"Todas as coisas complexas estão condenadas à decadência." (Buda)

"Evoluir não é melhorar. A lagarta jura que a borboleta é a sua decadência." (Fabrício Carpinejar)

Pesquisar neste blog ou na Web

MINHAS PÉROLAS

terça-feira, 30 de junho de 2009

O JOGO DE MESTRE




Texto

JOGO DE MESTRE

terça-feira, 30 de junho de 2009
Claudeci Ferreira de Andrade

          Assisti a uma partida de futsal entre professores e alunos, acompanhei detalhadamente com uma certa angústia a superioridade física dos alunos, e os diferentes sentimentos que os levavam a mostrar suas habilidades. Uns queriam apenas exibir seu jogo, contribuindo, assim, com o time. Outros, tirar suas diferenças e quebrar toda barreira da hierarquia como forma de vingança pelas incompreensões em classe. Havia uma certa liberdade e descontração, um ambiente propício para se pronunciar um palavrão, um aqui, outro acolá, sem qualquer escrúpulo, que em outro lugar, alunos e professores não se atreveriam. Vislumbrei a última vez em que participei ativamente de um momento “lúdico” desses, quando ainda os professores ganhavam, pois a quadra era na verdade uma extensão do massacre da sala de aula.
           O jogo entre professores e alunos é um dos mais nobres métodos para nivelar mestres e discípulos, porque quando o professor perde, cai a diferença, promovendo assim uma disposição para o aprendizado; só assim, o Jogo ganha a oportunidade de tornar-se o método miraculoso para eternizar boas relações. O professor, em qualquer outro lugar, poderia ficar ressentido com uma ofensa verbal e/ou uma pancada injusta na canela, mas no jogo não. Ele não pode manifestar ressentimento algum contra os alunos que precisam aprender a viver. Deve aplicar suas energias em outra direção: na socialização. Nessa dinâmica educacional, manter-se leal ao ofício significa manter a desvantagem na partida.
           No caráter do professor “perdedor” há, porém, algo mais que é digno de imitação. Além de não ficar ressentido com alguns alunos adversários, escarnecedores, paranóicos e com a torcida frequentemente dominada pelo demônio, ele formou duradoura amizade consigo mesmo. Por quê? Os sentimentos que perpassam o seu coração são de que ele está naquela situação inferior porque é didática. Ou de que está se deixando levar como prova de seu domínio próprio! Pois, perder no jogo, o que parece ser uma escolha cruel, não significa um fracassado. Então, como posso ser um bom jogador, isto é, driblar, enganar todo mundo, e permanecer ao mesmo tempo leal ao magistério?
           Somente a ética possibilitará que o clássico - Professores X Alunos - sobreviverá, como um bom método pedagógico, enquanto o verdadeiro forte for dilacerado em nome da lealdade ao ofício.


Postar um comentário