vestidos de luto que também se alimentam de carniça! Ah, mais nunca vi urubu travestido de ovelha ou de lobo. São urubus como tais. Pelo menos não são como os intrujados! Se de forma nenhuma me devoraram ainda é porque tenho veneno nas veias ou no meu derredor há muitos perigos. 
          Fora cogitado a ser coordenador há muitos anos atrás e sofro até hoje com isso! Queriam me uniformizar com uma capa de lobo ou uma de ovelha e me ensinariam uivar como tal ou balir simplesmente! Contudo jamais quero ser a ovelha doente do final de rebanho que as feras preferem, tampouco quero ser o antropofágico com indigestão por ser forçado circunstancialmente a comer papelão. Deus me livre desses pecados! Tenho minha natureza bem delfinada, e nunca quero sofrer as consequências da falsidade ideológica dos fingidos num ambiente de educação no qual se ensina com exemplos.
          Alguém tem de descarregar nos outros sua vingança, por as injustiças sofridas, então o faça a si mesmo. Pois, esse alguém sofredor, aprendeu bem, com suas feridas, como martirizar, do lado que mais dói, seus subalternos de então, aproveitando a inversão de papéis. Por aqui, na ciranda das pastas, a eficiência transborda! Acho que vou precisar de anticorpos para me proteger, o medo é meu amigo.
Claudeko
Enviado por Claudeko em 10/02/2012
Reeditado em 01/06/2012
Código do texto: T3491663

Comentários


Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.