"A esperança seria a maior das forças humanas, se não existisse o desespero." (Victor Hugo)

"Uma falsificação é impossível quando não se tem o modelo a falsificar." (Helena Blavatski)

Pesquisar neste blog ou na Web

MINHAS PÉROLAS

sábado, 5 de maio de 2012

POMBOS DE RUA (Crianças aprendem o que querem aprender)



Crônica

POMBOS DE RUA (Crianças aprendem o que querem aprender)

          Por Claudeci Ferreira de Andrade


         Na ferragem trançada, sustentadora da cobertura do auditório, na Praça Criativa, em Senador Canedo, os pombos se empoleiram a fim de dormir, rotina de todos os dias. Aquela noite, seria mais uma de tolerância, sobreviventes das ruas dormirão mais tarde. Fazendo coisa útil? Sim! Assistindo a uma palestra educativa, intitulada: "Alunos Que Não Aprendem". Observei-os por uma semana nas diversas palestras do Encontro Municipal de Educação, percebi neles, àquela noite especialmente, estavam mais inquietos, se empurravam, batendo asas, consequentemente acordavam alguns cochilantes cá em baixo. Estes, meio envergonhados, se consertavam na cadeira, olhavam ao alto e disfarçavam muito bem. Os pombos, eu os relacionei aos meus alunos. Por que eles nunca aprendem? É lógico; de forma alguma querem aprender, querem só diversão. Lá de cima, escolhiam o intruso de baixo com a finalidade de adubar a cabeça. Mira invejável! Quatrocentos cursistas para duas ou três dezenas de atiradores cloacais. Era como um jogo lúdico de revesamento, ou melhor, de "roleta russa". Muitas figurinhas foram carimbadas. Os vilões empenados brincavam à noite na aula, e muito cedo, pela manhã, comiam as opulentas migalhas restantes do "Coffee Break" dos figurões.
           Pombos, símbolo da paz, representação do Espírito Santo, empreendedores de Missão Divina, inocência; agora, os de rua são espertos, aprendem sim! Seria muita maldade acusar essas benfazejas criaturas de distribuírem piolhos, porém vi professores ali, coçando a cabeça. Eu também cocei a minha, mas só expressando incerteza, quando o palestrante disse sobre as crianças que escrevem: "COMUOG", querendo dizer: "como hoje". Estarreci-me com a frouxidão nos critérios do ensino acadêmico nas mãos desses pedagogos Show. Justificou ele : - aprenderam sim, do ponto de vista fonológico! Então, conclui que todos aprendem, tanto pombos, quanto crianças e fica afirmado sobre nós: só aprendermos se quisermos aprender, ou seja, o extremamente necessário para viver melhor; lição pombal. O problema do Sistema Educacional é a imposição sem razão. E por cima ainda, nos venderam os livros receituários.
         
Claudeko
Enviado por Claudeko em 11/01/2012
Reeditado em 17/01/2012
Código do texto: T3435020

Comentários


Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Postar um comentário