"Até o palhaço mais alegre do circo, pode chorar em um dia de folga." (Nátaly Seckler)

"Um bom descanso é metade do trabalho." (Provérbio iugoslavo)

Pesquisar neste blog ou na Web

MINHAS PÉROLAS

sábado, 11 de fevereiro de 2017

As PRIMEIRAs SEMANAs DE AULA ("A falta de transparência resulta em desconfiança e um profundo sentimento de insegurança".Dalai Lama)


Crônica da vida escolar

As PRIMEIRAs SEMANAs DE AULA ("A falta de transparência resulta em desconfiança e um profundo sentimento de insegurança".Dalai Lama)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

           Na primeira semana de aula, aparecem alunos de muitos lugares, de muitos perfis porque a escola não seleciona quem entra ou sai, à vista disso enche as salas de gente, muitos deles nem tem plano de ser aluno, estão ali para se mostrar. Na data determinada pelo o calendário escolar, as aulas têm de começar, por isso, funcionam de qualquer jeito, pois o horário de aula não está pronto, chego a lecionar até três aulas de filosofia numa mesma turma na mesma semana. Mas, eu mereço porque sou pontual e assíduo! Porém, muitos desses visitantes dos primeiros dias querem só pegar a autorização da escola para adquirir o vale transporte e carteirinha de estudante, depois saem. Outros vêm fingindo de aluno para vigiar a namorada, até ganhar segurança de que a tal estará em lugar seguro ou só para dizer que ela tem um dono, logo não retornará mais. Outros ainda vão para a sala do terceiro ano, mesmo sabendo que foram reprovados no segundo: vai que cola! Eu já vi alguns alunos que "formaram", e outros que mudaram de escola, mas aparecem nos primeiros dias para matar a saudade dos colegas ou ostentar que foram matriculados no colégio militar ou em um outro particular. Em todas as minha aulas desse período temporão, aplico uma atividade genérica, sabendo que nem posso cobrar aprendizado, ai de mim se aplicar uma avaliação na segunda semana de aula! Por esses motivos, resta-me levar um lápis para acrescentar muitos nomes fantasmas nas listas provisórias de chamada, pois muitos que estão ali, nem foram devidamente matriculados.
           Já na segunda semana de aula,  começa o rodízio, aparecem os espertalhões, que aproveitaram para dormir um pouco mais. São conscientes do mau andamento das atividades escolares nesse início. Então levaram algumas faltas nas folhas improvisadas de chamada, mas nem se intimidaram, elas não os prejudicarão, são poucas de mais e leva um tempo para cadastrar as turmas no sistema informatizado. E isso não será feito até que os professores esquadrinhadores da harmonia mexam com alunos de todas as salas, remanejando-os para separar os conversadores dos conversadores, misturando-os com os "nerds", e alguns professores continuam pedindo as mudanças, mesmo percebendo que a medida não resolve nada. Eu até me dobraria em elogios se as turmas fossem compostas por série e idade. Não por comportamento. Se mudando de lugar mudasse o caráter do aluno, estaria valendo, mas não muda, apenas a fruta podre apodrece as outras. Podre e machucada pelo bullying, diga-se de passagem. 
           No início da terceira semana, quando o horário de aulas já está pronto, mudam-se as normas da modulação porque não podia daquele jeito, reprovou a Secretaria de Educação. Lá vai o diretor remodular todos os professores e então mais uma semana sem horário novamente. Confusão total. A mudança faz parte da estratégia das autoridades da educação, para manter a unidade dependente e apreensiva, "pisando em ovos". Se tem que mudar nunca se especializam em nada, essa é a ideia, a rotatividade não dar tempo para melhorar nada. Aí descobre-se que o quadro de professores não está completo, porém as turmas não podem ser liberadas mais cedo, e o circo pega fogo. Os veteranos se desdobram além do limite.
            Só no segundo mês, a poera vai baixando e uma boa porcentagem dos 200 dias letivos já foi para o ralo. E acho uma boa medida, se a primeira semana de aula, fosse aproveitada para fazer o horário das aulas, alunos providenciarem seus livros e uniforme, e a direção só desse o tiro para largada quando todos estivessem prontos para a competição. Assim a credibilidade aumentava. Infelizmente o que acontece todos os anos é o acobertamento das brechas com aulas não contabilizadas ou validando as infrutíferas, importando mais a quantidade, que tem a ver com a aparência; em detrimento a qualidade, que tem a ver com resultados. O bom seria, só convocasse os atletas para correr quando a pista estivesse pronta. Disse J.F. Leão: "A prática do trabalho em equipe com respeito, lealdade, generosidade, empatia, transparência, são fatores essenciais para uma conduta Ética e vencedora."    
Kllawdessy Ferreira

Comentários

Enviado por Kllawdessy Ferreira em 11/02/2017

Reeditado em 11/02/2017
Código do texto: T5909493 
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Postar um comentário