"Lembrar é fácil para quem tem memória. Esquecer é difícil para quem tem coração." (W. Shakespeare)

"Se me esqueceres, só uma coisa, esquece-me bem devagarinho." (Mario Quintana)

Pesquisar neste blog ou na Web

MINHAS PÉROLAS

domingo, 27 de março de 2016

JUSTIFICATIVAS DOS INJUSTIFICÁVEIS, PORÉM DIGNOS! (Então, se assim for, que a avacalhação tome de conta.)


Crônica

JUSTIFICATIVAS DOS INJUSTIFICÁVEIS, PORÉM DIGNOS! (Então, se assim for, que a avacalhação tome de conta.)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

          Final de bimestre na escola é um antro de problemas. Parece-me que no Ensino Fundamental é pior. Então, apliquei minha prova, Língua Portuguesa, na data já marcada pela coordenação. Mas, sempre têm os desleixados com seus descompromissos, esses não comparecem nem se oferecer-lhes lanche caprichado. Alguns não fizeram a avaliação. Para tanto, no dia seguinte, pus-me a analisar as justificativas, tentando ser justo com os que se esforçaram para estarem pontuais, eu pretendia dar outra oportunidade a quem merecer. Aos que não tinham motivos fortes, eu disse não, mas no outro dia...
           Uma aluna do sétimo ano veio com a mãe barraqueira. E me explicou que não veio fazer a prova porque sua avó estava na UTI. Ironizei perguntando se ela era médica! Pois, visitas na UTI é muito restrito. Não mostrou nem um atestado de acompanhante. Insatisfeita a velha saiu pisando duro e dizendo que eu merecia uma "mãozada" na cara. Constatação de um péssimo exemplo e a explicação do comportamento agressivo da filha. Encaminhei, e elas foram importunar também a diretora.
           O outro do nono ano justificou-se me explicando que tinha de acompanhar a mãe ao banco, pois ela tinha lhe prometido um presente e ele queria escolher. Não seria o melhor presente a valorização do seu compromisso escolar? Mas, a mãe não o ajudou!
           Outro do sétimo ano também hilariante foi o único que trouxe um atestado médico provando que foi ao dentista  no dia anterior a prova.
            Mais um do sétimo que preferiu faltar à prova se justificou dizendo que estava com dengue, porém não foi ao médico! Como ele sabia que estava com dengue? Se no outro dia ele compareceu para reivindicar a oportunidade de fazer a prova, que dengue é essa com sintomas de um dia! kkkk
            Não preciso citar aqui todos os onze que perderam a prova desse primeiro bimestre, para chamar a atenção ao fato de que todas essas "baboseiras" só confirmam a "seriedade" com que a escola burocrática atraiu para si mesma. Os destratadores já me bastam. Sem falar dos que matam a família inteira para ter uma boa desculpa, faltando nos dias normais.
            E a direção me obrigou dar-lhes outra prova para evitar maiores transtornos. Por isso, desconheço-me como um bom professor. E sem identidade profissional ofereço o que o cliente de todo mundo quer. Assim, concluí que a escola só tenta ensinar e só tenta avaliar, porém sempre os credencia favoravelmente, por medo das afrontas dos que tomam à força. Família e escola não se comungam: "Poderão dois andar juntos se o objetivo não for comum?" Os pais não sabem quando é a semana de provas na escola, apesar dos comunicados oficiais da direção, e coordenação, e revisão de conteúdo dos professores. Aliás, esse tipo de aluno, mesmo lhe tendo outra chance, ainda acusa os professores de não ter dado a matéria que colocaram na prova. Eles querem apenas desafiar a rigidez do sistema pelo prazer de avacalhar. Então, se assim for, que a avacalhação tome de conta.            
Kllawdessy Ferreira

Comentários
Enviado por Kllawdessy Ferreira em 24/03/2016

Reeditado em 27/03/2016

Código do texto: T5583403 

Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Postar um comentário