"A sabedoria e a exclusão andam juntas. Quanto mais você sabe, mais excluído você é." (Igor Chiesse)

"Você pode sobreviver, mas sobrevivência não é vida." (Osho)

Pesquisar neste blog ou na Web

MINHAS PÉROLAS

segunda-feira, 29 de junho de 2009

O SISTEMA DA MARIA (Se a Maria não vai com as outras, o sistema não anda)










O SISTEMA DA MARIA (Se a Maria não vai com as outras, o sistema não anda)

por Claudeci Ferreira de Andrade
  
Conhecemos a palavra grega Paidagwgos da qual veio, em transliteração aceitável, a nossa palavra Pedagogo. Essa no original é formada por duas outras palavras pais (Criança) e agwgos (Conducente). No sentido etimológico dessa palavra, o antigo pedagogo era um escravo incumbido de conduzir as crianças à escola.

  Não faz muito tempo assim, surgiu o novo papel do pedagogo: aquela pessoa da equipe escolar que responde pela operacionalização da proposta pedagógica da escola, pelo acompanhamento e orientação do trabalho desenvolvido pelos professores, pela qualidade do processo de ensino e pelo sucesso da aprendizagem dos alunos. Mas, a Maria prefere não ir com as outras. Ela é efetiva e com Licenciatura em Pedagogia; prefere orientar os seus professores de Matemática, Línguas e Ciências Biológicas por velhas metodologias. Ela tem experiência de muitos anos no magistério e prefere não se atualizar. Maria é reconhecida na comunidade escolar como uma profissional comprometida com o sucesso da escola, mas prefere emperrar os projetos, substituindo-os pela improvisação. Ela tem liderança expressa na capacidade de interagir com os vários segmentos da escola, mas prefere se valer disso para articular fofocas, mediante um processo marcado pela desconfiança. Ela revela capacidade de motivar os outros profissionais da escola, de modo a formar neles o gosto pelo estudo, pela troca de experiência e pela discussão coletiva, mas prefere lhes entregar os velhos livros didáticos e dizer: — se vire. Maria é autoconfiante, mas prefere demonstrar vaidade, presunção e arrogância. Ela tem domínio do conhecimento pedagógico e dos processos de investigação que possibilitam o aperfeiçoamento da aprendizagem, mas prefere não se envolver com cursos de capacitação e novas tecnologias. A última que ela aprontou, contou-me a própria professora da Educação de Jovens e Adultos, para a disciplina de ciências. — Proibiu-nos de passar qualquer filme para nossos alunos, pois “ela já não aguentava mais enrolação”; então usou seu respaldo profissional e tomou essa decisão. Só porque eu havia passado “O auto da Compadecida”, e um aluno pediu para sair, pois precisava chegar em casa mais cedo, ela interpretou isso como motivador de evasão, e eu: professora do ócio. O que você acha?

  Bem, o que eu acho é muito particular, mas penso que este é um caso de crise de identidade profissional, de fácil resolução. O tempo encarregar-se-á disso, assim como um adolescente torna-se adulto automaticamente. Porque a Maria também é do Sistema.

Encaminhamento de percepção

 1-Ao perfilar a coordenadora pedagógica Maria que atributos consideraria ideais?
 2-Em que circunstâncias, usar o vídeo em sala de aula pode prejudicar a aprendizagem?
 3-Que motivos teria um coordenador pedagógico para agir dessa forma?
 4-Cursos de capacitação e aperfeiçoamento em novas tecnologias possibilitam a qualidade do ensino? Por que Maria não se submetia a isso?
 5-A busca de identidade por um adolescente o leva a muitas aventuras, com essa analogia o narrador pretende uma escola aventureira? Em que sentido?
 6-A Maria é do sistema, ou é o sistema da Maria, ou a Maria é o próprio sistema?
Claudeko
Publicado no Recanto das Letras em 07/07/2009
Código do texto: T1686437


Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Postar um comentário