"Tardar não é falhar. É apenas o ato de ponderar." (Milena Jane Maluf)

"A maneira mais correta de resolver um problema é transferir para outra pessoa." (Vitor Curioso)

Pesquisar neste blog ou na Web

MINHAS PÉROLAS

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

RELAÇÕES SUBORDINADAS E A SÍNDROME DE BURNOUT NA ESCOLA (Doença gera doença!)


Crônica

 RELAÇÕES SUBORDINADAS E A SÍNDROME DE BURNOUT NA ESCOLA (Doença gera doença!)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

          O Coordenador pedagógico inspeciona os professores para dar um ar de seriedade ao sistema, vendo se eles estão favorecendo descaradamente os alunos. Será se os alunos acreditam mesmo nos favores dos professores? Por que quando o professor reprova o aluno, torna-se inimigo do coordenador e inimigo do aluno? E a maior loucura está no fato de que o professor não pode aprovar facilmente o aluno e nem pode reprovar facilmente o aluno! Quem entende isso facilmente? Podemos responsabilizar o coordenador pelo sucesso ou insucesso dos alunos? Indiretamente, sim, pois vivem dizendo dos professores: — "Vocês não têm moral com os alunos; Não tem domínio de classe, devem ser mais 'duros', instituindo a disciplina na classe". Na minha graduação, não estudei para dominar classe, porém sim dominar o conteúdo! Então, eu entro em desespero quando a coordenadora me aconselha a aplicar todo rigor das normas, mas, assim, os alunos frequentemente se sentem prejudicados e trazem seus pais enraivecidos a fim de pressionarem-na, que esta, por sua vez, contraditoriamente, defende os alunos, afinal os clientes não podem evadir-se, e, mais uma vez, repreende-me, ali mesmo na frente, aos olhos e nos olhos, entre todo mundo. Pois bem, fico humilhado por razão, quase sempre, fútil. Vai entender! É Burnout com certeza.
          A presente geração docente é a mais qualificada já visto e também a mais criticada. É fácil tachar todos os professores de revoltados, rebeldes e dignos das pressões de quem os lidera. Disse o Dwight Eisenhower, 4º presidente dos Estados Unidos: "Não se é líder batendo na cabeça das pessoas - isso é ataque, não é liderança." Por isso, os problemas da educação não se resolvem atribuindo culpa e massacrando os professores. O poder do líder precisa ser tornado eficaz na direção certa. Ser um bom professor envolve a clara convicção que está fazendo o certo. Obedecer a coordenadores orgulhosos e ditadores significa conflito com o mundo do crescimento e da prosperidade. Não vejo como conciliar as ideias de um professor que possui  boa formação e bem intencionado na aplicação de seu conhecimento, com o jogo de coordenador politiqueiro para manter-se no poder dentro do estabelecimento trabalhista. A pressão psicológica mata o professor, e, por tabela também, o opressor...!
          Talvez aliviasse um pouco, dando segurança a os coordenadores, se fossem escolhidos por critérios democráticos e não espúrios: amizade com o diretor, indicação de político apadrinhada e impossibilidades à sala de aula (doença). Se houvesse uma licenciatura na faculdade específica para formar coordenadores pedagógicos, talvez eles nos ensinassem como "dominar classe". Ou ainda, se houvesse eleição direta para coordenadores nas unidades escolares, eles não precisassem recorrer a comportamentos injustamente repressores, mantendo-se no cargo, pois seriam escolhidos pela maioria. Então se sentiriam à vontade em meio aos amigos. Doença gera doença! "Chefes ruins são geralmente verbalmente agressivos, narcisistas e podem até se tornar violentos. Frases típicas dos chefes ruins são: 'Aqui nada funciona se eu não estiver por perto!', 'Nós sempre fizemos assim!' ou 'Agradeça que você tem um emprego.' Claro que não é fácil para ninguém largar o emprego e começar tudo de novo, mas a motivação para trabalhar de quem se encontra em uma situação dessas desaparece totalmente." (https://www.linkedin.com/pulse/artigo-revela-que-um-chefe-ruim-pode-adoecer-os-ana-colombia)
           O que esperamos de um coordenador pedagógico não é que ele saiba profundamente todas as matérias para dizer como os professores devem ensiná-las, mas que nos conforte com a segurança de que estamos fazendo um bom trabalho. E se não que, pelo menos, seja-nos oferecido o modelo correto da forma mais convincente. Parceiros não são inimigos. "Sucesso é saber a diferença entre perseguir as pessoas e fazer com que as pessoas fiquem do seu lado."


Claudeko
Publicado no Recanto das Letras em 04/10/2010
Código do texto: T2536936

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários



Postar um comentário