"O sábio procura a ausência de dor e não o prazer." (Aristóteles)

"O maior prazer que alguém pode sentir é o de causar prazer aos seus amigos." (Voltaire)

Pesquisar neste blog ou na Web

MINHAS PÉROLAS

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

ESPINHOS NA PELE (Entre o berço e caixão, este recorte prepara-te para o quê?)


Crônica

ESPINHOS NA PELE (Entre o berço e caixão, este recorte prepara-te para o quê?)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

         Professor, nunca ouses deslizar mesmo quando pensas, estás falando só às paredes, pois inclusive, elas têm ouvidos! Há na minoria o teu observador, sempre o orgulhoso, arrogante, prepotente e despótico, querendo te provar que és indigno do posto!  Ele é um inútil e luta a fim de te reduzir à medida dele. Jamais significa o fim quando erras, só porque o livro do professor já vem respondido e não tiveste tempo em conferir as respostas do mesmo. Os erros ensinam mais aos errantes, aliás os erros são fatais só para quem se nega aprender com eles. Veneno ou remédio, depende da dose e da frequência! Eles te induzem a acerta na próxima vez!
          Atrasam-te as experiências da vida se cada momento vindouro é inédito? Pelo contrário, entre o berço e caixão, este recorte no tempo, é teu espaço de exploração. Prepara-te, todo instante, objetivando o novo, sê criativo. Se "Tudo que se vê não é Igual ao que a gente viu há um segundo" (Lulu Santos). Tu tampouco és uma pessoa perfeita, só por que tuas experiências sempre estarão com a data de validade vencida? Iludes-te! Depois da morte, olhando daqui, tudo é mais volátil ainda, ou melhor, é desconhecido, intato. Agora só fazes o dever. Nunca temas, pois qualquer fórmula aplicada, para te resguardar do fim, é estacionamento, é regressão, fazendo frente ao pouco da vida estante! O certo é seguires o caminho novo à luz do momento ("quem não arrisca não petisca"). O combustível da vida está nos erros. Quando tu erras é porque acertaste muito: felicidade igual por etapas vencidas. O especialista é aquele que já errou em todos os pontos perante sua carreira.
           Vejas, os mandacarus, os quais plantei, ao longo do caminho, têm flores, porque se tornaram parte da natureza! Mas, também, produzem espinhos grossos, fortes e pontiagudos, muito mais ainda, é bem verdade, ferirão outros, pois me furaram primeiro. Foram preparados e ganharam resistência, todavia de jeito nenhum estarei mais ali, quiçá estivesse, para eu te mostrar minha dor educativa. Todavia a dor dos ferimentos dos espinheiros também espinhados, dessa nem tomarei parte mais, jamais desta distância. Outrossim, dói mais agora a dor das furadas dos espinhos plantados pelos outros, tais quais os encontro em meu caminho! Porém, ainda assim, é bom por não ter o sabor de suicídio, pelo contrário, estimulam-me o caminhar fazendo curvas, desviando-me de quase todos, eles são muitos. Assim como caminhar é viver, prossigo, a dor impulsiona o movimento, é o importante.
Claudeko
Publicado no Recanto das Letras em 27/09/2010
Código do texto: T2523534

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Comentários


sábado, 25 de setembro de 2010

PROFESSOR IMATURO ("...a única solução apaziguadora será o suicídio")








CRÔNICA

PROFESSOR IMATURO ("...a única solução apaziguadora será o suicídio") 

Por Claudeci Ferreira de Andrade

           Não tem um dia sequer, no qual eu não chegue à minha casa com as pernas inchadas e a cabeça também, digo melhor, todo fim de tarde, sinto a alma perturbada, um peso na consciência, uma sensação de transgressor. É algo tão estranho, pois não sei dizer exatamente o que sinto. Apenas sei que sou um professor imaturo, ainda sofro demais com os desrespeitos e o mau andamento do combinado da escola. Quem me dera não precisasse mais me defender e justificar minhas obrigações trabalhistas a fim de conquistar aceitação e o reconhecimento, bastasse o que aprendi e o que sei fazer. Quando meus lábios não mais abrirem nem para queixar-me e nem ao importunar os colegas, então eu dormirei em paz! Porém, não sei como fazer isso!
           Todavia, que profissão "desgraçada" é essa, da qual se espera, no ato de ensinar, manifestações de amor, mas se recebe escárnio, como prova de que em uma aula, as relações são enfrentamentos e embates desgastantes? Nesse ambiente, quando não é com um, é com outro (Professor/alunos, Professor/Professores, Professor/coordenadores, Professor/diretores, Professor/pais, Professor/zeladores, Professor/merendeiras, professor/pombos e pardais)! Nunca estamos mais inseguros e emocionalmente conturbado do que nesses momentos de exposição nas relações complicadamente inevitáveis. São as futilidades, da mesma forma irritantes: A coordenadora me tira da classe, em plena aula, à imposições, para exigir a formatação das questões que lhe enviei para o simulado, quando ela mesma devia formatá-las padronizando o instrumento. "'(...) Sofria com frequência assédio moral por parte da diretora da escola em que trabalhava, relata Gilzete, irmã de Jucélia (professora suicida), que classifica ainda a diretora da instituição de ensino como ‘desumana’". http://www.pragmatismopolitico.com.br/2016/07/professora-comete-suicidio-sergipe.html
           A ponto de suicídio, uns desistem de viver mais cedo, O Professor L.V.C disse: "Se o meu destino é sofrer, dando aulas a alunos que não me respeitam e me põem fora de mim, não tendo outras fontes de rendimentos, a única solução apaziguadora será o suicídio". E eu acrescentaria: matam-nos com desespero ou com a lambança da burocracia. (http://www.jn.pt/nacional/interior/aberto-inquerito-ao-caso-do-suicidio-do-professor-vitima-de-bullying-1517374.html)- acessado em 20/05/2016. 
           Muitos outros como: Jailton Joaquim Graciliano (Maceió-AL), Paulo Henrique Lesbão (Senador Canedo-GO), Jucélia Almeida, 45 anos (Aracaju-SE) saíram sem companhia e já caíram no esquecimento, eram laboriosos inutilmente, fizeram tantas coisa que não serviram para eternizar o prestígio! Entretanto, esse sim, Wellington de Oliveira Menezes (Realengo-RJ), levou mais alguns com ele, era um professor do mal e levou as pessoas erradas, por isso caiu na graça da mídia. O incrível é saber do alto índice de suicídios entre os que dependem da escola para viver, mas a divulgação é baixa! 
           Eu, cada dia, mato um pouco de mim mesmo, sendo obrigado a calar minha voz interior, ou melhor, estou tentando, com subterfúgio, livrar-me das perturbações interiores, porém não posso assim tão facilmente, então o lixo explode desenvolvendo uma consciência depravada, fraca, viciada que, pelo menos, faça-me feliz no torpor da vida. Quero me aquietar diante dos homens e de Deus. Ou perder o respeito de mim mesmo em troca de influência aceitável, só para continuar vivendo. Ou ainda, deixar de me preocupar com o meu próprio zelo e deixa que falem, mas falem. Pena que nesse suicídio a prestações, mareio meu brio.
           Por isso digo, depois de vinte longos anos de magistério ainda sou imaturo, pois estou preocupado em consertar os outros, desmantelando a mim. Hoje aprendi que não podemos esperar um contínuo amor e favor dos outros mediante um padrão imposto por nós mesmos: regra sobre regar. Eles também buscam seus interesses e não devem se importar com meus problemas.  
           Se me fosse perguntado, hoje, quem eu considero um professor maduro, mais forte, mais bem-sucedido, mais impressivo, certamente eu selecionaria alguém oposto de mim, e diria ser o mais grosseiro, o mais agressivo, o mais dominador: o "carrasco". Então já não me importa a minha frouxidão. Para meu conforto, leio na história que homens de extraordinário amor e fé, não precisaram ter medo de serem ignorados ou esquecidos. Homens de genuína bondade serão procurados por toda parte. Os bons samaritanos são bem conhecidos em todos os lugares. Ou o mal continuará vencendo o bem? Basta ser bom, embora pareça fraco!


Claudeko


Publicado no Recanto das Letras em 25/09/2010
Código do texto: T2519420

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Comentários


sábado, 18 de setembro de 2010

SOU FEIO, MAS NÃO COMO VOCÊ ( “Para nós, feios, tudo é duas vezes mais difícil. E ainda ganhamos a metade do que ganham os bonitos”, diz Gonzalo Otálora.)

CRÔNICA

SOU FEIO, MAS NÃO COMO VOCÊ ( “Para nós, feios, tudo é duas vezes mais difícil. E ainda ganhamos a metade do que ganham os bonitos”, diz Gonzalo Otálora.)

sábado, 18 de setembro de 2010
Por Claudeci Ferreira de Andrade
                 Eu gostava muito daquela camisa verde-escura, cor de folha madura até que um aluno do sexto ano me perguntou: — "Com a mesma roupa de outem, né professor!?" 
           Outro dia, tais foram os comentários naquela sala de professores aborrecidos! Diziam que os alunos querem professores bonitos, referindo-se apenas à estética enquadrada nos padrões das mídias. Tentei desviar o foco da conversa para higiene corporal e vestimentas, mas não saía da minha mente a solicitação irritante daqueles solicitadores de mais aulas de espanhol, pelos traços "abençoados" da professora. Aquele debate foi muito motivador, tanto, a ponto de, no outro dia, fazer-se visível a mudança visual de alguns “encarapuçados”, eles vieram, além de vestidos da melhor roupa, até bem perfumados graças aos representantes da Avon, constantemente vendendo perfume fiado por ali.  E venderam bem!
           São os professores belos melhores profissionais? Será a falta da beleza uma barreira à inteligência? Se tivéssemos de julgar os professores pela sua aparência física, como se julga modelos fotográficos, poucos alunos prosperariam para o futuro magistério. De certa forma, eles têm razão no exigir professores mais bonitos! Eles já não sabem mais o que cobrar, é lhes dado de tudo e, se assim continuar, num futuro não muito distante será um requisito eliminatório nos concursos da educação: a boa aparência física do candidato (como se isso já não influenciasse). Eles devem estar se perguntando: — Se estudar valesse para atenuar a desarmonia estética, por que os professores não são mais bonitos? – talvez seja esse o motivo dos alunos não se dedicarem aos estudos! A beleza de quem ensina não é inspiradora!  O sistema é feio e burocrático, aberto a abusos e aberrações está cheio de professores velhos e feios, esses sempre foram uma classe desprezada e odiada. Apenas um ou outro se destaca na admiração social por ter um intelecto muito avantajado. A falta da beleza sempre foi inimiga da ignorância. Todavia, a escola do futuro vai contratar só professor bonito! Porque é difícil demais cobrir a "deficiência" bancando o palhaço, além do mais, não funciona bem, querer ser simpático elogiando todo mundo, pois logo será acusado de assediador de "de menor"! E o feiura não tem lugar em meio de "intelectuais belos". E a beleza faz feia a bela gente! (http://super.abril.com.br/comportamento/estudantes-aprendem-melhor-com-professores-bonitos)- acessado em 02/09/2016.
            Nossos lideres procuram nos confortar com o perigo fatal da fermentação da autoestima, com leituras de autoajuda e capacitações; quando já estamos bem alto, acreditando no nosso potencial de empatia, a queda é repentina! Há sempre alguém bem disposto para “puxar nosso tapete”! E, então, continuamos perguntando como o eu lírico do poema, Retrato, de Cecília Meireles: — Em que espelho ficou perdida a minha face?
            Vejam o ponto a que cheguei, agora me ponho a falar-lhes no fato de nos regermos pelas aparências, ao invés da devida confiança na sabedoria. Qualquer pessoa bem esclarecida, de certa forma, se conhece bem, e desfruta de todas as coisas boas existentes nela, como dons de Deus. A escola precisa de professores confiante, mas confiantes no sentido de que a beleza é relativa, e se concebem escolhidos e especiais por outros dotes necessários. Todos nós precisamos de certa medida de respeito próprio profissional, então sejamos consistentes com a função ocupada, é o importante. Ninguém é totalmente desprezível!
Claudeko
Publicado no Recanto das Letras em 18/09/2010
Código do texto: T2505675

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Comentários



domingo, 12 de setembro de 2010

O Sangue de Jesus Tem Poder ( Só o miserável suporta a sua miséria)







CRÔNICA

O Sangue de Jesus Tem Poder ( Só o miserável suporta a sua miséria)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

         Ser cristão hoje é seguir o Cristo criado pelos "crentes", contraditório demais, confuso demais para o ideal: um homem perfeito cumpridor da lei moral e ao mesmo tempo vestiu-se dos pecados dos homens imperfeitos (Péssimo exemplo de disfarce!) de cujo sangue tem poder (Clichê de hipócrita), assim justificam o fanatismo desenfreado de uma maioria que confunde fé com desejo. Pode Deus deixar de ser Deus? (Filipenses 2:7; Hebreus 2:17).   Esse naipe de gente é um perigo do ponto de vista social! Comem a carne de seu Deus e bebem seu sangue. 
         Ainda insistem em dizer que a Bíblia é a palavra de Deus com tantas versões e traduções (Bíblia da Mulher, Bíblia dos gays, Bíblia do pastor, Bíblia da criança, Bíblia de estudo etc.). Os bons linguistas e até qualquer estudioso honesto da língua sabem que não há sinônimos, no sentido de uma palavra tem o mesmo significado da outra, existe sim, apenas aproximação semântica entre elas. Um texto traduzido é outro texto. A palavra de Deus, também, não é a consciência, esta é apenas fruto da cultura. A verdadeira palavra de Deus fala dentro de qualquer um em contemplação à natureza. O livro de Deus é a Natureza. Até analfabetos têm acesso, podendo compreendê-lo e interpretá-lo sem precisar se submeter à classe dominante de intercessores de Deus, cobrando dízimos dobrados por seus serviços.                  
         Um Deus perfeito e eterno, criador de Leis perfeitas e eternas, não pode transgredir suas próprias leis, bem como não permite transgressão alguma sem consequência. Assim também, Ele deixará de ser Deus, levando homens, criados para viver na terra, ao espaço sideral, não tendo neles a condição lógica de sobreviver em outro lugar. Adaptaria-os em um céu, só por caprichos de quem acredita nos méritos de Jesus? Qual é a recompensa dos bons? (Bons por que obedeceram a leis de homens ou do universo?) Pode uma célula do fígado migrar para o coração, fazendo, assim, parte de sua estrutura? Todo organismo obedece a leis naturais invioláveis, senão atrai consequências. Rejeitar um órgão transplantado é papel de um corpo fiel,  e mais,  serve de prova, como ninguém conseguiria evitar todas as consequências danosas se fosse realmente à lua ou qualquer outro lugar fora de nossa atmosfera. Imagine os transtornos advindos se nos aproximarmos mais do sol ou se nos distanciarmos mais dele! Onde estão o céu e o inferno? E se forem apenas espaço físico aqui mesmo na terra? Porém, se forem estados de espírito, então se misturam dentro do homem, aqui e agora! E o futuro fica à frente, e a igreja  só depósito de enganadores de si mesmos.
          Hoje as mulheres enchem as religiões, reagindo contra a intolerância de outrora, quando eram excluídas da comunidade. Por que haveriam de defender ideologias que não exaltam substancialmente seus filhos? Eu recomendo o histórico filme de Alejandro Amenábar com a gloriosa Rachel Weisz: Agora (no Brasil, Alexandria). 
           E confira também em que os cristãos de hoje são tão diferentes dos primeiros: (http://desciclopedia.org/wiki/Deslivros:Como_fundar_uma_Igreja_Evang%C3%A9lica). Acessado em 07/05/2016.
Claudeko
Publicado no Recanto das Letras em 12/09/2010
Código do texto: T2492920

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários


segunda-feira, 6 de setembro de 2010

O TEMPO AMIGO ("As verdades também são mentiras quando o tempo passa. Tudo é mentira quando se olha para trás.")

          

CRÔNICA

O TEMPO AMIGO ("As verdades também são mentiras quando o tempo passa. Tudo é mentira quando se olha para trás.")

segunda-feira, 6 de setembro de 2010
                   Por Claudeci Ferreira de Andrade

           
Roguei ao Deus eterno, o dominador do tempo, que não matasse meus inimigos, uma praga necessária, porém foi rápido demais, nem vi passar o tempo (como se fosse ele a passar), esbarrei na consequência, a minha velhice chegou, então eu tive de assistir a morte deles, de um a um, assim como em qualquer “macumba”, pois parte do mal desejado a eles recaiu sobre mim. Ou como diz o lugar-comum: o feitiço recaiu sobre o feiticeiro. Já ouço seu chamado, meu espelho me anuncia a mudança que não me dei por conta!
         Oh, tempo, meu aliado!  Fez-me velho depois de fazer tombar meus inimigos, e os ainda vivos estão inválidos com os dias contados. Do que me adianta esta paz se já não posso desfrutá-la, apenas posso dormir tranquilo, sono de velho, com sonhos tão vazios!
         Quantos "otários" apertaram minha mão com bastante força para me mostrar seu poder vital, quando na verdade estavam atraindo sobre si a revolta de quem cuida de mim: o tampo! Então, foi certo, que em meio a meu desconforto, pobreza e desprazeres, quando eu os amaldiçoei, veio-me a tortura de vê-lo desconfortáveis, pobres e desprazerosos! Agora, insatisfeito com esta ausência de guerra, parece-me razoável crer, embora tenha tranquilidade do silêncio, que não posso me sentir feliz se não tiver desafiantes. Faltam-me inimigos. Alguém quer ser inimigo de um idoso de olhar triste?!
         Não, não me faltam inimigos, falta-me, na verdade, o vigor da juventude, e reconheço a coerência Divina. Agora eu não poderia administrar os ataques deles com as impossibilidades naturais de um ser calejado. Aí, entra o reconhecimento do amor de Deus e a harmonia da natureza, sempre me abastecendo da capacidade para enfrentar minha própria degeneração: minha inimiga maior. A guerra é outra, é contra o tempo. Em meio às responsabilidades deste mundo, inclino a sentir necessidade não dessa tal paz que agora reina, mas de meu fogo da carne lisinha de outrora, pois o tal não me privava de olhar em direção para o futuro com tantas rugas.
         Como vê, é profundo dentro de mim o senso de não poder ser realmente feliz sem prazer, o prazer de lutar e vencer, mesmo tendo muitas coisas desejadas por muitos: uma aposentadoria à vista e segurança! Aliás, vivo mesmo à mercê do tempo, do qual não há escape. Sei, o tempo resolve, sim, qualquer problema para os acomodados e lhes cobra a alma como pagamento. Dizem alguns que nada melhor que um dia após o outro, e esta voz fica assoprando em minha mente, lembrando-me a aquiescência da morte.
         Se o Senhor está desejoso de satisfazer minha necessidade, então me dê o alimento certo para minha fome! Não é uma carência falsa, sentimento despertado pela solidão na qual estou mergulhado, ou excitação mental do medo, mas um grande desejo: ser presenteado por Deus por algo que equipare-se com o vigor, a saúde e a energia vital. Todavia o tempo não tem volta, assim como meus inimigos se foram, vou eu também e irei como inimigo dos outros!
               "RETRATO
Eu não tinha este rosto de hoje,
assim calmo, assim triste, assim magro,
nem estes olhos tão vazios,
nem o lábio amargo.

Eu não tinha estas mãos sem força,
tão paradas e frias e mortas;
eu não tinha este coração
que nem se mostra.

Eu não dei por esta mudança,
tão simples, tão certa, tão fácil:
- Em que espelho ficou perdida a minha face?"

Cecília Meireles
Claudeko
Publicado no Recanto das Letras em 06/09/2010
Código do texto: T2482142


Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários


domingo, 5 de setembro de 2010

A LEITURA DOS QUE SABEM LER (A Leitura Competente Faz Parte da Luta pela Dignidade Humana)







CRÔNICA

A LEITURA DOS QUE SABEM LER (A Leitura Competente Faz Parte da Luta pela Dignidade Humana)

domingo, 5 de setembro de 2010
Por Claudeci Ferreira de Andrade

         Em minha devoção matinal às letras, li, com afinco, a entrevista da Revista Língua Portuguesa, nº 53, na qual André Garcia, o criador do portal Estante Virtual, quando disse sabiamente:
          — “Qualquer leitura não é leitura” e continuou: (...) “Mas leitura é subjetividade, é ver o que agrada à sensibilidade e se ajusta à sua forma de ser, ao seu momento. A escola nunca me deu esse espaço e duvido que, salvo exceção, garanta isso a muito aluno.” (...) “Não basta democratizar a leitura. É preciso democratizar os autores de qualidade.” (...) “A internet atrapalha, de fato, quando a ênfase da leitura é nos simulacros de interação, como Facebook, MSN, Twitter.” (...) “Damos um sinal errado ao aluno ou filho quando o fazemos ler só para fazer prova”.
          Por isso, digo que a escrupulosa 
Leitura é uma arte perdida. Por exemplo: Eu estava lendo, para a classe, o texto: “Por que Lulu Bergantim não atravessou o Rubicon" de José Cândido; só uns poucos prestavam atenção à minha leitura, ali, eu destacava as expressões: "Curralzinho", "dobrados da banda", "arregaçou as mangas", "comeram biscoitinhos", "caiu de enxada", "o povo de boca aberta", "no pau da enxada", "de brocha na mão", "lambuzada de cal", "o vai ou racha", "trepado no coreto", "curralzinho já gozava", "uma picareta só", "precioso líquido", "correr o pires", etc. Eu estava empolgado em minha sistemática e profunda reflexão, desvendando a “sacanagem” existente no substrato das construções frasais dessa literatura. Queria que eles percebessem, mas um deles, o crente,  interrompeu-me e disse:
          —“Não estou vendo nada disso, sacanagem alguma, é uma história séria”. — Fiquei como quem recebeu um balde d'água fria na cabeça.
          Então lhe perguntei sarcasticamente: — desde quando em um relatório político tem algo “sério”? Agora o chamei para leitura de mundo, quem sabia, talvez, uma leitura pudesse ajudar a outra!
          Existe a inescrupulosa leitura, aquela que se faz objetivando uma prova, essa sim é imoral; porque a verdadeira exploração, do texto, pela leitura é negligenciada; por isso, milita-se no senso comum e o prazer de ler é lamentavelmente atrofiado. E "sem prazer não existe felicidade" (Epicuro). Precisamos de tempos regulares para calma e profunda análise de textos elevados.
           A leitura sistemática deve ser parte de nossas primeiras horas do dia. Podemos levantar 15 minutos mais cedo, e isso poderá fazer toda a diferença em nosso dia. Ler bem não é ler muito, é pensar seriamente a respeito do tema, sobre as relações e inferências do exposto, sobre os compromissos do leitor, verossimilhança do conteúdo. Se me perguntasse em que base creio nas lições ressaltadas no texto que acabara de ler, falava da coerência, da coesão e da polissemia, da empregabilidade dos conteúdos no meu cotidiano.
            É mais fácil está sempre disperso nos movimentos da vida, panorama do mundo, do que concentrado em uma leitura, partindo de um foco específico, isso é interior para o exterior; do micro para o macro e/ou do macro para o micro.
             Concordamos com John Lennon: "
A ignorância é uma espécie de bênção. Se você não sabe, não existe dor." Por outro lado, o saber nos faz desejar a viver. Longe do medo e da ignorância que só nos entorpece.
Claudeko
Publicado no Recanto das Letras em 05/09/2010
Código do texto: T2479626

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários