"Até o palhaço mais alegre do circo, pode chorar em um dia de folga." (Nátaly Seckler)

"Um bom descanso é metade do trabalho." (Provérbio iugoslavo)

Pesquisar neste blog ou na Web

MINHAS PÉROLAS

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

CORROMPERAM O VICE ( O braço direito, ou o esquerdo, ou dente podre, ou apenas descartável?)






CRÔNICA

CORROMPERAM O VICE ( O braço direito, ou o esquerdo, ou dente podre, ou apenas descartável?)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

          Até pouco tempo atrás, o cargo de vice-diretor de escola era eletivo, a cara da democracia, assim, como a experiência mostrou, o cargo deveria ser ocupado por alguém com a mesma tendência político-pedagógica e competência do diretor. Então, se optou pelo sistema no qual a eleição do gestor da unidade escolar importará a do vice-diretor com ele registrado. Porém, agora, o vice é um elemento surpresa, não precisa ter a mesma envergadura profissional, é simplesmente aquele quem mais trabalhou na campanha do candidato a gestor e, por retribuição ao esforço, foi empossado sem a avaliação da comunidade, através do voto direto. E, se pelo menos, tivesse os requisitos mínimos requeridos para o cargo: a) ter Licenciatura plena em Pedagogia ou pós-graduação na área de Educação; b) ter, no mínimo, 5(cinco) anos de efetivo exercício no magistério etc. Ou bons critérios não são prioridade?
          Por exemplo, o vice-presidente de uma empresa comum e séria é um homem ou mulher habilitado, podendo substituir o presidente em situações nas quais este está impedido, seja por viagem, doença, óbito ou  impeachment. O vice-diretor da escola é uma figura versátil, podendo se encaixar em diversas situações, menos na direção geral, pelo menos nunca vi. Tenho visto sim, a secretária assumir nas tais circunstâncias já citadas! É como disse um colega:— "alguns que conhecemos não são dignos nem de ir ao funeral do diretor falecido" (sic). E especificamente por aqui, esse ator deveria, pelo menos, desempenhar o papel do antigo coordenador de turno (cuidar da disciplina, da portaria, tocar campainha, mandar os professores para sala de aula e fazer o "de menor' assinar caderninho). Aliás, todos estes 20 longos anos em que milito pelas escolas públicas, nunca vi uma situação na qual um vice herdou o cargo do diretor, deve ter acontecido em alguma parte do país, crendo que toda regra tem exceção, mas já causando a frustração em alguns deles, vi muitos serem substituídos pelo outro cabo eleitoral, capanga do novo diretor: O chegante traz os seus!
          O positivamente considerável dessa mudança é que o tal vice não tramará o assassinato do gestor para assumir o cargo, como nos filmes modernos, pois só permanecerá no mesmo enquanto o "amigo" estiver na direção. Muitos no sistema educacional ocupam algumas pastas não por competência, mas por amizade somente. Uma amizade fechada não iluminando o ambiente em sua totalidade. É como diz o músico Chico Buarque na canção - Cálice: "De muito gorda a porca já não anda". Baseado em minha experiência, digo eu: "de tão magra, já não se coloca em pé". Sei lá eu como, porco não se banha, pois voltará para lama!
Claudeko
Enviado por Claudeko em 05/09/2011
Reeditado em 05/09/2011
Código do texto: T3202182



Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-
claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas. 

Comentários



Postar um comentário