"Torna-te aquilo que és." (Friedrich Nietzsche)

"Não existem más influências, existem pessoas sem personalidade própria." (Demi Lovato)

Pesquisar neste blog ou na Web

MINHAS PÉROLAS

segunda-feira, 29 de junho de 2009

QUEM É O PROFESSOR MAIS FELIZ?











QUEM É O PROFESSOR MAIS FELIZ?

segunda-feira, 29 de junho de 2009
 Claudeci Ferreira de Andrade

            Os diferentes cursos de graduação, na maioria das vezes, são escolhidos não por grau de vocação a uma profissão, mas por amor ao dinheiro e ao emprego, visando apenas maior segurança material.
            Almejemos  sim, da segurança desse pretenso emprego; não renunciemos a possibilidade de um salário que nos será proporcionado justamente. Porém, nessa extremidade estão os professores de "sangue azul" que renunciam ao sacerdócio e à vocação, e procuram evadir-se aos bons princípios éticos, focalizando apenas a possibilidade de melhorar financeiramente. Mesmo assim, conscientemente, alguns entram na obra como mercenários por "merreca"; outros, às vezes, já a muito tempo no trabalho, continuam desprezando até mesmo seu público alvo que surpreendentemente "paga o pato", não passa de coisa. E ainda procuram provar seu triunfo fora do que os profissionais de boa índole mais prezam: os valores internos. Ainda, às vezes, perdem de vista o pagamento justo pelo que fazem e querem muito mais, atirando-se nos movimentos grevistas e atraindo a infâmia sobre todos nós. Esta dedicação interesseira ao magistério cativa admiração de muitos até, e deixa pouca esperança para o resto da categoria.
           Para sermos felizes, precisamos ser superiores não somente ao dinheiro e seus males, mas também a seus valores. Não há dúvida de que muitos devotam ao magistério e satisfazem suas necessidades materiais, isto é, ganham o dinheiro que precisam! Mas, não há como alcançar a felicidade, exercendo uma profissão totalmente desprovido de amor à causa. O salário é consequência.
           São mais felizes os que estão livres da dominação do egoísmo. O professor deve ser senhor de todas as coisas. Quem quer que vá pela vida, supondo que a felicidade e a satisfação virão mediante a prosperidade material, abrindo mão das coisas da alma, ficará desapontado. Sacrifício é sempre um serviço de amor: amor ao próximo e à profissão.
           Neguemo-nos a nós mesmos e nos demos aos outros em serviço útil. Nosso verdadeiro relacionamento com o professorado não é simplesmente sobrepormo-nos a ele, nem, principalmente, dele obter riquezas materiais, mas amá-lo como Cristo amou o mundo e morreu para salvá-lo. Amemos o professorado, porque na atividade do vocacionado há vida real. Deixe o professor a sua vocação e não haverá para a sociedade valores morais, nem vida, nem futuro. A vocação restaura no homem o supremo valor profissional e seus atributos reconciliam no homem o trabalho e o prazer. Em qualquer profissão podemos acumular grandes riquezas, podemos melhorar as condições humanas; tudo isso seria possível, também, com uma atuação desvocacionada, mas os homens ainda estariam perdidos, se o amor não fizesse a diferença. Só é feliz o professor que ama o que faz, independente do que ganha para fazê-lo.

 Encaminhamento de percepção

 1- Deveria um professor, devotado ao Professor dos professores (Jesus Cristo), participar de movimentos grevistas por melhoria salarial em detrimento aos transtornos educacionais e a despeito do que possa manchar sua imagem missionária?
 2- Que relação contemplamos com respeito à formação acadêmica e o desempenho de um professorado próspero?
 3- Quais são as características de um professor vocacionado?
 4- Que efeitos chegarão a um professor insatisfeito com seu trabalho – a ele e a seu público?
 5- O que significa amar o que fazemos?
Claudeko
Publicado no Recanto das Letras em 26/07/2009
Código do texto: T1719745

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Postar um comentário