"Torna-te aquilo que és." (Friedrich Nietzsche)

"Não existem más influências, existem pessoas sem personalidade própria." (Demi Lovato)

Pesquisar neste blog ou na Web

MINHAS PÉROLAS

domingo, 17 de abril de 2011

UMA COISA SEMPRE DEPENDE DA OUTRA ( Num círculo, o fim está ligado ao começo!)

Crônica

UMA COISA SEMPRE DEPENDE DA OUTRA  ( Num círculo, o fim está ligado ao começo!)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

            Esta vida é uma eterna penúria intercalada de pequenos prazeres, como recompensa pelo o esforço da busca. Breves êxtases somente percebidos quando vêm os momentos de alívio: o descanso. Ou melhor, a vida é de dor quase constante, por isso seja valorizadas as poucas pausas, momentos de prazer! A vida é... curta! Então, não sei se a zebra é preta de listas brancas ou branca de listas pretas! Mas, também, se a vida fosse um prazer constante (de uma cor só) eu iria preferir um pouco de dor. Como não é verdadeiramente de contínua a alegria, eu continuo preferindo os segundos de "orgasmo". No corpo predomina a dor e o sofrimento. No cérebro, o prazer e a compensação. Porque apesar de tudo, muita coisa depende do ponto de vista. Que venham as dores e os relampejos de alívio, tão logo devolvendo-me o prazer como recompensa do esforço. Agora, compreendo melhor Deus, por que não refez a primeira mulher quando pecou. Se tirasse dela a vida compensatória das agruras do Adão, também lhe tiraria os momentos de satisfação, e sem alegria, restaria só sofrimento para os dois! Então, assim como ao Adão, sobraram para mim muitas dores e resquícios do prazer, ou melhor, sobraram-me outros momentos de menos dor que já me são "prazeres." Vingo-me da própria vida por todo sofrimento que ela me impõe quando "transo" com uma mulher. O que me embaraça são as interjeições: Hum! Ai! Ui! Ih! Aff! Ufa! Oh, yes! Quem me ensinou a gemer, tanto para expressar a dor, bem como para o gozo?
          Já sei, é que, num círculo, o fim está ligado ao começo em qualquer lugar dele. Pois toda linha reta é um atalho, caminho curto para quem sabe trilhar!
          Neste momento, dói minha coluna vertebral na região lombar, demorei sentando para produzir este texto, então alongando-a, procuro fazer os movimento na direção que mais sinto dor, é assim que o tecido se calejará depois de algumas repetições, restando a sensação de alívio. Graças a Deus a dor se cansa logo, ficando só sua ausência que já basta como prazer. Lembrando que não é também o clímax propriamente dito, diga-se de passagem, mas um estágio intermediário. Assim vivemos e suportamos esse torpor existencial: É preciso relaxar para gozar. E é preciso também calejar para aguentar a dor: isso é Felicidade!

          

Claudeko
Publicado no Recanto das Letras em 12/04/2011
Código do texto: T2903926

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários



Postar um comentário