"O silêncio é o santuário da prudência. Baltasar" (Gracián y Morales)

"Prudência é saber distinguir as coisas desejáveis das que convém evitar." (Cícero)

Pesquisar neste blog ou na Web

MINHAS PÉROLAS

sábado, 24 de novembro de 2012

PARASITAS NO DESTINO DE QUALQUER UM ("Os alunos comem o que os professores digerem". Karl Kraus.)



Crônica

PARASITAS NO DESTINO DE QUALQUER UM ("Os alunos comem o que os professores digerem". Karl Kraus.)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

          Nem todo doente é marginal, mas todo marginal vive doente! O transgressor herda igualmente a recompensa, a justa dor e o sofrimento por causar a dor e o sofrimento em outrem. Confirmo minhas palavras em Gl 6:7 "...pois aquilo que o homem semear, isso também ceifará". Quando eu amaldiçoo alguém, eu desejo profundamente o cumprimento de minhas palavras, consciente como perdedor dum pouco do bem existente em mim, mas  as pronuncio com a força e a certeza de que nem um mal vai ficar impune. Então ordeno a punição já predeterminada na lei do universo, então é certo o resultado ou consequência para quem quebrar essas leis. Sou visionário do mal, também o sou do bem.
          Todos os parasitas, ou os de comportamento parasitário, incluindo os do governo, mais metaforicamente, têm que pagar pelo alimento tomado sem escrúpulo. A relação parasitária não é mutualista. Um parasita come os outros na disputa por hospedeiro escasso. E por último, "o cachorro se sacode quando as pulgas o incomodam" (Raul Seixas).
          O único hospedeiro que não perde substância vital quando é sugado é o professor. "Os alunos comem o que os professores digerem" (pensamento de Karl Kraus). Mas, para não deixar os professores impunes, pela sua esperteza, alunos maltratam-nos, defecando em nós os restos apodrecidos ou (re)digeridos de nosso próprio alimento. Assim constroem seus argumentos, ou melhor, enfeitam suas reclamações! Agora fujo dos extremistas, abusadores e exploradores, porque querem fazer de mim racista, homofóbico e discriminador. forçando-me aceitar suas acusações, mas tornei-me minorias, pois elas são muitas. "Já fui mulher eu sei"... Eu queria ser como Luis Fernando Verissimo pensa: "Não viro a cara para meus acusadores, embora eles só mereçam desprezo, mas os enfrento com um olhar límpido como minha consciência e um leve sorriso no canto da boca." 
          Eu ainda não sei qualificar essa relação: Professor/aluno. Ficaria bem: "emulação"? Enquanto isso, lá no pátio, parasitas destroem os bens materiais dos hospedeiros! Estragaram o botão de partida de minha moto, furaram o pneu do carro da velha professora de história, Lucivânia, riscaram o carro do professor Flávio, isso é constante nas escolas públicas. Minha última maldição é: tomara que o destino faça a justiça, da qual  eles são merecedores, antes mesmo de suas vítimas morrem sem motivo para louvar a vingança intercessora de Deus. Às vezes, chego a pensar se merecemos mesmo esses maus-tratos e prejuízos! Onde aprenderam tanta maldade e ingratidão? Eu não entendo o porquê da maioria dos alunos ter tanta inveja dos professores, pois não suporta vê-los bem: Estraga seu carro, rouba seus pertences, cobiça sua superioridade mental, porém não quer aprender deles! Se fazem rivais confiando na sua juventude, mas nem o tempo está a seu favor, por isso não reduz as consequência das maldades deles. Disse George Bernard Shaw: "A juventude é uma coisa maravilhosa. Que pena desperdiçá-la em jovens".

Claudeko
Enviado por Claudeko em 23/06/2012
Reeditado em 26/06/2012
Código do texto: T3739546
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários


Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Postar um comentário