"Lembrar é fácil para quem tem memória. Esquecer é difícil para quem tem coração." (W. Shakespeare)

"Se me esqueceres, só uma coisa, esquece-me bem devagarinho." (Mario Quintana)

Pesquisar neste blog ou na Web

MINHAS PÉROLAS

sábado, 25 de setembro de 2010

PROFESSOR IMATURO ("...a única solução apaziguadora será o suicídio")








CRÔNICA

PROFESSOR IMATURO ("...a única solução apaziguadora será o suicídio") 

Por Claudeci Ferreira de Andrade

           Não tem um dia sequer, no qual eu não chegue à minha casa com as pernas inchadas e a cabeça também, digo melhor, todo fim de tarde, sinto a alma perturbada, um peso na consciência, uma sensação de transgressor. É algo tão estranho, pois não sei dizer exatamente o que sinto. Apenas sei que sou um professor imaturo, ainda sofro demais com os desrespeitos e o mau andamento do combinado da escola. Quem me dera não precisasse mais me defender e justificar minhas obrigações trabalhistas a fim de conquistar aceitação e o reconhecimento, bastasse o que aprendi e o que sei fazer. Quando meus lábios não mais abrirem nem para queixar-me e nem ao importunar os colegas, então eu dormirei em paz! Porém, não sei como fazer isso!
           Todavia, que profissão "desgraçada" é essa, da qual se espera, no ato de ensinar, manifestações de amor, mas se recebe escárnio, como prova de que em uma aula, as relações são enfrentamentos e embates desgastantes? Nesse ambiente, quando não é com um, é com outro (Professor/alunos, Professor/Professores, Professor/coordenadores, Professor/diretores, Professor/pais, Professor/zeladores, Professor/merendeiras, professor/pombos e pardais)! Nunca estamos mais inseguros e emocionalmente conturbado do que nesses momentos de exposição nas relações complicadamente inevitáveis. São as futilidades, da mesma forma irritantes: A coordenadora me tira da classe, em plena aula, à imposições, para exigir a formatação das questões que lhe enviei para o simulado, quando ela mesma devia formatá-las padronizando o instrumento. "'(...) Sofria com frequência assédio moral por parte da diretora da escola em que trabalhava, relata Gilzete, irmã de Jucélia (professora suicida), que classifica ainda a diretora da instituição de ensino como ‘desumana’". http://www.pragmatismopolitico.com.br/2016/07/professora-comete-suicidio-sergipe.html
           A ponto de suicídio, uns desistem de viver mais cedo, O Professor L.V.C disse: "Se o meu destino é sofrer, dando aulas a alunos que não me respeitam e me põem fora de mim, não tendo outras fontes de rendimentos, a única solução apaziguadora será o suicídio". E eu acrescentaria: matam-nos com desespero ou com a lambança da burocracia. (http://www.jn.pt/nacional/interior/aberto-inquerito-ao-caso-do-suicidio-do-professor-vitima-de-bullying-1517374.html)- acessado em 20/05/2016. 
           Muitos outros como: Jailton Joaquim Graciliano (Maceió-AL), Paulo Henrique Lesbão (Senador Canedo-GO), Jucélia Almeida, 45 anos (Aracaju-SE) saíram sem companhia e já caíram no esquecimento, eram laboriosos inutilmente, fizeram tantas coisa que não serviram para eternizar o prestígio! Entretanto, esse sim, Wellington de Oliveira Menezes (Realengo-RJ), levou mais alguns com ele, era um professor do mal e levou as pessoas erradas, por isso caiu na graça da mídia. O incrível é saber do alto índice de suicídios entre os que dependem da escola para viver, mas a divulgação é baixa! 
           Eu, cada dia, mato um pouco de mim mesmo, sendo obrigado a calar minha voz interior, ou melhor, estou tentando, com subterfúgio, livrar-me das perturbações interiores, porém não posso assim tão facilmente, então o lixo explode desenvolvendo uma consciência depravada, fraca, viciada que, pelo menos, faça-me feliz no torpor da vida. Quero me aquietar diante dos homens e de Deus. Ou perder o respeito de mim mesmo em troca de influência aceitável, só para continuar vivendo. Ou ainda, deixar de me preocupar com o meu próprio zelo e deixa que falem, mas falem. Pena que nesse suicídio a prestações, mareio meu brio.
           Por isso digo, depois de vinte longos anos de magistério ainda sou imaturo, pois estou preocupado em consertar os outros, desmantelando a mim. Hoje aprendi que não podemos esperar um contínuo amor e favor dos outros mediante um padrão imposto por nós mesmos: regra sobre regar. Eles também buscam seus interesses e não devem se importar com meus problemas.  
           Se me fosse perguntado, hoje, quem eu considero um professor maduro, mais forte, mais bem-sucedido, mais impressivo, certamente eu selecionaria alguém oposto de mim, e diria ser o mais grosseiro, o mais agressivo, o mais dominador: o "carrasco". Então já não me importa a minha frouxidão. Para meu conforto, leio na história que homens de extraordinário amor e fé, não precisaram ter medo de serem ignorados ou esquecidos. Homens de genuína bondade serão procurados por toda parte. Os bons samaritanos são bem conhecidos em todos os lugares. Ou o mal continuará vencendo o bem? Basta ser bom, embora pareça fraco!


Claudeko


Publicado no Recanto das Letras em 25/09/2010
Código do texto: T2519420

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Comentários


Postar um comentário