"A esperança seria a maior das forças humanas, se não existisse o desespero." (Victor Hugo)

"Uma falsificação é impossível quando não se tem o modelo a falsificar." (Helena Blavatski)

Pesquisar neste blog ou na Web

MINHAS PÉROLAS

sábado, 29 de março de 2014

EU, DEUS, A ONIPOTÊNCIA E RAZÃO (Se eu disser que Deus é nada para mim, você me reduz a nada.)



Texto

EU, DEUS, A ONIPOTÊNCIA E RAZÃO (Se eu disser que Deus é nada para mim, você me reduz a nada.)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

           Eu posso ser nada, mas Deus não pode ser nada. A conhecida onipotência será que não atinge os mais baixos limites do micro até não existir mais nada? Se for assim, nisso ela falha ou sua crença falha! E essa tal onipresença? Deus pode ser ausente em algum lugar? Se Deus ausentar-se, o que acontecerá com a vida? E a tal onisciência, reforça uma impossibilidade da ausência de Deus e do sê-Lo nada, porém Ele é também o tudo e o nada. A igreja e as suas teorias limitaram a Deus ou Ele é isso mesmo que me "venderam" por dízimos?
           Se tenho fé, falta-me a razão; se tenho razão, falta-me fé. Parecem-me estarem juntas só no contorno do círculo, porém, ou ainda, se não uso a fé é porque uso demais a razão; se não tenho razão é porque uso demais a fé. O exercício de uma anula a outra. Eis uma situação que não se acha o ponto de equilíbrio. Ah, os desequilibrados mesmo são os que usam a fé ou a razão? Se é razão não é fé, por que se é fé é irracional. Epicuro já tinha percebido: "Se Deus é omnipotente, omnisciente e benevolente. Então o mal não poderia continuar existindo. Se for omnipotente e omnisciente, então tem conhecimento de todo o mal e poder para acabar com ele, ainda assim não o faz. Então Ele não é bom. Se for omnipotente e benevolente, então tem poder para extinguir o mal e quer fazê-lo, pois é bom. Mas não o faz, pois não sabe quanto mal existe, e onde o mal está. Então Ele não é omnisciente. Se for omnisciente e bom, então sabe de todo o mal que existe e quer mudá-lo. Mas isso elimina a possibilidade de ser omnipotente, pois se o fosse erradicava o mal. E se Ele não for omnipotente, omnisciente e bom, então porquê chama-lo de Deus?"
 É como disse Raul Seixas: Deus é o nada e o tudo. Meu Deus é imensidão. ...Mas, o mal que ele mesmo criou(Is. 45:7) é mais uma prova real de que Ele existe e não tem limites. Se eu aceitar que Deus não existe só pelo fato das coisas não acontecerem como eu quero, então estou eu sendo o Deus. Ainda assim, Ele existe em minha pessoa: o "eu sou".
Kllawdessy Ferreira
Enviado por Kllawdessy Ferreira em 18/12/2013
Reeditado em 29/03/2016
Código do texto: T4617027
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com).




Postar um comentário