"Todas as coisas complexas estão condenadas à decadência." (Buda)

"Evoluir não é melhorar. A lagarta jura que a borboleta é a sua decadência." (Fabrício Carpinejar)

Pesquisar neste blog ou na Web

MINHAS PÉROLAS

sábado, 16 de janeiro de 2010

O LIVRO DIDÁTICO (A leitura expande a vida, o orgulho nos amarra.)














Folha de São Paulo, Ilustrada, 26.05.10









Crônica

O LIVRO DIDÁTICO (A leitura expande a vida, o orgulho nos amarra.)

sábado, 16 de janeiro de 2010
Claudeci Ferreira de Andrade

         Escolhi o livro didático, um dos personagens principais da escola, sem consciência pesada, para falar bem dele. "O livro didático exerce mais influência sobre os professores do que qualquer outro material desse campo semântico. Claro que há alguns professores que lecionam sem segurar um livro didático, mas esses profissionais são raros. É também questionável se esses profissionais ministram aulas melhores. Um livro didático moderno é o resultado de muita cooperação e experiência profissional de autores, editores, ilustradores, entre outros profissionais" - Maria Augusta Rocha Porto (UFS). Ele é fiel. Depois de portar um conteúdo submetido ao crivo de oficiais, não tem como mudar, vai para a mão dos alunos e professores, dizendo sempre as mesmas coisas. Se professores e alunos fugirem dos temas, afinal, não será porque o livro nos haja cortado de sua relação de amor, separando-nos de sua misericórdia; será porque nós nos afastamos dele, de suas páginas repletas de ilustrações bem relacionadas com os conteúdos. O livro é sempre afirmativo em suas informações. A certeza de um livro sempre presente e fiel pode nos separar de nós mesmos, levando-nos aos saberes extras!
         O livro é verídico, tudo é comprovado numa vasta bibliografia. Por isso mesmo, nos conformamos que reproduzindo seus saberes também somos verdadeiros. O livro é permanente e sempre útil, portanto nós também o guardamos para mais tarde, visto que não irá sair dali, estará sempre a nossa disposição. O livro é justo em dar a todos igualmente que recorrerem o mesmo tanto: o máximo de si.
         Não devemos crer nas mentiras de invejosos que não sabem fazer do livro didático uma boa ferramenta de trabalho em classe. Dizem que o livro engessa o professor, tornando-o preguiçoso; desmotiva o aluno. Eu me alegraria saber de onde tiraram as “Xeroxes” que levaram para a classe no dia daquela aula especial e inovadora! Não podemos suportar o famoso irresponsável: “o autor desconhecido" ou “o sem autor”. Se o livro pensasse, não só pensaria o pior a nosso respeito por causa de nossos erros de relacionamento, mas se entristecia quando nos degradássemos intelectualmente. Não podemos encontrar forças para sermos melhores se não irmos aos livros resolver todas as nossas dúvidas e falhas. Não vamos enganar a nós mesmo dizendo: Eu não uso o livro didático, eu sou o melhor, e pirateando!
         É o amor ao livro que nos dá poder, a hipocrisia nos destrói. A leitura expande a vida, o orgulho nos amarra. O meu apego ao livro didático é baseado na fé de que seus conteúdos são exatamente os que a escola quer que eu ensine. Afinal foram entregues à sociedade para esse fim!
Claudeko
Publicado no Recanto das Letras em 16/01/2010
Código do texto: T2032821


Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários                   Comentar

17/01/2010 19:26 - ALEXANDRE MOHOR
Um livro deveria ser a ligação da escola com a casa, o trabalho, o parque. Uma conexão.


17/01/2010 12:31 - Antonia Zilma
Fico feliz cada vez que encontro, quem externa gosto pelos livros didáticos.O livro ilumina a vida, ajuda a ver mais amplamente o mundo.Parabéns, pelo texto...Inteligentíssimo!Abraços.
Postar um comentário