"A esperança seria a maior das forças humanas, se não existisse o desespero." (Victor Hugo)

"Uma falsificação é impossível quando não se tem o modelo a falsificar." (Helena Blavatski)

Pesquisar neste blog ou na Web

MINHAS PÉROLAS

segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Desabafo docente: a profissão está se tornado uma missão impossível


Enviado em 25/08/2013 às 22h25

Desabafo docente: a profissão está se tornado uma missão impossível

DIÁRIO DA MANHÃ
ADRIANA LUCIA DA SILVA
Pensei algumas vezes antes de iniciar esse texto, analisei a minha profissão, a luta diária em busca de uma educação de qualidade. Pensei na minha sala com 34 crianças para alfabetizar, analisei sua história de vida e me assustei mais uma vez com uma constatação, a única categoria realmente preocupada com a educação, são os professores.
Acredito muito naquela máxima de que você tem de estar na pele do outro, para compreender sua dor. Penso que talvez, só quem esteja na mesma situação pode me compreender, quando falo do acúmulo de funções, da falta de recursos humanos e materiais nas escolas, da quantidade de alunos, ma em especial da desvalorização crescente da profissão docente.
Vi alguns textos informando que o MEC vai criar um programa chamado Mais Professores, acredito que não haverá rejeição da nossa classe em relação a mais professores trabalhando não, só tenho minhas dúvidas se algum profissional vai querer aderir, principalmente levando em conta o desrespeito  a que somos submetidos, duvido muito que nossos caros colegas que já se aposentaram, convivendo com vários anos de desrespeito e baixos salários, vão se sentir atraídos para voltar as salas de aula.
Cito como exemplo desses desrespeitos constantes, a situação vivida na rede municipal de Goiânia.  para sermos admitidos na rede, passamos por um criterioso processo seletivo, no qual devemos dominar todas as áreas da educação, políticas, educação especial, gestão escolar, teorias de aprendizagem, e por aí vai. Para podermos melhorar nosso salário um pouco, devemos ter uma carga de 1080 horas de cursos de pós-graduação, e quando protocolamos tais cursos esperamos ate 1 ano para começarmos a receber.
Agora a ultima que deixou todos os profissionais mais decepcionados ainda com a profissão, foi a questão do difícil acesso. Na qual o Ministério Público, acredita ser ilegal essa ajuda de custo com transporte, levando em conta que agora tem o bilhete do poupa tempo no transporte coletivo. Vamos combinar minha gente, o transporte publico de Goiânia vai ser capaz de receber  mais 9000 usuários todos os dias em horários de pico? Pois esse é mais ou menos o quantitativo de professores da rede. Outra coisa, vocês acreditam ser possível chegar as 7h em alguma escola usando o transporte público?
Quero deixar claro, não recebo esse benefício, mas convivo com colegas que moram longe, que trabalham 2 até 3 turnos, alguém acha possível esse trabalhador conseguir chegar ao seu destino de ônibus? minhas dúvidas são muitas, principalmente quando penso que sou uma profissional de nível superior, que fiquei 4 anos em um banco de faculdade e mais 2 de pós-graduação, e que as pessoas teimam em me ver como uma voluntária, ou como uma pessoa que faz algum tipo de sacerdócio.
Ser professor é uma profissão digna de todo respeito, trabalhamos por que gostamos de nossa profissão, mas também para cuidar de nossas famílias, para podermos ter uma vida digna. Sabemos que não vamos ficar ricos sendo docentes, e nem é esse nosso objetivo. No entanto, não queremos mais perder direitos adquiridos, mas sim lutar por outros que ainda não foram consolidados. Acredito que minha fala relata a indignação de muitos colegas. E utilizo esse instrumento de comunicação para dizer: “Exijo respeito”, pois trabalho com respeito, cumpro meus deveres, pago meus impostos e sou uma cidadã.
(Adriana Lucia da Silva, pedagoga da rede municipal de Goiânia)
Postar um comentário