"A sabedoria e a exclusão andam juntas. Quanto mais você sabe, mais excluído você é." (Igor Chiesse)

"Você pode sobreviver, mas sobrevivência não é vida." (Osho)

Pesquisar neste blog ou na Web

MINHAS PÉROLAS

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

O PROFESSORADO DE GARGANTA PROFUNDA (Seria bem melhor se tivéssemos mais cérebro que goela!)




CRÔNICA

O PROFESSORADO DE GARGANTA PROFUNDA (Seria bem melhor se tivéssemos mais cérebro que goela!)

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

Por Claudeci Ferreira de Andrade

         Os que creem que a saída para os problemas da educação é enfiar as supostas soluções de goela abaixo, também apóiam-se na ideia de que o exame videolaringoscopia bem feito seja o ideal para selecionar bons professores. Mas, a expressão “goela abaixo”, usada por todos os bem-humorados, abrange mais do que apenas a angústia de aceitar medidas atravessadas que não resolvem nada, significa engolir também desaforos dos alunos, pais e coordenadores. Um pouco antes da deglutição dessas coisas demais volumosas, a goela podia até ser virgem, por ter um estreitamento original, mas só até experimentar a orgia e a embriaguez do faz-de-conta do sistema educacional! E para escapar do sofrimento de engolir todas estas coisas que devemos engolir a seco, em nome da profissão, o remédio é engolir mais coisas. Nenhum funcionário foi enganado quanto ao afrouxamento necessário em seus padrões familiares para que seja aprovado no período probatório de seu magistério; portanto não é razoável supor, com base neste texto, que as coisas vão melhorar; a verdade é que o calibre da goela nunca mais vai voltar ao que era antes e perderá também a sensibilidade. Ah! Penso que a educação seria bem melhor, se nós professores tivéssemos mais cérebro que goela!
         É! E não seria necessário, quando acuados e castigados, pedirmos nosso remanejamento de uma unidade escolar para a outra com esta finalidade de escaparmos; em qualquer uma, teremos que fazer o tal portfólio de boa procedência: “coisa estranha de muitas pontas que não aceita vaselina”, como disse um colega pró-labore. Então, o segredo é permanecer firme no propósito de que as coisas ruins acontecem com os outros, nunca conosco: Com aquele companheiro que teve de passar a limpo todos seus cinco diários de classe, que já estavam prontos, para elevar a nota de vários alunos que podiam sujar as estatísticas da escola com alto índice de reprovação; com o outro que inventou as notas de seus alunos para confeccionar diários que foram destruídos quando a escola queimou.
         Ainda chegará a ocasião em que o Estado nos dará uma aposentadoria antecipada, mas não antes de nossa manifestação de uma série de problemas de saúde, inclusive psicológicos. Enquanto isso, só nos resta repetir a frase do personagem do Chico Anysio, o Professor Raimundo:
          — "Vai comendo Raimundo"! Ou melhor, engolindo, e "o salário, oh"!
          Quando o experiente “São” Zagalo disse: — "Vocês têm que me engolir". Se estivesse se dirigindo só a professores não estaria nos propondo uma tarefa difícil demais, e muito menos deveríamos nos ofender com o pressuposto, porque a “baleia que engoliu Jonas” era um animal sagrado e cumpridor das ordens de Deus!
         A grande razão para maiores preocupações é que nossos superiores imediatos, já estão de goela frouxa de engolir farpas, agora vomitam em nós.
Claudeko
Publicado no Recanto das Letras em 07/05/2009
Código do texto: T1581409

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários



Postar um comentário