"Não é o significado da vida, mas o sentido dela." (May Iakulo)

"Que eu não aprenda o significado da vida, no ultimo minuto do segundo tempo." (Day Anne)

Pesquisar neste blog ou na Web

MINHAS PÉROLAS

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

PROFESSOR VAGABUNDO ("Posso não ser insubstituível, mas sou inalcançável!" Lizandro Rosberg)*


CRÕNICA

PROFESSOR VAGABUNDO ("Posso não ser insubstituível, mas sou inalcançável!" Lizandro Rosberg)*

Por Claudeci Ferreira de Andrade


         Em uma aula de sexta-feira, de Ensino Religioso, longe de minha residência. A proposta didática daquele dia era procurar, num quadro de caça-palavras, valores humanos. Todas as palavras que deveriam ser encontradas denotavam atributos de um bom caráter. Perante muitos gritos e desordem, é assim que se comportavam normalmente naquela sala de sexto ano, alguns conseguiram terminar a tarefa. Um aluno que não estava fazendo “nada”, daqueles “atentados”, em plena aula, empurrou umas colegas para fora da classe, segurou a porta e diabolicamente gritava:

         — Prossor, prossor, prossor, oia aqui, elas está fora da sala!

         Eu me aproximei dele, e com voz de quem tinha alguma autoridade, o chamei de vagabundo e fi-lo sair dali. As meninas entraram, e ele saiu da sala arrogantemente fazendo ameaças de denunciar-me à secretaria de educação. Logo, na aula seguinte, daquele mesmo dia, uma das meninas num espírito de gratidão, mostrou-me, na contracapa de um ninidicionário da escola, que circulava entre eles, a frase: “Claudeci é viado” (sic). No recreio, um colega, daqueles provocadores de discórdia, comentou que o “fulaninho de tal” iria me denunciar. Alguém mais ali, para me amedrontar, disse:

         —E os mininu aqui denuncia mermo!

         Quando o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso chamou os aposentados, em rede nacional, de vagabundos, deu um tratamento especial a esta palavra, uma nova extensão semântica se agregou, pois ele mesmo era um professor aposentado. Como deveriam se comportar os aposentados diante do adjetivo lhes conferido, nessa circunstância? E o mencionado aluno? Para responder a estas perguntas, perguntemos primeiro: Que matou a Cristo? Foi o pecado. E não teria de ser necessariamente o pecado do mundo todo. Se houvesse um só pecado, o Professor dos professores teria aceitado a culpa, e esse único pecado ter-Lhe-ia custado a vida. Eu sou o vagabundo, nômade, sem qualidade, desocupado, ainda tirei tempo do "nada" para escrever este texto: uma reflexão de minha prática docente; e olha que já fui “lotado” em muitas escolas do município! Jogado daqui para Lá e de lá para cá! Talvez seja porque trabalho com carga horária mínima!

         Conta-se que um jardineiro na índia estava trabalhando no campo quando foi mordido na mão por uma cobra Krait, uma das serpentes mais venenosas que existem. Ele sabia que não havia soro algum contra a peçonha inoculada por ela. Sabia também que, mesmo que houvesse, não teria tempo para tomá-lo, pois dentro de poucos minutos o veneno atingiria o sistema nervoso central, causando-lhe a morte. Deliberadamente, apoiou o braço no tronco de uma árvore e, brandindo a lâmina do facão, decepou a própria mão. Seus amigos ouviram os gritos emitidos por ele e foram correndo ajudá-lo a estancar o sangue. Sua ação imediata e decisiva salvou-lhe a vida.

         Quem se importaria com um professor "mordido de cobra", que se mutile ou que morra! Se quando um morre sempre nasce outro em seu lugar funcional.
Claudeko
Publicado no Recanto das Letras em 25/04/2009
Código do texto: T1559466

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivad

ComentáriosComentar



22/05/2012 01:30 - Leandro [não autenticado]
Realmente, a cada dia que passa, o país vive uma realidade da qual só temos de nos envergonhar. E se pensar que, outrora, o lar foi uma das instituições mais importantes para formar e preparar um ser para vida. Hoje, penso que um dos maiores assassinos da cultura e da própria educação são os próprios pais de alunos como esses que simplesmente pensam que o dever de formar um cidadão é do professor e da escola, comprovando a instabilidade em que vivem a maioria dos lares país afora. Para dizer a verdade, ser professor é um dom e, através dessas palavras confesso que admiro a maioria de vocês pois, mesmo lidando com essas adversidades, ainda acreditam que proporcionar o conhecimento é a única forma de contornar essa situação lastimável.



09/08/2009 09:17 - ALEXANDRE MOHOR
Você, professor, está no lugar exato da curva da História. É pela educação que estão nos matando. E vocês são a peça chave dessa chacina. Assim como todo invasor, por toda a História, destrói e humilha a cultura local para poder dominar. Os pais, como mini-soldados, são cúmplices ao não participarem nem das reuniões (a maioria, não todos...). E vamos caminhando e cantando...como se nada estivesse acontecendo. FHC foi uma decepção para mim. Ele no poder, com Rute, eu tinha certeza que pelo menos educação melhoraria. Mas já cri em PMDB, Lula e agora penso em Gabeira e Marina. Mas já não me iludo... Só nos resta lutas locais. A Resistência Francesa. Um pouco aqui, um pouco ali. Não conseguimos vencê-los. Mas impedimos que eles vençam. Um abraço. Continue...




02/07/2009 23:52 - Rutinha
Amigo professor,li alguns textos seus e confesso fiquei sua fã! Abraço da Rutinha
Postar um comentário