"Quando a casa do vizinho está pegando fogo, a minha casa está em perigo." (Horácio)

"Eu sou apenas um beijo da boca do luxo na boca do lixo." (Cazuza)

Pesquisar neste blog ou na Web

MINHAS PÉROLAS

sábado, 8 de setembro de 2012

FAZER AMOR: TÃO POBRE AMOR! ("Aquilo que se faz por amor está sempre além do bem e do mal." — Friedrich Nietzsche)



Crônica

FAZER AMOR: TÃO POBRE AMOR! ("Aquilo que se faz por amor está sempre além do bem e do mal." — Friedrich Nietzsche)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

           A expressão " fazer amor" é um eufemismo para a "pratica do  sexo" e, também, um indicador da hipocrisia, enfeite da falsa moralidade social. As feministas dizem, para seduzir seus parceiros: — "as mulheres fazem amor e os homens, sexo". Depois, ao defender sua opção sexual, dizem que, em questão de amor, ninguém manda em seu próprio coração. Então, devem estar fazendo alguma coisa estranha sem querer, chamando-a de amor! Ou me responda, por que, às escondidas, todos demonstram esses sentimentos naturais, usando os impulsos sexuais? Em seguida, fica tudo bem, depois se banham como quem come e escova os dentes e sorrindo faz de conta que nada aconteceu: é como um trabalho qualquer!
          Eu na qualidade de cliente, não quero nada com "amor". Se o dinheiro compra tudo que o amor pode me dar, basta-me o prazer do poder. A prisão social, causada pela falta de condição, desvirtua os puros sentimentos, ou melhor, só há saúde psicológica com autonomia, sem a exigência de quem eu prometi fidelidade até a morte. Então, "fazer amor" é uma fantasia absurda dos devassos, os ricos compram pronto o amor e seus atributos. "Amor (verdadeiro) só dura em liberdade". O resto é compromisso e obrigações impostas. 
          Sim, esse amor imposto é "tão pobre amor", como disse o músico Raul Seixas, na canção: "A Maçã". Jamais o quero para mim. A maior perversidade sexual é o esforço exercido na manutenção da aparência de quem nunca usa dele. Mas, se não fosse assim, nada fluiria em uma sociedade ensinada a hipocrisia. Chamem-no de qualquer coisa, todos são passivos da motivação: "crescei e multiplicai". Por isso dar prazer o fazer amor, bem como praticar sexo. O que seria a intensão de multiplicar se não fosse a intensão do orgasmo? Qual é o prazer do criar filho?  Fazer amor ou sexo termina sendo a mesma coisa quando apenas se visa o lucro? "Passei a ocupar meus dias pensando sobre o que, afinal, é isso que todo mundo enche a boca pra chamar de amor" (Martha Medeiros). 
Claudeko
Enviado por Claudeko em 29/04/2012
Reeditado em 08/09/2012
Código do texto: T3639363
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários


Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Postar um comentário