"A sabedoria e a exclusão andam juntas. Quanto mais você sabe, mais excluído você é." (Igor Chiesse)

"Você pode sobreviver, mas sobrevivência não é vida." (Osho)

Pesquisar neste blog ou na Web

MINHAS PÉROLAS

domingo, 5 de fevereiro de 2012

GER(ASCO)FOBIA ( Eu "nonada" de mim mesmo)


Crônica

GER(ASCO)FOBIA ( Eu "nonada" de mim mesmo)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

          Eu tinha uma aluna, a qual era sorridente e feliz, dada com todos e especialmente comigo, até o dia quando, por acaso, ali na rua mesmo, ela me apresentara à sua mãe, nem sei quais foram as orientações daquela mãe, nem se falaram a meu respeito, mas, depois disso, a mocinha mudou completamente o seu comportamento perante mim, se protegendo, depois disso mal olhava na minha direção. Esse comportamento, de forma alguma, preocupava-me tanto, pois não precisava da simpatia dela a fim de viver melhor, apenas me importava o fato de ainda está sendo o professor dela e bem intencionado. Que contribuição aquela mãe dava para a formação de sua filha? Pais insatisfeitos, além de nunca ajudarem, atrapalham! Será se ela iria se interessar por aprender de um professor desmoralizado e mal afamado? 
            Mesmo assim, depois daquilo, todos os dia ainda passava por aquela rua, na direção do colégio, e ela, às vezes, acompanhada de sua mãe nem sequer, os cumprimentos da formalidade. O "leproso" estava passando! Só os velhos gostam dos velhos, por que vão perdendo juntamente e, por igual, o gosto por tudo, e, por outro lado, vão gostando mais do nada até chegar ao desprezo de si mesmo. Sobremaneira, perdendo o medo da fraqueza, das doenças e, por fim, da morte, tornam-se insensíveis. Se Deus não tem sentimentos, eu diria que velhos não voltam a ser crianças, mas sim a ser deuses. Ou melhor, Deus seria injusto demais se não nos preparasse para o retorno ao pó. Até nossos inimigos ele carrega antes para morrermos em paz.
          Os jovens devem ser ensinados a amar e respeitar os idosos, não falo pejorativamente, porque hoje existe tanto mal, mas falo, sim, de responsabilidade social, isto é cidadania. Aquela mãe, com a idade que tinha e as deficiências físicas que lhe aguardavam em breve, haveria ELA DE esperar a simpatia da filha, os futuros cuidados, sendo, desde criança, treinada a se proteger dos asquerosos?
          Só supera as consequências negativas da velhice a (des)graça do ser pobre! Assevero ser difícil admitir sobre o fato de qualquer idiota jovem se impõe melhor que eu, na vizinhança. As rugas de minha cara, marcas das expressões de quando eu era feliz e não sabia, sabem muito bem arruinar meu argumento e a gabarolice de quando, um dia, fui herói. Qual a garantia do vinho novo em odre velho? Meu espírito é promissor, mas o corpo fuçado jamais ajuda. 
            Algo ainda me mantém vivo, são as conversas a meu respeito, embora na tentativa de me desvirtuar e denegrir, porque enquanto se protegem de mim, consideram-me pelo menos um perigo, e eu me iludo que de fato sou assustador! Estimulem-mo de alguma forma, desafiando os meus sentidos perceptores dos prazeres da juventude, já tão desbotados assim. Acostumado ao desprezo, ainda sofro, porque também o meu espelho me nega o amor devido, de algum jeito, pois insiste em dizer-me que não sou nem um perigo a ninguém, nem nada. E cada dia, defino-me melhor com um termo de João Guimarães Rosa: Eu "nonada" de mim mesmo.
Claudeko
Enviado por Claudeko em 09/12/2011
Reeditado em 05/02/2012
Código do texto: T3380588


Comentários



Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Postar um comentário