"Se o vento soprar de uma única direção, a árvore crescerá inclinada." (Provérbio Chinês)

"Este caminho! sem ninguém nele, escuridão de outono." (Matsuo Basho)

Pesquisar neste blog ou na Web

MINHAS PÉROLAS

sábado, 15 de setembro de 2012

LEIS CONVENIENTES E PARCIAIS ("Quanto maior o número de leis, tanto maior o número de ladrões." — Lao-Tsé)



Crônica da vida escolar

LEIS CONVENIENTES E PARCIAIS ("Quanto maior o número de leis, tanto maior o número de ladrões." — Lao-Tsé)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

          Ao ler o pensamento de Barão de Montesquieu: "As leis inúteis debilitam as necessárias". Então, logo, vinculei a esse fenômeno o insucesso da maioria dos gestores escolares eleitos, dando lugar para os interventores estaduais. Mas, agora acho que é a má escolha de seus coordenadores, porque a conveniência individual gera inconveniência geral! E os iguais se protegem.
          Por aqui, não se pode vender iguarias e guloseimas nas dependências da escola pública. E Justificam sua CONDUTA, dizendo: — "É lei, vem de cima". Esse tipo de proibição geralmente desfigura muitas simpatias, motivando  os comuns a muitas denúncias. Assim, os superiores imediatos são obrigados a criarem outras leis para coibir, forjando consequências para quem transgredir as normas maiores. 
          Todavia, foi isto mesmo que me disse a diretora, por não declararem sua isenção à Receita Federal, as escolas entraram em dívida. Será se a culpa foi da unidade ESCOLAR? Não importa, então, ela deve pagar! Para isso, já foi formulada uma exceção na lei, dando à escola o direito, dela mesma, vender quaisquer bugigangas arrecadando dinheiro de qualquer lugar. Eu fui obrigado a vender ingressos de "sorvetada", e a estrategia usada foi do mesmo nível, dei um ponto em português ao aluno comprador, a fim de não pagar os ingressos do meu bolso. Também todos os professores estavam vendendo os tais com estrategias mil. Logo posso, já que outrora as coordenadoras nos autorizaram a dar nota em troca de frutas para "o café da manhã das mães". Agora, interessamos apenas em sanar a dívida! Minha maior preocupação aqui não é o vender ou deixar de vender, seja qual for a coisa, mas as leis inúteis do sistema educacional, homologadas a atender particularidades próprias da exploração. Quanto mal fazia o vender os docinhos na escola que não faz mais? Meus "Vales-transportes" se atrasaram este mês, será se foram incluídos no "vale-tudo"? Quando se trata da confecção do diário eletrônico, ora somos orientado digitar quatro avaliações no resumo final, ora só três, um bimestre é uma coisa, outro bimestres, outras diretrizes. E por essa falta de uma legislação firme, o professor morre de velho e não aprende fazer autônomo e corretamente o diário de classe. A propósito, para quem não sabe aonde ir, qualquer caminho está correto. 
          Outras bobagens acontecem, aliás é difícil descobrir uma norma ESCOLAR útil, por serem elas mais transgredidas que obedecidas. No entanto, o sistema vai de vento em popa: paradoxal, heim! Qual eficácia tem uma norma cheia de derivações e exceções? Não se pode "subir aula" de forma alguma, o professor não é dois, o aluno ir para casa mais cedo nem pensar. Porém, ao pagar aulas de greve, pode tudo, qualquer negociação, trabalhos quaisquer, e até aos sábados e feriados, nesse caso, a conveniência parcial impera. Uma lei pedindo a ser burlada é inútil. pois não atende a justiça geral. Se o público alvo não compreendeu o benefício da proibição, não tem disposição para se submeter. Alguém já tinha dito: "a BOA lei nasce do meio do povo".
          Uma administração que vive "apagando fogo", como diz o ditado, não cumpre um bom mandato. Os imprevistos são os furos da lei, ou prova de sua inutilidade. Exemplificamos com os fenômenos do tempo, regidos por leis naturais perfeitas, diga-se de passagem, porém, lidas por critérios imperfeitos - "subleis" - dos meteorologistas. Se não choveu no dia previsto e da forma prevista pelos noticiários, nesse caso, não foi incompetência das leis naturais, mas de quem as lera, ou melhor, das derivadas. Existem problemas inúteis, frutos de atividades desnecessárias. O mal necessário é aquele que direciona as leis necessárias!
          Um chefe legislando em causa própria e com leis parciais é frágil demais, porque não atende os interesses da maioria alvo. Assim, tais leis pedem para ser quebradas, e a quebra de uma leva a anarquia de outras. O "manda quem pode e obedece que tem juízo" já era. Quem não tem  juízo ordena o que lhe é conveniente, e a conveniência da escola quase sempre não a é a mesmo da comunidade geral. PROIBIÇÕES INFUNDADAS ENFRAQUECEM O CÓDIGO DE BOA CONDUTA. Indisciplina é falta de rumo e, improdutividade, não basta apenas estar no caminho certo, tem de rumar da maneira certa e no lado testado!!! A bússola sempre está firmemente apontando para o norte. 
Claudeko
Enviado por Claudeko em 29/04/2012
Reeditado em 14/09/2012
Código do texto: T3639409
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários



Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Postar um comentário