"Quando a casa do vizinho está pegando fogo, a minha casa está em perigo." (Horácio)

"Eu sou apenas um beijo da boca do luxo na boca do lixo." (Cazuza)

Pesquisar neste blog ou na Web

MINHAS PÉROLAS

domingo, 29 de maio de 2016

A PEDAGOGIA "FROTANAL" (Ameaçam minha liberdade de filosofar em sala de aula e me estimulam a ver mais pornografia)



Crônica

A PEDAGOGIA "FROTANAL" (Ameaçam minha liberdade de filosofar em sala de aula e me estimulam a ver mais pornografia)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

          Nunca uma celebridade foi tão comentada nas redes sociais e jornais do que o invejável, polivalente, Alexandre Frota: Com seu currículo de ator, diretor, ex-modelo, comediante, ex-jogador de futebol americano, apresentador, empresário e ex-ator pornográfico brasileiro (tendo 20 filmes dessa categoria). Sem falarmos das participações em programas e reality shows dentro e fora do país. Bem pudera, segundo tanta bagagem intelectual e conhecimento universal, ousou levar ao ministro da Educação, Mendonça Filho, no MEC, uma proposta com melhorias para a educação brasileira. O "grande pensador", tal qual Valesca Poposuda, também divulgou ter visitado o ministro da Cultura, Marcelo Calero. E após uma tacada só, o ator e seus amigos do "Revoltados On Line", apresentaram a defesa do projeto "Escola sem Partido", proposta ultra reacionária, sob o pretexto em combater a “doutrinação ideológica” e o “comunismo” nas escolas e universidades, propondo restabelecer a censura e a perseguição a professores e estudantes denunciantes da política reacionária conforme a direita ou simplesmente expressem opiniões diferentes dos conservadores, não só a respeito de política, mas também sobre sexualidade, Educação etc.
             Li tantos comentários na internet, sobre o caso, vindo-me ocorrer a seguinte constatação: O sistema educacional anda mesmo "capenga"! Eu já havia dito sobre a educação ser semelhante ao futebol, todo mundo acha-se entendido demais e dá "pitacos" empiricistas, só na boa fé. Bem, mas, Alexandre Frota e outras celebridades em diversas áreas nem são de pouca monta. Pelo menos, chamaram a atenção do mundo para uma suposta causa nobre, isso se faz necessária. Criticas, ironias, inadequações e incoerências ideológicas a parte, firmo aqui consoante  a pedagogia "Frotanal" seu lado positivo é inegável, pois os mesmos aspectos desta proposta já foram considerados, apesar de  barrados em outras ocasiões por outras autoridades, porém quem sabe dessa vez, dará certo! O adágio popular reza: "água mole em pedra dura tanto bate até que fura", eu jamais nego os benefícios  das cartilhas conforme a orientações sexuais, reforçando o combate a homofobia e reprovando todas as anomalias sociais e preconceitos; sobretudo, promovendo o amor nas escolas, se não fosse a tendência entre outros renomados pedagogos: Orientação Sexual é um dos temas transversais proposto nos Parâmetros Curriculares Nacionais - PCNs, do MEC, visando à compreensão e reflexão da realidade social, construindo assim a cidadania.
           E quando dizem sobre o ator ex-pornô nem saber o que seria o melhor para a educação brasileira, estão equivocados, pois na situação atual, qualquer um sabe melhorar. O mais assustador para mim não é o tolhimento da liberdade do professor em sala de aula, mas a execução do projeto inovador de muitos pais e alunos, os quais conquistam suas melhorias na escola batendo em professor. Então, minha maior preocupação no momento é com o futuro da escola.
           E caso essas "inovações" nem venham a ser aprovadas, mesmo assim, preocupa-me desde o presente da escola, sobretudo com a alta divulgação dos trabalhos artísticos do "educador" Frota e dos outros de mesma natureza pelos meios educativos: Ninguém nunca assistiu a tanta pornografia "frotanal" como nesse momento. Até uma professora confessa em um comentário no Facebook: "Quando me lembro que vi um trecho do pornô dele. ECA! Que nojo." Na verdade, seus filmes nunca foram tão divulgados e assistidos sob o pretexto da curiosidade, volto ao risco de dizer: Mesmo se sua proposta para o MEC não sendo aprovada já lhe valeu ao sucesso de seu outros trabalhos.
             A escola sempre foi um palanque de fácil acesso, um público cativo e mais uma vez bombardeada, sinto-me destroçado, no papel de professor, por dois motivos: de um lado ameaçam minha liberdade por filosofar na sala de aula e, do outro, estimulam-me a assistir mais a pornografia.
           E falando nisso, uma coisa puxa outra, antecipam-se as torturas aos professores descuidados segundo suas expressões fortes em sala de aula. Li isto também sobre a aluna universitária que processou seu professor: “Ele utiliza do meu nome com expressões de cunho racista quando ele diz, por exemplo, 'pretinha e desclassificada fazendo macaquices'. Então, todas essas expressões que ele utiliza são claramente de teor racial e pejorativas”. http://g1.globo.com/mato-grosso/noticia/2016/05/estudante-denuncia-professor-da-ufmt-por-racismo-pretinha.html - (acessado em 03/06/2016).
           "Pretinha" é uma expressão, na maioria das vezes, usada carinhosamente. Só configura racismo aos maldosos (Tito 1:15). "Desclassificada" não tirou nota suficiente ou por está fazendo "macaquice", perturbando a aula do professor. É isso, quaisquer palavras usadas para repreender alunos em sala de aula, doravante fará do professor marginal, digno de processo. As palavras referidas podem ser ofensivas, sim, se foram pronunciadas com a intenção de ofender e forem recebidas como ofensivas, mas quem pode julgar as intenções? Estão brincando de ser o Deus cruel do velho testamento. Assim, ao invés de corrigir, enfraquecem, mais ainda, o professorado. Parece-me vingança! De forma nenhuma, estou querendo justificar ninguém, só queria entende porque eles me chamam de velho caduco, cabeça-branca etc?!
Kllawdessy Ferreira

Comentários

Enviado por Kllawdessy Ferreira em 27/05/2016
Reeditado em 29/05/2016
Código do texto: T5648548 
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Postar um comentário