"Torna-te aquilo que és." (Friedrich Nietzsche)

"Não existem más influências, existem pessoas sem personalidade própria." (Demi Lovato)

Pesquisar neste blog ou na Web

MINHAS PÉROLAS

domingo, 29 de agosto de 2010

UMA ESCOLA CRIATIVA DIZ MENOS “NÃO” ("EDUCAR NÃO É CORTAR AS ASAS, E SIM ORIENTAR O VOO.!!!" – Madre Maria Eugênia)



CRÔNICA

UMA ESCOLA CRIATIVA DIZ MENOS “NÃO” ("EDUCAR NÃO É CORTAR AS ASAS, E SIM ORIENTAR O VOO.!!!" – Madre Maria Eugênia)

Por Claudeci Ferreira de Andrade
          Ontem vi um cartaz na Escola Senador Canedo dizendo: “é proibido mini-saia e micro-saia” [sic]. Apesar da escrita não está nos padrões do acordo ortográfico, mas ficou extremamente claro o recado taxativo. Infelizmente eu não sei qual a diferença entre os dois tipos de saia e creio que muitos não saibam, porém o importante aqui é a intenção proibitória, objetivando tornar o ambiente escolar “respeitoso” e “moralista”. Esse não seria exatamente o tipo de cartaz aconselhável a colocar em escola alguma, nem de brincadeira! sobretudo, o apelo fora feito e eles devem ter seus motivos plausíveis. Até porque, tem quem goste.
          Assim falando, talvez não vão me entender facilmente, mas, tenho em mente, sobre o assunto, pensamentos valiosos. Parece ser verdade nesse caso, de alguém está tentando impedir a manifestação de autoestima das adolescentes. E são tantas vez impedidas de revelar, expor, evidenciar o mais precioso e cobiçado delas: um corpo jovem e bem delineado; esse cortar de asas, só as faz acreditar não ter valor aos olhos dos outros. Sentem-se tão sem identidade, por isso tentam através das vestimentas “míni” uma busca de reconhecimento. As escolas deveriam trabalhar mais com o “sim” e menos com o “não”. Dizer sim ao intelectual dessas meninas ao invés de dizer não às suas manifestações do vazio interior. Assim, com tanto "não", elas passam o tempo todo, procurando driblar as circunstâncias, debatendo-se para decidir o que vestir, enquanto deveriam estar decidindo qual atividade escolar fazer primeiro.
          Todo trabalho da escola deveria ser construir ou restaurar o verdadeiro senso de valor e dignidade nos jovens, não estou querendo dizer que é papel da escola incentivar elas andarem peladas, mas dá prioridade ao amor acolhedor, ensinar o caminho da intelectualidade, como usufruir das relações saudáveis, e andar sabiamente. Quem sabe assim, elas cheguem a conclusão sobre expor mais roupagem e menos corpo nu? Sem pressão! "EDUCAR NÃO É CORTAR AS ASAS, E SIM ORIENTAR O VOO.!!!" – Madre Maria Eugênia
          A escola é a comunhão da cultura de todos os lares ali representados, e ela existe com a finalidade de preparar academicamente o indivíduo e devolver um técnico à sociedade. Formar cidadão para vida é discurso irresponsável de quem não consegue fazer nem uma coisa e nem a outra, educar para a vida é responsabilidade da família, com seus princípios culturais. Talvez a escola pública é o que é, por está sobrecarregada com a dupla função, tomou as responsabilidades da família e não faz bem nem uma coisa nem a outra. Mas, ela deveria, pelo menos, restaurar a autoestima dos jovens que ela mesma destruiu, pois não sabem ler nem escrever, não passam em concursos concorridos, desempregados e com outras deficiências acadêmicas, procuram nas bijuterias e na nudez a admiração social. A Prova Brasil e a Saeb pegaram as escolas públicas goianas de “calça curta”, ou melhor, de minissaia, porque o foco educacional tem sido outro: nas escolar, preocupam-se em proibir o uso do boné, saia curta, camiseta de time, óculos escuros, aparelho celular. Aliás, uma escola que proíbe o uso do aparelho celular em sala de aula não tem futuro, pois "Escola de ensino fundamental na China. O uso de notebooks já é realidade em sala de aula desde a mais tenra infância" (http://www.universitario.com.br/noticias/n.php?i=7429) (10/04/2016). Conheço duas professoras que usam didaticamente o aparelho celular, uma de matemática incentiva o manuseio da calculadora do aparelho, a outra de sociologia criou a “colinha educativa”, permitindo que os alunos escrevam no celular. Uma escola criativa diz menos “não”.  “E o celular é isso, é uma forma de transmitir conhecimento.   Claro   que algumas escolas proíbem-no porque não sabem o que fazer com o aparelho.” – Nathalia Goulart ( http://preparandoredacao.blogspot.com/ ) - acessado em 15/04/2016.
          Adotar e fornecer um uniforme constitui-se um filtro sutil, resolvendo, pelo menos, que os ranços domésticos, nesse assunto de vestimentas, interfiram na escola. Termino com as palavras da psicóloga Élide Camargo Signorelli: “uma verdadeira preparação para a vida reservaria lugar para certo despreparo no sentido de se estar aberto para o desconhecido e para os mistérios”. Computadores serão professores no futuro. Mas, também, concordo com Dom Hélder Câmara: "A maneira de ajudar os outros é provar-lhes que eles são capazes de pensar."

Claudeko
Publicado no Recanto das Letras em 16/06/2009
Código do texto: T1652194

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários




almaquio disse..

.
Olá professor Claudeci, esta semana "a escola" ganhou espaço na mídia, mas, como quase sempre acontece, os motivos não são para serem comemorados. Infelizmente, escola virou caso de polícia e o acordo "nota azul" entre Secretaria de Educação e Secretaria de Segurança Pública, recentemente assinado, já carrega uma mancha. Acredito no acordo,na sua necessidade e que o incidente na Escola Alberto Sabin seja um caso isolado, afinal o ambiente escolar tem se tornado em um favorável reduto de marginais. Concordo com seu ponto de vista sobre os "nãos", o problema é que os professores perderam a autoridade que lhes fora tirada e que se tenta resgatar com os "nãos" quase sempre ridículos e infrutíferos. Espero que o problema da educação no Brasil já tenha atingido o fundo do poço, pois caso contrário, ai de nós. A terceirização da educação (preparação para a vida) que você falou em seu texto, feita pelas famílias que renunciaram suas responsabilidades, realmente representa o grande câncer da educação brasileira. Problema está agravado pela desvalorização do professor que é mal remunerado e, vexatoriamente, desrespeitado pelos alunos, pelos pais dos alunos e pelas autoridades. Abraços do amigo Almáquio.
http://3.bp.blogspot.com/_A6Ak5rqEUdo/SXpivud4CMI/AAAAAAAAAkI/bCU5Svj_IVI/S45/1.jpg
Silvana Marmo disse...

Parabéns professor pelo seu blog e escolhas das postagens, esta particularmente me chamou a atenção.

Todos acham que as escolas não devem ter regras, mas a nossa sociedade é feita de regras, por que na escola elas não podem valer?

Bom Domingo!

Postar um comentário