"O tempo é um ponto de vista. Velho é quem é um dia mais velho que a gente..." (Mario Quintana)

"Todos desejam viver muito tempo, mas ninguém quer ser velho." (Jonathan Swift)

Pesquisar neste blog ou na Web

MINHAS PÉROLAS

domingo, 22 de novembro de 2009

TINHA UMA "CABEÇA DE BODE" EM MEU CAMINHO (Eu me transformei em seu Demônio porque você sempre foi o meu Demônio)







CRÔNICA

TINHA UMA "CABEÇA DE BODE" EM MEU CAMINHO (Eu me transformei em seu Demônio porque você sempre foi o meu Demônio)

Por Claudeci Ferreira de Andrade


         Entrei no professorado sem saber de fato o que estava acontecendo comigo. Fui expulso do pastorado da igreja adventista. Parece-me que estavam me conduzindo ao caos. Muitos deles sorriam de mim, os que me empurram no precipício, com uma mão direita. Queriam ver a queda do inimigo! Pois não tive outra saída, ou melhor, era como se eu tivesse em queda livre, caindo sem para-quedas! Por sorte, caí no sistema educacional público. Só depois de vinte anos de aprovado no concurso da educação estadual, descobri que alguém me queria aqui, foi um milagre!  Tudo aconteceu de uma forma que eu não esperava e nem planejei. Sabia mais ou menos sobre o que estava acontecendo, plano de Deus ou do Diabo com permissão de Deus. Mas, o que me tornei afinal? Ainda não sei. Ainda estou esperando as consequências de ter estudado sempre em escolas paroquiais e aprendido a depositar a fé em Deus.
            Houve um tempo em que eu esperava mais de mim mesmo, mas naquele tempo, com visão de universitário, via outras coisas. Agora, com minha compreensão de graduado, dirigida pelas leituras, as tantas experiências, ministrando em sala de aula, relações diversificadas com os vários modos de gestão, espero menos de mim. Perdi a fé! Contudo, estou preparado para dizer ao mundo quem sou, enfrento as zombarias e ameaças de todos os quantos se julgam no seu direito. Embora eu não saiba exatamente qual será meu fim. Mas tenho certeza que quero contribuir para melhorar o sistema educacional público brasileiro, bem como tinha no ministério evangélico, esse sempre foi meu propósito, e agora é o propósito último de tudo que escrevo, enlouquecendo o Capeta.
       Mas, que acontecerá se eu estiver enganado? Se eu estiver lido mal e interpretado mal minhas vivências? Ou o que será se as bocas malditas estiverem certas? Não seria desconfortável ficar aqui parado me perguntando onde estão as respostas? Já não tenho mais tanto tempo!
       Quão conveniente, portanto, que chefes de departamentos superiores do sistema apareçam em cena nesse momento e me proponha outro milagre que não somente satisfaça a mim, bem como a milhares de outros professores e alunos que estão famintos de oportunidade para enfrentar o progresso social através da educação de qualidade! O drama é mais intenso quando alguns, pretensos revolucionários, são pegos por Cristo, ou seja, os “bodes expiatórios”, para nada.
       Sobretudo, nunca vi questão tão profunda! Eu me transformei em seu Demônio porque você sempre foi o meu Demônio. Mas, se eu fosse seu Deus, você seria meu Deus. Porém, como posso chegar a ser seu Deus se você não deixa de ser meu Demônio, apenas posso ser seu Demônio para fazer jus que você seja meu Demônio. Entendi que o único problema da educação é que cada ator, desse meio, tenta libertar-se do grupo e procura solucionar o seu próprio problema. Por que eu tenho que procurar satisfazer apenas minhas próprias necessidades se o meu problema, no sistema educacional, é o seu problema? Como ficou tudo fora do comum no paraíso quando Adão e Eva tomaram o fruto a fim de favorecer sua própria causa. E o resto deixa estar para ver como é que fica.


Claudeko
Publicado no Recanto das Letras em 22/11/2009
Código do texto: T1938354

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Comentários


Postar um comentário