"Tardar não é falhar. É apenas o ato de ponderar." (Milena Jane Maluf)

"A maneira mais correta de resolver um problema é transferir para outra pessoa." (Vitor Curioso)

Pesquisar neste blog ou na Web

MINHAS PÉROLAS

sábado, 21 de janeiro de 2012

PRONTO PARA O FIM DO MUNDO ("Uma pessoa continua a trabalhar porque o trabalho é uma forma de diversão. Mas temos de ter cuidado para não deixarmos a diversão tornar-se demasiado penosa." Friedrich Nietzsche)



Crônica

PRONTO PARA O FIM DO MUNDO ("Uma pessoa continua a trabalhar porque o trabalho é uma forma de diversão. Mas temos de ter cuidado para não deixarmos a diversão tornar-se demasiado penosa." Friedrich Nietzsche)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

          Não sou professor reprovador, sou para ensinar. Como meus alunos se protegem exageradamente da reprovação, erram o alvo e são promovidos assim mesmo, sem o aprendizado necessário, promovendo a "farra do boi"! Tudo isso porque as estatística são mais sérias, gerando verbas para a unidade escolar!
          O parasita se adapta às mudanças do hospedeiro. Eu sou o parasita, comendo às custas deles, afinal sem os alunos, sequer tem professor e nem a tal escola pedagogicamente "correta"! É o que dizem, e eu acredito piamente! Por que um hospedeiro prejudicaria seu parasita e vice-versa? Somos companheiros mutualistas! "Manda quem pode, obedece quem tem juízo". E conveniência é o segredo do sucesso ou, pelo menos, da permanência!
          Temos de suportar alunos sem escrúpulo e de famílias abusadoras! Muitos deles têm o atrevimento de bisbilhotar as entranhas e intimidades da vida do professor. Perguntam-me sempre: Por que não tenho filhos; Nem mesmo tenho esposa; como vivo; quanto ganho; se ainda "dou no couro". Por isso, eles riem, debocham e "brincam" comigo. Tudo é normal quando sou eu o palhaço sabatinado. Mas... eles são sensíveis demais, ofendem-se facilmente. E a escola insiste em perguntar-lhes hoje o motivo da falta no dia anterior! Mais uma vez, é o professor fazendo o papel de palhaço com o diário de chamada na mão, procurando o número de código do motivo que combina. "Quem fala o que quer, escuta o que não quer"! Oxalá eu não mereça o castigo deles por isso que digo, sem piedade, deixemos só eles falarem-me asneiras mil!
          Numa dessas investidas, eu respondi àquela classe de segundo ano, que de forma nenhuma estava casado e, quando quisesse um filho, iria alugar uma barriga, pois já tinha dinheiro suficiente a esse fim. Então, Ali, uma tal aluna, mãe de família, se candidatou pronta e voluntariamente, essa que, perante toda a classe vivia exibindo seus dotes progenitores, com uma certa apreciação da maioria, mas dessa vez, tampouco pôde impedir  os colegas presentes de lhe zoar em fortes zombarias, e a classificaram vulgar. No calor do burburinho, também falei do meu desejo de trocar a faxineira e, pagava muito bem por um serviço completo, ela, não percebendo a ambiguidade maliciosa e intencional, também se interessou, foi quando enfatizei sobre o termo: "serviço completo" incluindo a massagem no patrão, PARA SUPORTAR O ESTRESSE DE PROFESSOR. O meu tom zombeteiro deixava claro que tudo aquilo era uma brincadeira à moda deles, porém, nesse instante, ela, bipolar, se ofendeu e me denunciou à direção do colégio, esta, por sua vez, aplicou-me mais uma penalidade de duas faces carrancudas. Porque também o "dono" da moça me xingou e me ameaçou pela Facebook. Depois disso, nem precisará outra lição, basta essa, serei mais sério com meus alunos, assim jamais continuarei assinado relatórios de advertência  que ficará nos "anais" da história do colégio, para meu descrédito. Você achou pouco?! Eles não têm penalidade alguma por dizerem coisas piores a meu respeito. Tipo: ameaça de morte, difamação, xingamentos, injúrias, calúnias e escárnios: malfazejos mil.
          Portanto, com toda a classe, eu anuncio meu anseio pelo o ameaçador "Fim do mundo", ou melhor, o fim dessas metodologias educacionais passíveis de desrespeito. No céu ou no inferno, terei outro tipo de aluno, e apesar da idade serei uma nova pessoa, ou apenas diferente, talvez o "bobo alegre" de então será o taciturno doravante, se der tempo, é claro, e se os ameaçadores não me matarem antes. Conheci um professor assim no IEG, foi professor de minha esposa, no magistério (1999); parecia-me ter o respeito dos alunos, apesar de nem conhecer a sua dor, porém qualquer dor é melhor que esta, quero ser semelhante com os de sucesso. Adotarei a postura do fim do mundo ou apenas o fim de meu mundo. A certeza mais dolorida é que a vaca aflita ao matadouro sente cheiro de sangue fresco, mas sem retorno. Estou cansado de ser o centro das acusações. APAGUEM-ME, porém nunca DESSE JEITO, ASSIM, DÓI EM VOCÊS TAMBÉM! Quem morre sem reagir não ama a vida!
Claudeko
Enviado por Claudeko em 22/11/2011
Reeditado em 21/01/2012
Código do texto: T3350986


Comentários



Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Postar um comentário