"Todas as coisas complexas estão condenadas à decadência." (Buda)

"Evoluir não é melhorar. A lagarta jura que a borboleta é a sua decadência." (Fabrício Carpinejar)

Pesquisar neste blog ou na Web

MINHAS PÉROLAS

domingo, 25 de agosto de 2013

OS EX-MISERÁVEIS DA DILMA (Por que se ofendem tanto quando lhes acuso de beneficiados?)


CrÔnica

OS EX-MISERÁVEIS DA DILMA (Por que se ofendem tanto quando lhes acuso de beneficiados?)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

         Fui ameaçado de ser processado, por uma aluna do terceiro ano do Ensino Médio, quando eu repreendia outros desordeiros daquela classe, chamando-os de "Miseráveis". É, e o meu miserável nem tinha a profundidade semântica ou a corrosão semântica que ela atribuiu! Uma carapuça demais berrante! Pensei apenas na pobreza intelectual com que a maioria deles está fadada a conviver e reforçar o meio educacional público: o senso comum. Pressionado e constrangido, na ocasião, fiquei tão miserável, digno de compaixão, quanto eles! Depois confortei-me um pouco mais enquanto tentava justificá-me, do mesmo modo, refletindo sobre os miseráveis da presidente Dilma Rousseff: "disse nesta quarta-feira que o número de miseráveis no Brasil cairá para 2,5 milhões de pessoas, a partir deste mês, quando começar a ser pago o novo benefício do programa Brasil Carinhoso, que ampliou o Bolsa Família. O governo classifica como miserável quem sobrevive com até R$ 70 mensais per capita. Dilma prometeu erradicar a pobreza extrema até o fim do mandato, em 2014." (http://oglobo.globo.com/pais/numero-de-miseraveis-no-pais-vai-cair-para-25-milhoes-diz-dilma-6936420) (acessado em 25/08/2013).
          Muito dos consumidores dos benefícios do Governo são meus alunos, igualmente no Ensino Fundamental, que é requerido deles, como um dos critérios, para receberem o benefício, a frequência escolar. Até aqui, não há nada de errado nisso.

          Sou um dos "Miseráveis da Dilma", também, enquanto professor e funcionário público com um mísero salário que ganho, frente ao tamanho do desafio e da responsabilidade que tenho: "carpinteiro do mundo" (Raul Seixas). Versus tantas leis contra o "desmatamento"!!! Uma metáfora de conteúdo paradoxal, não?

          O outro lado miserável dessa história toda, é que todos os que são beneficiados pelo programa "Bolsa Família" assumem lastimosamente o papel de miserável em extrema pobreza: Eles passaram na triagem! Por que se ofendem tanto quando lhes acuso de beneficiados? Os filhos adotados do  "Brasil carinhoso"!

          Então, miseráveis materiais e miseráveis intelectuais demos vivas aos amparos do governo, uma coisa leva a outra: "Em seu discurso nesta quarta-feira, Dilma destacou o papel do Bolsa Família na diminuição da pobreza extrema, afirmando que cerca de 18 milhões de pessoas continuariam na miséria, se não fosse o programa de transferência de renda".

          Corrija-me quem puder, mas entendo que eu, na qualidade de professor público, sou uma extensão dos benefícios do governo (também carinhoso) para os outros "miseráveis" mais humildes. Os processadores querem mais dinheiro fácil!
Claudeko Ferreira
Enviado por Claudeko Ferreira em 09/03/2013
Reeditado em 25/08/2013
Código do texto: T4179265
Classificação de conteúdo: seguro
Comentários

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Postar um comentário