"O tempo é um ponto de vista. Velho é quem é um dia mais velho que a gente..." (Mario Quintana)

"Todos desejam viver muito tempo, mas ninguém quer ser velho." (Jonathan Swift)

Pesquisar neste blog ou na Web

MINHAS PÉROLAS

sábado, 8 de março de 2014

ADULTÉRIO, O PECADO DOS POBRES (Para ser feliz, não se medem os meios!)

 
         
ADULTÉRIO, O PECADO DOS POBRES (Para ser feliz, não se medem os meios!)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

                     Sinto-me vingado de todos os males que me fazem quando "transo" com uma mulher, seja ela de quem for. Uma mulher é sempre de alguém que não me quer bem... Mesmo que ela não queira mais o marido, adota um dono para dever-lhe a beleza do adultério, esse é o pecado dos pobres felizes, elo entre a prostituição profissional e a riqueza virtuosa. Um pobre otimista em busca de prazer sempre se torna um rico pobre de maldade, desforrador de seu próprio corpo que lhe custa caro mantê-lo saudável. Então, vivo assim por não ter outra alternativa, já que tenho tanto medo da morte! Agora, sempre vai ser assim, vou viver intensamente cada instante do morrer que me resta até o fim. Aliás, vivo por medo da morte e de tão perto dela, nunca saí. Ou melhor, a morte vive em mim. Os que matam fazem-no, também, por medo da morte e por não saber remediar-se. Esse prazer do orgasmo vendido e comprado é uma cadeia cíclica, ora estou por baixo, ora por cima. O que me adianta dizer: vou mudar? Penso como pensava Machado de Assis: "...A ocasião apenas revela o ladrão..."! Não teremos quem venda se não tivermos quem compre! Ninguém pode mudar o seu próprio caráter, o homem já está pronto para ser feliz desde os sete anos de idade, quando se consolidou homem, ou mulher, ou produto intermediário! É assim que fala Jean Piaget, na gênese dos princípios. Agora, só não faço isso ou aquilo, se não me for conveniente. E quando não é conveniente ser feliz? 
           Falo exatamente da pobreza dos rico, os que a possuem julgam, discriminam e maltratam! Esta estranha falta de virtude e riqueza do ser pobre, advinda por troco do dinheiro que pago ou recebo pelo o lazer que me custa muito caro. Quem me dera poder dizer a quem me julgar, as palavras de William Shakespeare: "Quem me rouba a honra priva-me daquilo que não o enriquece e faz-me verdadeiramente pobre". Então receba a minha maldição abençoada!  
"Pornografe suas ideias e prostitua seu conhecimento, e isso basta..." (Smith)
Smith         
           
Kllawdessy Ferreira
Enviado por Kllawdessy Ferreira em 02/12/2013
Reeditado em 21/11/2015
Código do texto: T4596252
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários


Postar um comentário