"Até o palhaço mais alegre do circo, pode chorar em um dia de folga." (Nátaly Seckler)

"Um bom descanso é metade do trabalho." (Provérbio iugoslavo)

Pesquisar neste blog ou na Web

MINHAS PÉROLAS

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

OPOSITORES DESNUDOS DA EDUCAÇÃO (Se isto promove a harmonia nas relações, sejamos hipócritas sempre de sorriso largo!)



CRÕNICA

 OPOSITORES DESNUDOS DA EDUCAÇÃO (Se isto promove a harmonia nas relações, sejamos hipócritas sempre de sorriso largo!)

por Claudeci Ferreira de Andrade


            A causa da falta de cumplicidade, ou melhor, falta de corporativismo na escola é a desnudez dos opositores, que são tantos. Alguém disse que parece ser mais fácil obedecer à ordem de Jesus de amar os nossos inimigos, do que viver em harmonia com os colegas de trabalho! Quando somos maltratados por alguém que não pertence a nossa escola, temos a tendência de ser um pouco mais condescendentes – afinal de contas, ele não conhece a nossos assuntos, e não representa nosso meio! Quando, porém, um membro da nossa unidade escolar não se sujeita à orientação a que seguimos, sentimo-nos traídos, visto que ele compartilha o mesmo ambiente e rótulo, porém não comunga conosco das ideias cativas. Achamos que aquilo que as pessoas pensam de nós será afetado pelo que pensam a respeito dele. Esse mau exemplo queima nossa imagem por tabela! Ou salva, quando ele adota a hipocrisia não irônica. Depois dizem que "um erro não conserta o outro"!
            Conta-se que um homem levou um amigo para fora a fim de ensinar-lhe a dirigir um automóvel. Foram para um campo aberto, onde o principiante aprendeu a dar partida, parar o carro, dar marcha à ré, estacionar entre balizas etc. depois de uma hora, o aluno sentia-se bastante confiante em si mesmo, pois dirigir um veículo era mais fácil do que havia imaginado. O instrutor mandou então que ele fosse para a estrada principal. O movimento do transito, à tarde, estava aumentando, e os carros passavam em rápida sucessão. O som das buzinas, os sinais de trafego, e os pedestres foram demais para o motorista iniciante, na primeira entrada lateral, ele saiu da rodovia, deteve o carro e enxugou a transpiração da testa.
            — Ufa, teria sido fácil – disse ele – se não fossem as outras pessoas!
            Naturalmente, as pessoas que vivem ao nosso redor nos atrapalham, e me parece que no sistema educacional, isso é mais grave. Também me parece que  trabalhando as aparências, com o intuito de promova o viver em harmonia é a solução. E aprender que devemos respeitar as outras pessoas tanto quanto a nós mesmos, fingindo, se não puder ser verdadeiro, faz parte do processo de crescimento profissional (o testemunho do educador). Com efeito, parte de nossa responsabilidade é não impedir que os nossos  observadores cresçam; nossa atitude para com eles constitui uma indicação de nossa própria maturidade profissional.
            Não devemos ficar desalentados quando nossos colegas não vivem de acordo com os nossos ideais, mas com abnegado amor pela emprego adquirido por concurso, devemos fingir confiar neles, que eles também fingem confiam em nós. Até mesmo os inimigos, quando têm objetivos comuns unem-se, Aí, então, como resultado vem a cumplicidade. "Quem quiser vencer na vida deve fazer como os seus sábios: mesmo com a alma partida, ter um sorriso nos lábios"(Dinamor). Se isto promove a harmonia nas relações, sejamos hipócritas sempre de sorriso largo! Vamos concluir com nossa marca de autoridade: "A verdade que fere é pior do que a mentira que consola." (Carlos A Baccelli) Chico Xavier).
Claudeko
Publicado no Recanto das Letras em 16/05/2009
Código do texto: T1597663

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autoria de Claudeci Ferreira de Andrade,http://claudeko-claudeko.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários



Postar um comentário