"Torna-te aquilo que és." (Friedrich Nietzsche)

"Não existem más influências, existem pessoas sem personalidade própria." (Demi Lovato)

Pesquisar neste blog ou na Web

MINHAS PÉROLAS

sábado, 13 de novembro de 2010

"VAQUINHA" PARA ENGORDAR (Tomar o café da manhã como um rei, almoçar como um príncipe e jantar como um mendigo)


Crônica

"VAQUINHA" PARA ENGORDAR (Tomar o café da manhã como um rei, almoçar como um príncipe e jantar como um mendigo)

Claudeci Ferreira de Andrade
          Eu sempre vi a liderança da escola como uma aristocracia. Todos, ali, somos graduados, temos altas posições e privilegiada vocação diante da sociedade, os que ainda nem são mestres e doutores já alimentam esse nobre objetivo. Não nos devemos contentar, pois, com um inferior senso de valor pessoal se por acaso aparecer. Devemos reclamar, sim, a plenitude do respeito e da consideração social.
          Mas, em uma dessas arrecadações para festejar (vaquinha), nas quais nunca faltam desentendimentos, o tempo fechou por aqui. Foi quando o professor de inglês, com língua afiada, mandou o coordenador ir tomar naquele lugar, que vileza! Todavia, o coordenador sequer concordou, exigindo-lhe o respeito devido. O desbocado professor pediu sua contribuição de volta, o coordenador, por sua vez, com as mãos trêmulas e nervoso, restituiu-lhe, então o matador de "vaquinha" saiu pisando faceiro, dando rabanadas e não compareceu na comemoração. A celeuma estava estabelecida!
          A tendência de alguns, no ambiente escolar, contra a moral e o respeito ao outro é o que há de pior. As ofensas e oposição tomam o lugar dos bons costumes e da ética. Neste caso, a desaprovação de comportamentos desta natureza é nosso dever. Porque se não, pouco a pouco a estatura moral e profissional do grupo começa a definhar. Para nós, os maus exemplos nunca deveriam ocupar lugar de motivação a nossa vida. Quantas vezes, fui vilipendiado por me negar a contribuir com o lanche deles, Pois detesto comer no meu ambiente de trabalho, mesmo eu dizendo que não provarei sequer do pão de queijo quentinho e apetitoso, ainda sim, fazem pressão com comentários constrangedores e desnecessários, querendo me forçar a pagar.
          Há muitas pessoas que, em virtude de seu desejo de manter boa posição com o vulgo, abrem mão da beleza do bom senso. Quantas convicções pessoais do profissionalismo genuíno são afrouxadas pela submissão à "ralé".
          Reconheçamos como coisa de grande monta, sermos julgados pela comunidade e sermos achados em faltas, uma vez que todos, ansiamos por aprovação. De todos os fatores determinantes de nossa posição na qualidade de bons seres humanos, o mais e realmente importante é o respeito ao outro. Já que perguntar jamais ofende, eu gostaria de saber, e sem querer ser indelicado, por que toda reunião de professor tem de haver "comida"!? Bolos e petiscos, estimulando o apetite fora de hora, lembram-me farra! Eu aprendi sobre os princípios da boa educação alimentar, nunca comer entre as refeições. Sempre me pareceu no comer de três em três horas, um desrespeito ao organismo, pois se termina o almoço já está pensando sobre o lanche em seguida, nem se fez a escovação necessária para a conservação dos dentes, isso é viver para comer e não comer para viver. Por isso é recomendado o jejum afim de obter maior clareza no raciocínio e desintoxicação do organismo. "
Portanto, o jejum promove uma resposta aumentada à recuperação de doenças, desintoxica o fígado, rins, intestino. Purifica o sangue, ajuda à perda de peso e a água ajuda na excreção de toxinas. Melhora acuidade visual e aumenta sensibilidade gustativa, limpa o mau hálito."http://espacoviva.com.br/wp/tag/jejum/ (acessado em 12/08/2016).
           "O resultado do estudo mostra que os pacientes com diabetes tipo 2 devem seguir a máxima de tomar o café da manhã como um rei, almoçar como um príncipe e jantar como um mendigo'', Kahleova. (http://endometrioma.blogspot.com.br/2013/09/quantas-vezes-ao-dia-devo-comer-isso-e.html) - acessado em 12/08/2016.
           O que devo dizer àquela funcionaria da limpeza da escola, pois nem olha em mim, sem nem mesmo os cumprimentos formais, se achando a bonitona, vem me interromper na sala de aula, pedindo-me dinheiro para comprar refrigerante  coroando a despedida da coordenadora pedagógica, herdeira de uma merecida aposentadoria? Que estreita relação profissional é essa, alimentando tamanho interesse na integração das funções da escola, só nesses momentos? Pense o que quiser de mim, eu não acredito em boas intensões. Ainda mais, nesse caso, é interesse egoísta!
Claudeko
Publicado no Recanto das Letras em 13/11/2010
Código do texto: T2612945

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Postar um comentário