"Todas as coisas complexas estão condenadas à decadência." (Buda)

"Evoluir não é melhorar. A lagarta jura que a borboleta é a sua decadência." (Fabrício Carpinejar)

Pesquisar neste blog ou na Web

MINHAS PÉROLAS

sábado, 10 de maio de 2014

DEPENDÊNCIA NO ENSINO MÉDIO, "MICO" PEDAGÓGICO (Então falo com pregas vocais cheias de calos de tanto ensinar.)


Crônica

DEPENDÊNCIA NO ENSINO MÉDIO, "MICO" PEDAGÓGICO (Então falo com pregas vocais cheias de calos de tanto ensinar.)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

           A LDBEN, artigo 24 inciso III trata da progressão parcial, mas a efetivação do procedimento cabe ao Regimento Escolar regulamentar com detalhes, bem como, definir a grade horária, o uso dos espaços físicos e alocação de professores. O que não justifica o constrangimento ao que o professor é submetido, na maioria das unidades escolares, para aprovar todos os seus alunos, se não terá a pena de ter que salvá-los no ano seguinte, mesmo que não sejam mais seus alunos. Se o professor deixou o aluno retido em sua disciplina na primeira série do Ensino Médio, terá que aplicar, ou melhor, resolver a dependência do mesmo, embora nem seja mais o professor da primeira série, disse-me a a outra professora fugindo da responsabilidade. Nesse caso, o aluno em dependência não fará os requisitos de igual forma com as turmas da primeira série em andamento, porém fará sim um "trabalhinho" desconjuntado e facilitado daquele professor que agora está modulado só na segunda e terceira série. Penso que o aluno retido parcialmente deve cumprir as avaliações dos quatro bimestres, as mesmas, junto dos alunos da série em que deve a disciplina, é lógico que em outro turno, se ainda estiver legalmente matriculado. 
           Minha pergunta é se um aluno que vem, com dependência, transferido de outra unidade, quem a aplicará? E se eu reprovei um aluno em minha disciplina, e ele mudou de unidade, será que eu terei de resolver a dependência dele a distância? Quanto mais se facilita para o aluno, mais se complica para o professor!!!(talvez seja esse o objetivo de certos coordenadores) Aliás, A Progressão parcial é, para o aluno,  uma lambança, e para o professor, hora extra não remunerada!  Fiz a seguinte pegunta para professores veteranos da escola em que trabalho: O que mais lhes incomoda quando aplicam a dependência ao aluno? Todos responderam em uníssono: — "preencher as fichas exigidas para cada aluno." Então é melhor não reprovar ninguém! Mesmo assim, de vez em quando, aparecem alunos que nunca os vi, nem sei de onde vieram, encaminhados pela coordenação, para eu resolver a dependência. 
           Todo movimento do ideário pedagógico "moderno" deixa bem claro para cada um, a quem nem precisa ser da área, em especial para os alunos, que eles, querendo ou não, serão empurrados literalmente para a série seguinte até sair, mesmo que saiam deficitários. Ultimamente, o alunado que termina a terceira série do Ensino Médio confia nas cotas das Universidades, destinadas a palear a vergonha do povo brasileira que aprova os aproveitadores do sistema educacional público. Quem deveria se importar, senão os próprios alunos: os maiores prejudicados, mas não se importam!

           Como entender a veracidade dos índices da educação, aumentando o número de diplomados semianalfabetos! Como continuar jogando a culpa histórica, pelo fracasso escolar de uma parcelar avantajada, consumidora dos benefícios do governo, no professor, este sem reconhecimento positivo? Por ser professor público, também sou governo, incoerente, diga-se de passagem, porque não tenho poder na voz; no final de safra, então só reclamo a ouvidos surdos ao meu timbre, palavras verdadeiras, porém baixas, produzidas por pregas vocais já cheias de calos de tanto ensinar.
Claudeko Ferreira
Enviado por Claudeko Ferreira em 04/02/2014
Reeditado em 09/05/2014
Código do texto: T4678483
Classificação de conteúdo: seguro

Comentários

Postar um comentário