"Torna-te aquilo que és." (Friedrich Nietzsche)

"Não existem más influências, existem pessoas sem personalidade própria." (Demi Lovato)

Pesquisar neste blog ou na Web

MINHAS PÉROLAS

sábado, 28 de julho de 2012

(RE)POSIÇÃO DE AULAS DA GREVE ( O último elemento norteador da lambança)



Crônica

(RE)POSIÇÃO DE AULAS DA GREVE ( O último elemento norteador da lambança)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

          O último elemento norteador, de que as greves de professor resultam no faz-de-conta crônico da educação, condiz exatamente com o proposito da comunidade escolar, é que, dessa vez, a "reposição", dos dias não trabalhados, começa antes mesmo da assembleia avaliativa dos sinais de cumprimento do governo. Pelo menos, descobri que é preciso muita imaginação para o faz-de-conta prevalecer! Aliás, a palavra "reposição"  também reforça a lambança. vem do Latim "repositio, onis"- voltar a pôr ou colocar algo ou alguém no lugar ou estado que tinha antes. Como pôr novamente algo que ainda não foi posto nenhuma vez? Então, acho mais adequado chamar esse intento de cumprimento das aulas do calendário letivo.
         Esse cumprimento proposto das aulas da greve cheira-me punição apenas. O calendário oficial de "reposição" discrimina só a quantidade de aulas, as quais o professor tem que pagar a qualquer custo, mas em que turma, quais conteúdos, a quais alunos, isso não se fala, não lhe interessa ("A  reposição começará no dia 14 de abril e haverá reposição aos sábados, tendo como limite as 18 horas, o que significa que os alunos que estudam no período da noite poderão ter aulas no final de semana em outro turno" — SINTEGO.). No sábado, o transporte escolar municipal não funciona, e os religiosos (Adventistas) não trabalham, diga-se de passagem! Isso prova que o foco é o professor devedor não o aluno perdedor. Aqui o que importa à lei é a quantidade. A turma do mal, ou melhor, a banda podre já fala até de fazer um evento de jogos interclasses para valer como cumprimento das aulas da greve; passeios. E que  tal, uns trabalhos extraclasse para contar também?  Com a sinalização do corte de ponto aleatoriamente, será que o governo quer que os servidores que, por motivos tais como: licença maternidade, licença saúde e férias-prêmio, pague pela greve que não fizeram?
          E se o alunado não quiser aulas aos sábados? Eu até gostaria de presenciar uma revolta de aluno, por esse motivo, para eu ver a inédita  atitude do governo: como ele pagaria os "pontos cortados". Aí, as aulas não aconteceriam, e o que os professores grevistas iriam fazer? E os tutores das subsecretarias (duplas pedagógicas) iriam fazer o quê? Aliás, a presença destes na Unidade Escolar subestima a competência do grupo gestor. E oprime os talentos para que as inovações bem intencionadas, em consonância com a realidade particular, venham à tona. Talvez a Unidade Escolar tenha uma ideia melhor!!! E sempre tem, nas aulas vagas do professor que não veio hoje, porque estava de atestado médico, o outro devedor da greve soma para si. Então dois professores ganham por uma aula só. "Bola de neve"!
          Uma greve gera outra greve, esta que, por sua vez, já acontece continuamente: " a operação tartaruga"!
Claudeko
Enviado por Claudeko em 31/03/2012
Reeditado em 26/07/2012
Código do texto: T3586115
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários



Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Postar um comentário