"A esperança seria a maior das forças humanas, se não existisse o desespero." (Victor Hugo)

"Uma falsificação é impossível quando não se tem o modelo a falsificar." (Helena Blavatski)

Pesquisar neste blog ou na Web

MINHAS PÉROLAS

sábado, 14 de janeiro de 2012

O "RABO PRESO" TEM UM ALTO PREÇO (O maior erro do ladrão é achar que todo mundo é otário, sendo ele o único...)


Crônica

O "RABO PRESO" TEM UM ALTO PREÇO (O maior erro do ladrão é achar que todo mundo é otário, sendo ele o único...)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

        Eu pensei que tudo de ruim já tinha me acontecido na escola, mas não! Ainda faltava esta "sacanagem" reincidente: duas alunas do Ensino Médio convidaram-me para ir à biblioteca, na hora da aula, rapidinho, com a desculpa de me mostrar um livro, enquanto isso, outras se aproveitavam do meu caderno de anotações de vistos que ficou em minha mesa, na sala de aula, e marcaram a favor delas. Esse tipo de caso, também se repetiu recentemente no Ensino Fundamental, uma aluna do sétimo ano "A" roubou de dentro de minha mochila, enquanto virei-me para escrever no quadro, mas a vi com o meu caderno de anotações entre seus braços, num abraço do Capiroto, quando saía de perto da mesa do professor. 
         Percebi que os "xis", feitos por elas, com os quais requeriam o direito roubado, eram diferentes das "cruzinhas", feitas por mim, que legitimavam as tarefas bem cumpridas dos alunos honestos. E a tonalidade da tinta da caneta também era de um vermelho diferente. Ao descobrir, resolvi não escandalizar, e não devia tomar medida alguma, apenas fingi que não sabia, no primeiro caso, já no segundo, tomei o caderno com ameaças de reprová-la, mas não o fiz, pois assim não dividirei as consequências reservadas para elas e aplicadas infalivelmente pelo destino. Se eu tomasse algumas medidas disciplinares, por mais severas que fossem, ainda, seriam injustas: escassas ou excessivas. Então me aquietei com o conselho de sábio Salomão: "Quando o tolo é ofendido, logo todos ficam sabendo, mas quem é prudente faz de conta que não foi insultado. (Pv 12:16 NTLH).
          Achei incrível, a classe também fingir que não viu nada, ninguém denunciou as culpadas, eles gostam de ver "o circo pegando fogo", mas não o fizeram por medo, amizade, cumplicidade, sei lá! A passividade também tem um preço, ainda que mais barato, ou não, e eu estou disposto a pagá-lo, juntamente com os omissos.
          Usando uma metáfora, é notório o que acontece no comércio: O comprador só paga, quando recebe o produto ou o serviço. E nesse caso, eu não posso assumir o papel de Deus, atribuindo castigo para quem é desonesto comigo. Deixei apenas que levassem o produto do furto e ficou a dívida para elas pagarem ao tribunal universal. Não foi a mim que prejudicaram, então, quem se sentir lesado que cobre justamente o que lhe pertence, nesse caso, a sociedade. E a justiça seja feita. Não posso atrair maior desgraça para mim mesmo, não é função do professor atribuir consequência desequilibrada a ninguém, adulterando assim a lei natural da causa e efeito que é a medida certa.
          Elas vão comer, por duas vezes", o pão que o Diabo amassou", pelo menos por isto: Primeiro por terem enganado a si mesmas tentando me enganar; segundo, por contarem para os outros seu plágio como indicador de esperteza. Se eu me mostrasse esperto demais, "nunca enganável", eu aliviaria seus sofrimentos,  igualando-me a elas, portanto a lição não ficava completa. Esta, sim, é a função de professor: não querer ser Deus, especialmente nesses particulares.
Claudeko
Enviado por Claudeko em 19/11/2011
Reeditado em 13/01/2012
Código do texto: T3344295


Comentários



Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Postar um comentário