"Carnaval era meu, meu. No entanto, na realidade, eu dele pouco participava." (Clarice Lispector)

"Passado o carnaval todos colocam as máscaras..." (Aline França)

Pesquisar neste blog ou na Web

MINHAS PÉROLAS

sábado, 25 de agosto de 2012

PERFIL DO ALUNO DE "SUCESSO" ("Aprendi o silêncio com os faladores, a tolerância com os intolerantes, a bondade com os maldosos; e, por estranho que pareça, sou grato a esses professores."— Khalil Gibran)



Crônica

PERFIL DO ALUNO DE "SUCESSO" ("Aprendi o silêncio com os faladores, a tolerância com os intolerantes, a bondade com os maldosos; e, por estranho que pareça, sou grato a esses professores."— Khalil Gibran)

Por Claudeci Ferreira de Andrade

          O aluno de sucesso foi criado pela instituição familiar, conjugada com a igreja e escola, ensinaram-no sobre o verdadeiro cidadão, sendo ele reivindicador de seus direitos, mas se esqueceram de lhe dizer que só é digno de direitos, quem cumpre seus deveres. Ensinaram-no sobre o verdadeiro cidadão, como sendo ele conquistador das atenções, para não passar despercebido em nenhum momento sequer, impõe-se, entretanto se esqueceram de lhe dizer, também, que a "palhaçada" faz a diferença, porém é inútil, nesse caso. No Brasil, só o Tiririca é um palhaço de sucesso.
          O aluno de sucesso não pode ver uma aglomeração barulhenta que ele corre para lá, gritando: — Porrada! Porrada! Porrada!!! Como o mundo MODERNO o ensina melhor! Hoje, já se separa brigas com "splay' de pimenta, e há colírios desirritadores dos olhos enfumaçados das coisas. E ainda se atreve fazer o inédito relatório do tumulto, porque presenciou só o alvoroço!
          O aluno de sucesso não se acanha em transgredir qualquer lei ao realizar seus caprichos: mente, rouba, xinga, edita conversas no celular, ameaça, tenta subornar etc. Depois apossa-se do fingimento para parecer vítima e continuar sorrindo, de consciência limpa, àqueles que ele massacrou.
          O aluno de sucesso reivindica igualdade com os seus professores, e sai gritando nos corredores: — "Se o professor pode, eu também posso!" Mas, a atitude referencial não são os dons dos mestres, porém as mazelas deles, pois não são perfeitos. Então o aluno reclama porque o professor não usa uniforme, às vezes atrasam e ostentam alguns privilégios, tipo: o lanche diferenciado. Ele copia mais os erros dos professores do que os seus acertos. Alguns zelam por uma camuflagem: O olhar penetrante; cabelos desgrenhados; mochila sempre nas costas; telemóvel no bolso da camisa; muitos livros nas mãos; calça com muitos bolsos estufados; bracelete além de relógio; são mais populares que  os professores na unidade escolar.
          O aluno de sucesso, mesmo não sabendo escrever corretamente, incapaz de fazer uma redação escolar, quando alguém lhe avisa de um erro de desempenho na escrita do professor, ele escandaliza e grita debochadamente: — "Que professor de português é esse?!" Humilhar os professores lhe importa mais, assim ele sobrepuja em sua busca de reconhecimento dos aprendizes ao sucesso.
          Esse tipo de aluno, é sempre bem orientado para buscar ajuda junto às autoridades assistenciais, caso o sucesso esteja demorando. Por supostos prejuízos, choram e obrigam seus pais, que nunca podem ir à escola buscar seu boletim, a irem desacatar professores e coordenadores. Sair por cima é o interessante, depois ele restaurará a relação com os ofendidos, fazendo gracinhas, desta vez,  convenientes.
          O aluno de sucesso está sempre nervoso, e procura resolver qualquer situação de forma violenta, por mais simples que ela seja, indicando que o ódio deve superar a razão. Fazendo medo a todo mundo, assim diminuem seus desafios. Mas, esqueceram de lhe dizer que responder os desafios o fará grande. 
          O primeiro passo na busca do sucesso é o aluno rodar o livro no dedo. O livro fechado em alta velocidade em seu dedo é uma forma de domínio. As alunas de sucesso já não podem fazer essa lição, por causa das unhas bem trabalhadas, mal pegam na caneta para não estragá-las, então se agregam aos dominadores e riem por bobagem, como sinal de apoio, desfrutando do status.
          O professor, que quer sobreviver, submete-se  ao "passo-a-passo" do aluno "herói" e o elege como representante de classe, ou seja, pega carona com os bem-sucedidos para sofrer menos, mesmo tendo de assinar uma advertência a cada semana por denúncias de aluno, questionando o trabalho dele. Eu recorro, também, à ironia, minha arma, até então, secreta.          
Claudeko
Enviado por Claudeko em 15/04/2012
Reeditado em 25/08/2012
Código do texto: T3613632
Classificação de conteúdo: seguro


Comentários



Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Postar um comentário