"Não é o significado da vida, mas o sentido dela." (May Iakulo)

"Que eu não aprenda o significado da vida, no ultimo minuto do segundo tempo." (Day Anne)

Pesquisar neste blog ou na Web

MINHAS PÉROLAS

quarta-feira, 10 de julho de 2013

O ensino além do quadro-negro


09/07/2013 às 21h09

O ensino além do quadro-negro

DIÁRIO DA MANHÃ
VANDERLAN DOMINGOS DE SOUZA

Tempos idos o processo de aprendizado era de certo modo arcaico. Sou do tempo em que estava sendo aposentada a palmatória, uma espécie de colher de pau que tinha uns furinhos na ponta. Mas, de qualquer forma os professores continuaram rígidos e por simples deslize, o aluno ficava de castigo e dependendo da “arte” era suspenso ou expulso da escola. Essa rigidez nunca me afetou, pois sempre fui um aluno comportado e prestava bastante atenção às aulas. O saudoso professor padre Otávio, de quem carrego boas lembranças, não usava a palmatória, mas, um sininho que ficava em cima de sua mesa. Coitado do aluno indisciplinado! Quando menos esperava aquela peça barulhenta era recebida pela cabeça ou lombo do aluno, doía e não adiantava resmungar. O padre usava essa ferramenta dentro da sala de aula e quando desfilávamos no pátio, uma varinha verde, e o aluno que desobedecia a marcha, recebia uma varada nas pernas e esta doía muito mais!
Naquele tempo, na sala de aula, em muitos casos, saia-se da palmatória para o vácuo total de autoridade. O modelo de ensino – alunos massacrados por professores tiranos que usavam a régua para espancar quem errava a tabuada – tornou-se tão anacrônico quanto às polainas. E não podia ser diferente. O problema é que o oposto desse modelo, o não-reconhecimento da autoridade do professor, tornou-se comum no Brasil, tanto na escola pública quanto na particular – onde o aluno aprendeu a ver o educador como um prestador de serviços, um funcionário que pode ser confrontado, questionado e até injuriado, inclusive, quando faz corretamente seu trabalho, reprovando e cobrando desempenho. Um professor ameaçado fisicamente pode chamar a polícia ou abrir um processo, mas, hoje, há outras situações inusitadas que vêm ocorrendo no Brasil. Os pequenos desrespeitos cotidianos – como vemos na TV, alunos atirando em colegas dentro da escola, outros portando armas de fogo e facas; alunas sacando da bolsa o esmalte e a acetona para fazer as unhas durante a aula... – são os mais assustadores. Não apenas porque mostram que os alunos, nossos futuros juízes, médicos, professores... não têm a mínima noção do que estão fazendo ali, mas porque uma instituição de ensino que permite que isso aconteça está mais perdida ainda do que os alunos. No meu tempo de aluno, definitivamente não era assim, pois o sininho, a varinha verde, o cascudo e a régua caíam frouxos sobre nosso corpo.
Felizmente, hoje, mesmo com a falta de estrutura física para lecionar com dignidade e de material, do salário irrisório e do total abandono da escola pelo poder público, entendemos que, em razão da garra de muitos abnegados professores, o ambiente educacional está deixando um pouco de lado o quadro negro e eles, para não deixar a “peteca cair”, estão a aplicando novas metodologias com o auxílio da ciência e tecnologia, porque com ela, sabem que pode promover sua própria capacitação e a do educando, para adaptarem-se continuamente a novos conhecimentos; resolver problemas de forma criativa, processar e disseminar informações, dominar e utilizar essas tecnologias, e, desenvolver novos tipos de relacionamento com seus pares a partir do trabalho cooperativo. Como o Brasil está passando por momento de mudança é salutar que se engaje em prol do desenvolvimento educacional, cuja metodologia tecnológica vem se tornando, de forma crescente, em importantes instrumentos de nossa cultura, e a sua utilização, um meio concreto de inclusão e interação no mundo.
E, quando se fala em integração dos alunos “especiais”, apesar de estar aparentemente se falando do direito de igualdade, na realidade está se atribuindo quase que exclusivamente a pessoa com qualquer deficiência de aprendizado a responsabilidade por sua segregação. Por conseqüência, fala-se, ainda, da necessidade de se alterar, ajustar, mudar a pessoa com deficiência, para que ela possa, então, conviver com os demais de forma integrada, o que por si só, caracteriza a desigualdade social. Destarte, há de se considera que um aluno apresenta necessidade educacional especial quando tem dificuldades maiores que o resto dos alunos para atingir as aprendizagens determinadas no currículo correspondente a sua idade e necessita para compensar estas dificuldades, de adaptações curriculares em uma ou várias áreas desse currículo, na utilização de recursos específicos, mudanças na estratégia de ensino e alterações arquitetônicas, garantindo, desta maneira o seu acesso à escola. E aí é que entra a intuição do professor e quiçá da própria direção da escola, pois lidar com as diferenças e com o processo de inclusão significa que a escola modifica-se para receber e manter o aluno no processo educativo, apesar da diversidade. 
Ora, sabemos que os usos dessa deficiência foram submetidos à estrutura de poder que a utilizavam para garantirem vantagens políticas. Toda a ajuda que lhes era oferecida infelizmente tinha um interesse político por traz. Sua identidade enquanto sujeito histórico foi construído mediante disputas de poder e luta contra a discriminação. Estão dentro do contexto a que me proponho comentar, usando a frase “ir além do quadro negro”, assim como, do giz, do apagador, do lápis, do papel, do compasso, da régua, etc., que são recursos que devem ser acoplados, entendo também que devem ser articulados com as novas tecnologias de informação e comunicação – a internet, os softwares, o computador, as lousas digitais, os projetores multimídia, os laptops, etc., pois estão dentro de um plano de trabalho ou até mesmo de um projeto ambicioso que venha garantir uma aprendizagem significativa e com autonomia dos alunos e dos professores mediadores desse processo. 
A escola deve proporcionar ao aluno a utilização de métodos que resolveriam os problemas de maneira mais prática e segura, favorecendo a verificação dos resultados. Enfim, todos unidos em prol de uma educação moderna e eficaz, podem contribuir significativamente para a formação integral do indivíduo, fazendo com que o mesmo transporte para a realidade o que aprendeu nas suas experiências. Embora a escola  esteja abandonada pelo poder público, desmistificar é importante para que todos os educadores possam enxergar o ensino além do quadro negro, uma vez que a respeito dessa temática encontra-se muita resistência e embora faça parte do cotidiano escolar, pouco se sabe a respeito. 
(Vanderlan Domingos de Souza, advogado, ambientalista e escritor – Membro da União Brasileira dos Escritores. Presidente da ONG Visão Ambiental. Escreve todas as quartas-feiras no DM. Email: vdelon@hotmail.com Blog: vanderlandomingos.blogspot.com Site: visaoambientalgo.blogspot.com)
Postar um comentário