"Lembrar é fácil para quem tem memória. Esquecer é difícil para quem tem coração." (W. Shakespeare)

"Se me esqueceres, só uma coisa, esquece-me bem devagarinho." (Mario Quintana)

Pesquisar neste blog ou na Web

MINHAS PÉROLAS

sábado, 11 de maio de 2013

A PROVA PARA O ALUNO AVALIA O PROFESSOR. (Convenção declara que toda pessoa tem “direito de não ser obrigada a depor contra si mesma, nem a confessar-se culpada”.)



CrÔnica

A PROVA PARA O ALUNO AVALIA O PROFESSOR. (Convenção declara que toda pessoa tem “direito de não ser obrigada a depor contra si mesma, nem a confessar-se culpada”.)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

          Pus a seguinte questão na prova de Língua Portuguesa do quarto bimestre do ano letivo de 2012, para a 3ª série do Ensino Médio: (você já pensou alguma vez nos problemas de sua comunidade? Identifique um problema que vem afligindo diretamente a você, o qual deveria receber maior atenção das autoridades. Produza uma carta argumentativa de reclamação ou de solicitação). Uma aluna, que duvido estava sendo sincera, solicita ao governador professores qualificados. Quando li sua prova, senti-me avaliado. A prova para o aluno servem também para avaliar o professor? Pensei por um momento naquela coordenadora gabola, quando me pedia as provas para me inspecionar, e depois eu ficava sabendo que ela se ria de minha organização.
          Por que uma aluna já terminando o 3º ano faria tal solicitação? E o desempenho dela, o ano todo, não foi lá essas coisas! Mas, a dobrez foi lançada! E me fez refletir em minha atuação em sala de aula. Ela me atingiu; prova serve, sim, para avaliar quem a elaborou. Aliás, só serve para isso. À aluna mencionada, se eu lhe der uma nota baixa, terei que lhe dar um trabalho para recuperação de sua nota, eu me castigando como se fosse minha a reprovação. Sendo os alunos quem mais nos avaliam, eles não fazem nada para recuperar o professor, mas faz tudo para desmoralizá-lo, é o que assistimos nos conselhos de classe com a presença de representantes, sem escrúpulo, escolhidos pela sua própria classe. 
           Num julgamento, ninguém é obrigado oferecer prova contra a si mesmo, porém nesse caso o professor o é. Ele elabora provas contra si mesmo; embora na boa intenção, boas questões avaliativas, porém os alunos respondem-nas de qualquer jeito, aferindo os baixos índices de escárnio do professor. Diz Ticiano Figueiredo: "O constituinte originário, no Capítulo sobre os direitos e deveres individuais, elencou como garantias fundamentais de todo cidadão o princípio da presunção de inocência e o direito do preso de permanecer calado sem que isso pese contra si, ambos previstos, respectivamente, no artigo 5º, incisos LVII e LXII, da Constituição Federal. Desses princípios constitucionais deriva outra importante garantia fundamental de todo cidadão brasileiro, o direito de “não produzir provas contra si”, que encontra respaldo também na Convenção de Direitos Humanos de 1969, conhecida como Pacto de San José da Costa Rica. Em seu artigo 8º, das Garantias Judiciais, a Convenção declara que toda pessoa tem “direito de não ser obrigada a depor contra si mesma, nem a confessar-se culpada”.
          Analisando mais profundamente, entendi que se o professor trabalhasse para uma administração séria e rígida, com os processos requeridos por uma educação de qualidade, seria melhor do que a vivenciada hoje, mas nós trabalhamos para os clientes, e eles na maioria, alunos que querem cada vez menos responsabilidades, compromissos de aluno; só as facilidades, então nós nos capacitamos na "lambança" para agradar "gregos e troianos" e conseguir pelo menos sobreviver.
          A folha de prova é injusta para com quem a elaborou. Na qual, alunos que não mostram empenho de bons estudantes, indisciplinados e desatentos, se atrevem solicitar melhoria na educação (Comédia)! Eles querem professores competentes para quê? Assim, adotam o comportamento do vira-lata que corre insistentemente latindo feroz atrás do carro, quando o carro pára, ele não sabe o que fazer (comédia novamente). O que esses alunos fariam se tivessem bons professores? Pois eles os têm e nem sabem.   
            
Claudeko Ferreira
Enviado por Claudeko Ferreira em 16/11/2012
Reeditado em 11/05/2013
Código do texto: T3988554
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários


Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Postar um comentário