"Torna-te aquilo que és." (Friedrich Nietzsche)

"Não existem más influências, existem pessoas sem personalidade própria." (Demi Lovato)

Pesquisar neste blog ou na Web

MINHAS PÉROLAS

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

SEMANA DE PROVAS (O que prova a prova afinal?)




Crônica

SEMANA DE PROVAS (O que prova a prova afinal?)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

           Esta semana é “a semana de provas”! Logo no início, senti-me acaçapado, pois já tinha avaliado meus alunos através de suas apresentações em grupos e vistado as atividades corriqueiras da disciplina, de acordo combinado com eles. Mas, não teve jeito, fui impostamente encaixado no horário especial de prova. Tive também de aplicar prova de outras disciplinas, ajudando os colegas, e, depois, ter de aplicar um exercício do livro, tentando preencher a hora reservada a mim. O mais deprimente foi assistir aos alunos, ao invés de fazerem a atividade de Língua Portuguesa, valendo um pontinho, estavam absortos, com o livro de história na mão, estudando para prova seguinte. O pior em aplicar a prova do colega é ser obrigado a corrigi-la! Já passei por isso na tal semana de prova!
           Tudo isso, levou-me a perguntar: os professores abriram mão da autonomia na conveniência de avaliar? Ou é essa a verdadeira autonomia? Também, não entendi quando foi decretado sobre as folhas de prova passarem primeiro pela inspeção da coordenadora! Quem melhor elabora uma prova convincente, a "gregos e troianos", senão o catedrático na disciplina? O que deve ser cogitado sobre a eficácia de uma avaliação, diz os grandes cientistas da educação, é mais o processo e menos o instrumento forjado para punir! Qual o limite da avaliação contínua, tão pensada nas escolas modernas, se apesar dela, o aluno ainda é submetido à tortura de ficar três horas sentado, tentando merecer de 30% a 60% da nota bimestral, necessária à promoção dele? Pois, afirmo desde já, a avaliação contínua — valorização de todo passo positivo do aluno — serve suficientemente e pedagogicamente para a aprovação do aluno dedicado, só ela basta para o observador formular conceitos justos e coerentes! Às vezes, fazemos distinções pedagógicas muito sutis, nos perdemos em meio a instrumentalização e nos arriscamos em aspectos fúteis das provas de "múltiplas escolhas", fingindo aferir níveis reais. Todavia, nada tem importância, no final, deve resultar na "progressão continuada"! Esta foi prevista na LDB, Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei 9394/96, artigo 32, parágrafo segundo). “Respondendo a este desafio, tem sido defendida a necessidade de se substituir uma concepção de avaliação escolar punitiva e excludente por uma concepção de avaliação comprometida com o progresso e o desenvolvimento da aprendizagem.”  Observa a Professora Zilma é Chefe de Gabinete da Secretaria do Estado da Educação de São Paulo, Membro do Conselho Estadual de Educação, Professora dos Programas de Pós-graduação da FEUSP e da FFCLRP de Ribeirão Preto – USP.(http://www.moodle.ufba.br/mod/book/view.php?id=10032&chapterid=9145) - acessado em 29/05/2016. 
          Ou ainda, a tal autonomia dos professores tão defendida firma-se em pagar cópias de provas ao aluno e ver muitos deles amassá-las na sua frente? Ou ainda, depois guardá-las no armário, pois não tiveram tempo de corrigi-las embrulhados na burocracia, só restando inventar uma nota boa para enfeitar os índices tão desejados por coordenadores imp(r)udentes, garantindo-lhes a aparência de "bons carrascos"?  Na verdade, nem podemos devolver as provas corrigidas para os alunos, porque os que tiram nota baixa destrói a folha de prova e diz que o professor não devolveu a dele! O que significa nota boa no final. pois o professor tem de assumir a culpa, o aluno não vai fazer outra. E também, o que diagnostica uma prova, da qual o professor dá as questões e as respostas na véspera da aplicação? E este dito cuja ainda elogia os alunos que acertaram as questões de ontem!
          O que é mais proveitoso para o aluno: ter suas atividades diárias valorizadas com alguns décimos até formar uma nota satisfatória ou enfrentar a constante ameaça sobre isso ou aquilo vai cair na prova? Eu poderia enumerar algumas das vantagens de ameaçá-lo diariamente com os conteúdos ministrados. Mas, compreendo também as consideráveis vantagens em formar a nota do aluno valorando as atividades diárias bem concluídas. Não estou aqui condenando completamente a avaliação, porém estou falando sobre a instrumentalização, quero método geradores de maiores notas aos mais dedicados, assíduos e os que se negam a colar. Porque os que colam, achando que suas respostas estão iguais as do colega que tirou nota maior, eles acusam o professor de ter julgado pela cara!
          Reservar uma semana de prova requer um horário especial e massantes lembretes, assim só "deixa o aluno apreensivo, fazendo-o sentir-se como alguém não aprovado, no sentido de recusado, deixado de fora, não apropriado, julgado, com sérios resultados negativos para a autoestima e futuras aprendizagens. A cobrança institucional esvazia o jovem do poder de concentração e criatividade". É valorizar demais uma prova escrita em detrimento das outras diagnosticações. 
          Essa semana institucional, não interpelada por aluno algum, bem pudera, pois força o sair mais cedo, o que deveria ser bom, assim os professores terão tempo de corrigir suas provas, na hora regular de trabalho. Mas, alguns coordenadores não gostam de vê-los folgados, determinam, na tal semana, que se tenham três aulas iniciais e só depois do recreio, seriam aplicadas as provas! Não sabem os organizadores que assim, forçam os alunos, que usam o trasporte escolar, a devolver uma prova de múltiplas escolhas às carreiras, sem lê-la direito. Não há como evitar, "jogam no bicho".
           Discute o professor do Departamento de Ciências Sociais, Universidade Estadual de Maringá (UEM); Editor da Revista Espaço Acadêmico e Revista Urutágua, Antonio Ozaí da Silva: “O que prova a prova afinal? Nada. Ela é um instrumento burocrático de controle que legitima o poder da instituição e, em decorrência, dos professores. Afinal, como controlar a turma sem a “prova”? E o pior é que parece não ter como romper com o esquema. Mesmo quem discorda, tem que “dar a nota”. Não obstante, é preciso avaliar. Como fazê-lo de uma maneira justa e que estimule a solidariedade e o aprendizado?” (https://antoniozai.wordpress.com/2007/11/21/o-que-prova-a-prova/) - acessado em 28/05/2016.
          Então, não me venha pedagogo algum apresentar a ideia na qual o professor deve encarar a prova como um indicador de qualidade; pois ela nada pode fazer pelo sucesso do aluno se ele não tiver uma afinada capacidade de memorização. E as inteligências múltiplas e outras competências não visadas por ela? E não me diga sobre o aluno que não faz prova não aprender nada! E o sistema pare também de exercer pressão ao professor para passar o aluno de série, mesmo sem mérito algum, pois por medo de ter de refazer diário de classe, faz do seu método de avaliação uma generosidade doentia ao invés de adotar critérios justos. Deus me perdoe!
          A semana de prova, quando é só provas, para uma coisa presta: os alunos saem mais cedo, ficam na porta da escola vulneráveis à violência da rua, esperando o transporte escolar até mais tarde; enquanto isso, brigam e tumultuam. O maior número de ocorrências vergonhosas da escola, refiro-me também às desavenças entre professores, ocorre exatamente na semana de provas! E "pelo andar da carruagem", por aqui, toda semana é de "provas". Estão até confundido prova substitutiva com "prostitutiva"! 
Claudeko
Publicado no Recanto das Letras em 17/06/2009
Código do texto: T1652808

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários               Comentar


15/09/2015 11:07 - Fran Oliveira [não autenticado]
Uma visão pequena, embora o texto seja bem amplo. A semana de avaliação, horários estabelecidos, disciplina, rigor e outros elementos que envolvem o momento da avaliação depende muito dos profissionais envolvidos, de como são trabalhados. Absurdo algumas partes do texto, visão alienada da realidade. Perplexo! Considero este tipo de depoimento, típico de professor que não gosta do que faz, que não quer ter trabalho, que se esconde atras do "oba, oba"!!!


18/06/2009 10:31 - Kênia Ribeiro
O principal objetivo da escola de hoje é ensinar o aluno a ser avaliado, o conhecimento e as habilidades ficaram em segundo e terceiro planos.O importante é preparar o aluno para ser testado, não para se realizar como ser humano. O lema agora é: "seja um bom fazedor de prova!A qualquer custo consiga uma boa nota e você terá sucesso!" Triste realidade...


17/06/2009 19:08 - Jô Costa
Excelente reflexão. Avaliar vai além de medir conhecimentos por escores, mas infelizmente nosso sistema de ensino pede notas e acabamos, como professores, nos escravizando ao sistema que criticamos.



Postar um comentário